Minha Poesia 2014


Foto
Foto
""Cansada de esperar"

Estou cansada
Cansada de esperar
Cansada de chorar
Esperando te rever
Mas tu não vens
Não ouves
Nem sentes
O amor te chama
E perdes-te no tempo
No tempo do tempo 
Que já não tens
Perdes-te no prazer
Das esquinas sombrias
E eu aqui cansada de esperar
Não tendo já o meu tempo
Perdi-o te esperando
E esgotada continuo esperando
Pelo amor que não soubeste dar
Pelo calor que me deste
E não me esqueci
No prazer perdido nos lençóis
Que nosso amor aqueceu
Cansada de esperar
Espero o tempo que já perdi
Anseio o tempo perdido
Do tempo que já não é nosso
Cansei de esperar.

Miká Penha"
"Cansada de esperar"
 
Estou cansada
Cansada de esperar
Cansada de chorar...
Esperando te rever
Mas tu não vens
Não ouves
Nem sentes
O amor te chama
E perdes-te no tempo
No tempo do tempo
Que já não tens
Perdes-te no prazer
Das esquinas sombrias
E eu aqui cansada de esperar
Não tendo já o meu tempo
Perdi-o te esperando
E esgotada continuo esperando
Pelo amor que não soubeste dar
Pelo calor que me deste
E não me esqueci
No prazer perdido nos lençóis
Que nosso amor aqueceu
Cansada de esperar
Espero o tempo que já perdi
Anseio o tempo perdido
Do tempo que já não é nosso
Cansei de esperar.
 
27  Dez  2014                                                       Miká Penha
Foto: "Uma ama especial"

Brevemente irei precisar
 Duma ama responsável
 Tem de saber brincar
 Ser bastante amável
 Saber dar muito carinho
 Ser alguém especial 
 Pois do meu neto
 Conta irá tomar
 Será ele Anacleto?
 Ambrósio nem pensar
 Ou será menina
 Com nome Felismina
 Ou será Guilhermina?
 Só sei que será 
 Para mim muito especial
 Artista não sei se será
 Terá um grande potencial
 Mas a ama terá de ser
 Calma e muito serena
 Mas com pulso de ferro
 Senão será pior
 Que estar numa arena
 Pois se à mãe sair
 Muito trabalho irá dar
 Muitas traquinices
 Ela terá de aturar
 Sendo assim teremos 
 Uma ama para escolher
 Que saiba mandar; mas amar.

Miká Penha
"Uma ama especial"
 
Brevemente irei precisar
Duma ama responsável
Tem de saber brincar...
Ser bastante amável
Saber dar muito carinho
Ser alguém especial
Pois do meu neto
Conta irá tomar
Será ele Anacleto?
Ambrósio nem pensar
Ou será menina
Com nome Felismina
Ou será Guilhermina?
Só sei que será
Para mim muito especial
Artista não sei se será
Terá um grande potencial
Mas a ama terá de ser
Calma e muito serena
Mas com pulso de ferro
Senão será pior
Que estar numa arena
Pois se à mãe sair
Muito trabalho irá dar
Muitas traquinices
Ela terá de aturar
Sendo assim teremos
Uma ama para escolher
Que saiba mandar; mas amar.
 
15.12.2014                                                    Miká Penha
Foto: “Perdi-te no meu olhar”

Dia após dia, eu espero
Por ti no nosso banco
Á beira da Lagoa de Óbidos
Desejo que passes por mim
Mesmo que venhas com ela
Que me olhes nos olhes
E depois? Será que consegues
Seguir teu caminho?
Namoradas de circunstância
Como lhes chamas tu!
Mas a verdade é que me amas
Teu orgulho tenta apagar
A memória dos dias
Em que me amastes.
Olha-me nos olhos 
Quando por mim passares
Pois eu desviarei meu olhar
Que tem a Lagoa refletida
De tanto para ela olhar
Não me acenes a cabeça
Não me estendas a mão
Não te sentes no nosso banco
Pois perdeste o lugar
Mas simplesmente olha-me
Olha-me nos meus olhos
Pois já não te encontras nele
Perdi-te no meu olhar.

Miká Penha
“Perdi-te no meu olhar”

Dia após dia, eu espero
Por ti no nosso banco
Á beira da Lagoa de Óbidos
Desejo que passes por mim...
Mesmo que venhas com ela
Que me olhes nos olhes
E depois? Será que consegues
Seguir teu caminho?
Namoradas de circunstância
Como lhes chamas tu!
Mas a verdade é que me amas
Teu orgulho tenta apagar
A memória dos dias
Em que me amastes.
Olha-me nos olhos
Quando por mim passares
Pois eu desviarei meu olhar
Que tem a Lagoa refletida
De tanto para ela olhar
Não me acenes a cabeça
Não me estendas a mão
Não te sentes no nosso banco
Pois perdeste o lugar
Mas simplesmente olha-me
Olha-me nos meus olhos
Pois já não te encontras nele
Perdi-te no meu olhar.

14.12.2014                                                            Miká Penha

Foto: "Era uma vez"

Menina não vás por ali
Disse-me um dia minha avó
Pode aparecer raposas 
Ou até mesmo os lobos
Pois aqui na aldeia
Quando o Inverno é gelado
Os lobos descem para
As ovelhas roubarem
Para se poderem alimentar
E as raposas vêm pilhar
As galinhas da capoeira
As toupeiras até os ovos,
Por isso minha menina
Fica aqui á beira da lareira
Que a avozinha conta uma história
Era uma vez uma linda menina
Dava pelo nome de Clarinha
Que adorava os contos da aldeia
Quando vinha da cidade
Visitar a avozinha
Mas as histórias aterravam-na
E resolveu sair ao quintal
Encontrou uma raposa
Chamou-lhe “Amarelinha”
Ficaram amigas
Às escondidas da avó
Menina doce e sozinha
Uma amiga encontrou.

Miká Penha
"Era uma vez"

Menina não vás por ali
Disse-me um dia minha avó
Pode aparecer raposas
Ou até mesmo os lobos...
Pois aqui na aldeia
Quando o Inverno é gelado
Os lobos descem para
As ovelhas roubarem
Para se poderem alimentar
E as raposas vêm pilhar
As galinhas da capoeira
As toupeiras até os ovos,
Por isso minha menina
Fica aqui á beira da lareira
Que a avozinha conta uma história
Era uma vez uma linda menina
Dava pelo nome de Clarinha
Que adorava os contos da aldeia
Quando vinha da cidade
Visitar a avozinha
Mas as histórias aterravam-na
E resolveu sair ao quintal
Encontrou uma raposa
Chamou-lhe “Amarelinha”
Ficaram amigas
Às escondidas da avó
Menina doce e sozinha
Uma amiga encontrou.

12.12.2014                                                    Miká Penha

Foto: "Os meus cisnes"

Fui à minha lagoa
Onde me sinto em casa
Mas minha tristeza
Me corroía o coração
Senti que algo estava errado
Senti que precisava de pureza
De estabilidade emocional
Senti que procurava algo
E me escondi na lagoa
Nos mais profundos recantos
Onde raramente alguém ia
Onde a natureza era natural
Sem nada que a prejudicasse
Só aí me sentia bem
Pois foi aí que te levei
Quando apaixonada me sentia
Agora sinto o mesmo
Mas com tristeza na alma
Estava amanhecendo
A neblina tornava tudo
Ainda mais misterioso
Sinto saudades de ti
E foi aí nesse momento
Quando a saudade 
Apertou meu peito
Que dois cisnes brancos
Se aproximaram de mim
Eram os únicos cisnes da lagoa
Pois lá sempre vi muitos
Patos, garças e flamingos
Eles se aproximaram
E senti minha pureza renascer
Senti que algo nasceu em mim
E senti-me resplandecente
Novamente.

Miká Penha
"Os meus cisnes"

Fui à minha lagoa
Onde me sinto em casa
Mas minha tristeza
Me corroía o coração...
Senti que algo estava errado
Senti que precisava de pureza
De estabilidade emocional
Senti que procurava algo
E me escondi na lagoa
Nos mais profundos recantos
Onde raramente alguém ia
Onde a natureza era natural
Sem nada que a prejudicasse
Só aí me sentia bem
Pois foi aí que te levei
Quando apaixonada me sentia
Agora sinto o mesmo
Mas com tristeza na alma
Estava amanhecendo
A neblina tornava tudo
Ainda mais misterioso
Sinto saudades de ti
E foi aí nesse momento
Quando a saudade
Apertou meu peito
Que dois cisnes brancos
Se aproximaram de mim
Eram os únicos cisnes da lagoa
Pois lá sempre vi muitos
Patos, garças e flamingos
Eles se aproximaram
E senti minha pureza renascer
Senti que algo nasceu em mim
E senti-me resplandecente
Novamente.

10.12.2014                                                           Miká Penha

Foto: Menino ou menina (1º poema)

Hoje soube que avó serei
Um dia de sorrisos e risadas
Ainda nem nasceste
E meu coração pula de alegria
Não sei se serás menino
Ou se serás menina
Mas exulto a felicidade
Deste estado de graça
Que minha filha concebe
É uma vida que virá
Peço a Deus que me conceda
A saúde deste pequeno ser
Proteja pai, mãe e filho
Que me dê mais uns anos
Para poder usufruir 
Desta alegria sem par
De ser avó pela primeira vez
E poder sentir este estado
De ser uma vovó açucarada
De açúcar polvilhar meu amor
Barrar com doce meloso
Pois avó é mãe com açúcar´
Deus te proteja.

Miká Penha
Menino ou menina (1º poema)

Hoje soube que avó serei
Um dia de sorrisos e risadas
Ainda nem nasceste
E meu coração pula de alegria...
Não sei se serás menino
Ou se serás menina
Mas exulto a felicidade
Deste estado de graça
Que minha filha concebe
É uma vida que virá
Peço a Deus que me conceda
A saúde deste pequeno ser
Proteja pai, mãe e filho
Que me dê mais uns anos
Para poder usufruir
Desta alegria sem par
De ser avó pela primeira vez
E poder sentir este estado
De ser uma vovó açucarada
De açúcar polvilhar meu amor
Barrar com doce meloso
Pois avó é mãe com açúcar´
Deus te proteja.

01.12.2014                                                    Miká Penha

Foto: Onde estou

Sabes onde estou?
Foi onde me deixaste
Na beira da Lagoa de Óbidos
Foi lá que perdi meu coração
Que te perdi para sempre
Porque não quero
Um amor fingido
Um Amor de Verão
Foi lá que decidi
Que não me merecias
Um amor tão puro 
Como o que tenho por ti
Um amor que não esqueço
Nem quero esquecer
Um amor que te espera
Em cada virar de esquina
Em cada olhar perdido
Em cada onda que vai e vem
Perdi-te porque não te quis
Não, não estou arrependida
Pois se me amasses como mereço
Aqui estavas ao meu lado
Para sempre e sempre
Por isso vai meu amor
Desaparece de vez
Deixa meu pobre coração
Perdido na Lagoa.

Miká Penha
Onde estou

Sabes onde estou?
Foi onde me deixaste
Na beira da Lagoa de Óbidos
Foi lá que perdi meu coração...
Que te perdi para sempre
Porque não quero
Um amor fingido
Um Amor de Verão
Foi lá que decidi
Que não me merecias
Um amor tão puro
Como o que tenho por ti
Um amor que não esqueço
Nem quero esquecer
Um amor que te espera
Em cada virar de esquina
Em cada olhar perdido
Em cada onda que vai e vem
Perdi-te porque não te quis
Não, não estou arrependida
Pois se me amasses como mereço
Aqui estavas ao meu lado
Para sempre e sempre
Por isso vai meu amor
Desaparece de vez
Deixa meu pobre coração
Perdido na Lagoa.

28.11.2014                                                                      Miká Penha

Foto: Procurei-te

Procurei-te
Mas não te encontrei
Procurei á beira mar
Fingindo andar a passear
Procurei na Lagoa de Óbidos
Mas não te encontrei
Procurei
Nos bares da marginal
Mas não te encontrei
Procurei
Á beira do Gronho
Mas não te encontrei
Procurei
No restaurante onde íamos
Mas não te encontrei
Procurei
No parque estacionamento
Mas não te encontrei
Procurei
Na loja de pesca onde ias
Mas não te encontrei
Procurei
Na nossa praia secreta
Mas não te encontrei
Procurei perto de ti 
Como se de um acaso fosse
E encontrei-te
Nos braços de outra
Fingindo amares
Como fingiste comigo
... E parei de sonhar.

Miká Penha
Procurei-te

Procurei-te
Mas não te encontrei
Procurei á beira mar
Fingindo andar a passear...
Procurei na Lagoa de Óbidos
Mas não te encontrei
Procurei
Nos bares da marginal
Mas não te encontrei
Procurei
Á beira do Gronho
Mas não te encontrei
Procurei
No restaurante onde íamos
Mas não te encontrei
Procurei
No parque estacionamento
Mas não te encontrei
Procurei
Na loja de pesca onde ias
Mas não te encontrei
Procurei
Na nossa praia secreta
Mas não te encontrei
Procurei perto de ti
Como se de um acaso fosse
E encontrei-te
Nos braços de outra
Fingindo amares
Como fingiste comigo
... E parei de sonhar.
28.11.2014                                                                        Miká Penha

Foto: Na tela do meu quarto

Pintei-me numa tela
Coloquei-a no meu quarto
Comprei uma moldura antiga
Mas estava muito velha
Resolvi sair da tela
Estava frio o quarto
Não sou egocêntrica
Nem tão pouco tântrica
Mas sinto amor nesta cama
Amor solitário e perdido
Na penumbra da escuridão
Numa fracção do tempo
Saio de tela e sinto-me perdida
Despida de mim e de ti
Um fantasma perdido
Dessincronizada 
Realçada na pintura
De onde fujo cansada
Não quero ficar aqui presa
Nesta paisagem quente
Com meu corpo frio e inerte
Esperando a morte anunciada
Volto p’ra tela a óleo
Que pintei a chorar
Coberta cheirando a linóleo
As lágrimas derramadas
Estragam a pintura
Coberta de amargura.

Miká Penha
Na tela do meu quarto

Pintei-me numa tela
Coloquei-a no meu quarto
Comprei uma moldura antiga
Mas estava muito velha...
Resolvi sair da tela
Estava frio o quarto
Não sou egocêntrica
Nem tão pouco tântrica
Mas sinto amor nesta cama
Amor solitário e perdido
Na penumbra da escuridão
Numa fracção do tempo
Saio de tela e sinto-me perdida
Despida de mim e de ti
Um fantasma perdido
Dessincronizada
Realçada na pintura
De onde fujo cansada
Não quero ficar aqui presa
Nesta paisagem quente
Com meu corpo frio e inerte
Esperando a morte anunciada
Volto p’ra tela a óleo
Que pintei a chorar
Coberta cheirando a linóleo
As lágrimas derramadas
Estragam a pintura
Coberta de amargura.

26.11.2014                                                                       Miká Penha

Foto: A minha janela

Em casa fechada
Esperando por ti
Abro as portadas da janela
Esperando que apareças
Na tua “Princezinha” guiando
Vires-me buscar para sempre
Mas o sempre é eterno
E esta espera me mata
Me despojo da minha roupa
Me despojo dos bens materiais
Mas me quero despojar de ti
Preciso te esquecer para sempre
O chão está gelado 
Quero-te a meu lado
Aquece meu corpo perdido
Perdido e esquecido
Das sensações amadas
Ao teu toque ritmado
Para sempre lembradas
Essas ternas carícias
Vem que te espero 
Em minha casa fechada
Mas a janela aberta
Sentindo o raio de sol
Que me vem lembrar
Teus beijos melosos
Quero-te esquecer
Me ajudem estou a sofrer.

Miká Penha
A minha janela

Em casa fechada
Esperando por ti
Abro as portadas da janela
Esperando que apareças...
Na tua “Princezinha” guiando
Vires-me buscar para sempre
Mas o sempre é eterno
E esta espera me mata
Me despojo da minha roupa
Me despojo dos bens materiais
Mas me quero despojar de ti
Preciso te esquecer para sempre
O chão está gelado
Quero-te a meu lado
Aquece meu corpo perdido
Perdido e esquecido
Das sensações amadas
Ao teu toque ritmado
Para sempre lembradas
Essas ternas carícias
Vem que te espero
Em minha casa fechada
Mas a janela aberta
Sentindo o raio de sol
Que me vem lembrar
Teus beijos melosos
Quero-te esquecer
Me ajudem estou a sofrer.

26.11.2014                                                                           Miká Penha

Foto: Nas asas do condor

Minha mente voa
Nas asas do condor
Esqueço todo o pudor
Ao sonhar contigo
Agora é um sonho
Ou até pesadelo
Sinto o vento marítimo
Que assopra meu vestido
Me faz voar na imaginação
Sinto o cheiro do mar
O fresco da bruma
Sinto-te
Quero-te
Ou talvez não
Preciso-te esquecer
Neste meu padecer
Neste tormento de dor
Quero ser fantasma e voar
No teu ouvido sussurrar
Quando com a outra passeias
Dizer-te o quanto te amo
Quanto me fazes sofrer
Estranho este tormento
Que não te quero perder
Mas levem este sentimento
Pois meu coração está a sofrer.

Miká Penha
Nas asas do condor

Minha mente voa
Nas asas do condor
Esqueço todo o pudor
Ao sonhar contigo...
Agora é um sonho
Ou até pesadelo
Sinto o vento marítimo
Que assopra meu vestido
Me faz voar na imaginação
Sinto o cheiro do mar
O fresco da bruma
Sinto-te
Quero-te
Ou talvez não
Preciso-te esquecer
Neste meu padecer
Neste tormento de dor
Quero ser fantasma e voar
No teu ouvido sussurrar
Quando com a outra passeias
Dizer-te o quanto te amo
Quanto me fazes sofrer
Estranho este tormento
Que não te quero perder
Mas levem este sentimento
Pois meu coração está a sofrer.

26.11.2014                                                         Miká Penha

Foto: A metade de mim

Perdi-me no meu eu
Esqueci metade de mim
Procuro afincadamente
Onde estou afinal?
Quem sou eu?
Onde estou?
Nas profundezas 
Do meu ser
Procuro-me
E 
Encontro-me
Pois nunca me perdi
Nunca me esqueci de mim
Eu sou a outra metade 
Da metade que me procura
Eu sou um todo
Eu sou eu 
Me completo
Me buscando
Na natureza
Nos rios
Nos mares
Na aldeia onde nasci
Me procurei
E
Me encontrei
Porque nunca me perdi
Estive sempre aqui
Dentro de mim
Pois eu sou eu

Miká Penha
A metade de mim

Perdi-me no meu eu
Esqueci metade de mim
Procuro afincadamente
Onde estou afinal?...
Quem sou eu?
Onde estou?
Nas profundezas
Do meu ser
Procuro-me
E
Encontro-me
Pois nunca me perdi
Nunca me esqueci de mim
Eu sou a outra metade
Da metade que me procura
Eu sou um todo
Eu sou eu
Me completo
Me buscando
Na natureza
Nos rios
Nos mares
Na aldeia onde nasci
Me procurei
E
Me encontrei
Porque nunca me perdi
Estive sempre aqui
Dentro de mim
Pois eu sou eu

21.11.2014                                                                          Miká Penha

Foto: “Pescador de Pérolas”

Pescador de pérolas
Nadando no meu mar
Á beira das falésias
Bem escondidas lá no fundo
Escondem-se as ostras
Vai arranhando-as
Para que possa entrar
Um grão de areia intruso
Que as faça sangrar
Para se poderem curar
E o grão de areia revestir
Do seu nácar brilhante
Da cor de madre pérola
E assim esse pequeno grão
Se transforma revestido
Numa pérola vistosa
Na mais bela de todas as conchas
Neste mar duro e cruel
O pescador de pérolas
Primeiro as transforma
Para depois as colher
Esquecem o sofrimento
Que a sua intrusão
Provoca nelas 
Assim meu amor
Precisa que um sofra
Para este amor idolatrado
Um dia poder vencer
Se preparar para o futuro
Deste grande amor
Ou para a solidão
Das memórias perduradas
Que me fecham
Na minha concha.

Miká Penha
“Pescador de Pérolas”

Pescador de pérolas
Nadando no meu mar
Á beira das falésias
Bem escondidas lá no fundo...
Escondem-se as ostras
Vai arranhando-as
Para que possa entrar
Um grão de areia intruso
Que as faça sangrar
Para se poderem curar
E o grão de areia revestir
Do seu nácar brilhante
Da cor de madre pérola
E assim esse pequeno grão
Se transforma revestido
Numa pérola vistosa
Na mais bela de todas as conchas
Neste mar duro e cruel
O pescador de pérolas
Primeiro as transforma
Para depois as colher
Esquecem o sofrimento
Que a sua intrusão
Provoca nelas
Assim meu amor
Precisa que um sofra
Para este amor idolatrado
Um dia poder vencer
Se preparar para o futuro
Deste grande amor
Ou para a solidão
Das memórias perduradas
Que me fecham
Na minha concha.

14.11.2014                                                              Miká Penha

Foto: “Doutor preciso de si”

Doutor preciso de si
Onde você está?
Preciso do amor dele
Dê-me alguma coisa
Passe-me um medicamento 
Que me cure deste mal
Meu corpo precisa dum herói
Que me salve deste tormento
Que me acalme o coração
Antes que me dê um enfarte
Doutor preciso de si
Hoje me sinto tão estranha
Venha e me salve
Sou jovem para morrer de amor
Venha ou me ligue por favor
Tenho a temperatura alta
A febre se me apodera
Minha tensão descontrola
Descompenso este corpo
Que se apoderou o amor
Venha salvar minha vida
Estou descompensada
Acho que é mal do coração
As batidas estão aceleradas
Não há comprimidos
Que me curem
Nem injeções que me salvem
Não meça minha tensão
Pois a máquina arrebenta
Por favor doutor
Não me diga o diagnóstico
Que até eu o sei
Que é mal de amor.

Miká Penha
“Doutor preciso de si”

Doutor preciso de si
Onde você está?
Preciso do amor dele
Dê-me alguma coisa...
Passe-me um medicamento
Que me cure deste mal
Meu corpo precisa dum herói
Que me salve deste tormento
Que me acalme o coração
Antes que me dê um enfarte
Doutor preciso de si
Hoje me sinto tão estranha
Venha e me salve
Sou jovem para morrer de amor
Venha ou me ligue por favor
Tenho a temperatura alta
A febre se me apodera
Minha tensão descontrola
Descompenso este corpo
Que se apoderou o amor
Venha salvar minha vida
Estou descompensada
Acho que é mal do coração
As batidas estão aceleradas
Não há comprimidos
Que me curem
Nem injeções que me salvem
Não meça minha tensão
Pois a máquina arrebenta
Por favor doutor
Não me diga o diagnóstico
Que até eu o sei
Que é mal de amor.

14.11.2014                                                                  Miká Penha

Foto: “Nunca te esquecerei”

Quero esquecer teu sorriso
Sem ti a minha vida é em vão
Estou com vontade de mudar o mundo
Começo com este poema
Sou incapaz de viver sem ti
Abraça-me a solidão
Que a todo o momento mando embora
Na tentativa de sobreviver sem ti
Incapaz de amar outro
Sôfrega do teu corpo
Pensas que não precisas de mim
Mas quando passeio na lagoa
Sinto teu cheiro
Oiço teu riso
Não penses que não precisas
Pois o tempo se arrasta
O relógio não pára
E os anos voam
Acredita que precisas
Precisas de mim
Nunca me irás esquecer
Vives o sonho de me esquecer
Acredita, nunca serás capaz
Mas mesmo te amando tanto
Também te quero esquecer
Sinto-me uma mulher incapaz
De voltar a amar
Pois irei vencer
E tu irás ver
Como sou especial
Chegou a hora?
Não, não chegou 
Ainda não te quero
Faz o teu show
Vai brincando com outra
Que eu vou esperando
O tempo passar
Para mim não se esgota
A minha hora irá chegar
E irás te entregar a mim
Mesmo assim não sei
Não sei se te quererei
Pois me fizeste sofrer
Sofrer de mais
E eu sou especial
Sou um bocado da lua e do sol
Voou nas asas do sonho
Entrego-me á imaginação
Um dia vais querer me pertencer
E novamente eu não vou querer
Pois és um amor bandido
Um amor que talvez quererei um dia
Pois quero ser para ti
Teu anjo salvador
A quem tudo confias
Até á morte.

Miká Penha
“Nunca te esquecerei”

Quero esquecer teu sorriso
Sem ti a minha vida é em vão
Estou com vontade de mudar o mundo
Começo com este poema...
Sou incapaz de viver sem ti
Abraça-me a solidão
Que a todo o momento mando embora
Na tentativa de sobreviver sem ti
Incapaz de amar outro
Sôfrega do teu corpo
Pensas que não precisas de mim
Mas quando passeio na lagoa
Sinto teu cheiro
Oiço teu riso
Não penses que não precisas
Pois o tempo se arrasta
O relógio não pára
E os anos voam
Acredita que precisas
Precisas de mim
Nunca me irás esquecer
Vives o sonho de me esquecer
Acredita, nunca serás capaz
Mas mesmo te amando tanto
Também te quero esquecer
Sinto-me uma mulher incapaz
De voltar a amar
Pois irei vencer
E tu irás ver
Como sou especial
Chegou a hora?
Não, não chegou
Ainda não te quero
Faz o teu show
Vai brincando com outra
Que eu vou esperando
O tempo passar
Para mim não se esgota
A minha hora irá chegar
E irás te entregar a mim
Mesmo assim não sei
Não sei se te quererei
Pois me fizeste sofrer
Sofrer de mais
E eu sou especial
Sou um bocado da lua e do sol
Voou nas asas do sonho
Entrego-me á imaginação
Um dia vais querer me pertencer
E novamente eu não vou querer
Pois és um amor bandido
Um amor que talvez quererei um dia
Pois quero ser para ti
Teu anjo salvador
A quem tudo confias
Até á morte.

14.11.2014                                                                Miká Penha

Foto: “Avé Maria”

És a mãe de todos
Mãe de mim, mãe de ti
Mãe-da-lua e do sol
Mãe da natureza e dos mares
Mãe que estás no céu
És a seiva que corre em nós
Dás a tua luz ao mundo
Levas as dores do coração
Estende o teu manto
A esta terra que precisa de ti
Transforma os corações
Para que o paraíso seja aqui
Segues nos andores
Os pecadores prostram-se a teus pés
Rogai por nós
Avé Maria
Cheia de graça
Abençoai todos nós
Abençoai nossas terras
Abençoai nossos animais
Abençoai a natureza
Abençoai as pombas brancas
Que voam a teu lado
Abençoai os pescadores
Que pescam nestes mares
Que nos dão alimento
Abençoai as noites serenas
Cremos em vós Maria
Ouvi-de as nossas preces
Conduzimos a nossa fé
Até vós Maria
Que estais no nosso coração
Protegei-nos de todo o mal
Amem.

Miká Penha
“Avé Maria”

És a mãe de todos
Mãe de mim, mãe de ti
Mãe-da-lua e do sol
Mãe da natureza e dos mares...
Mãe que estás no céu
És a seiva que corre em nós
Dás a tua luz ao mundo
Levas as dores do coração
Estende o teu manto
A esta terra que precisa de ti
Transforma os corações
Para que o paraíso seja aqui
Segues nos andores
Os pecadores prostram-se a teus pés
Rogai por nós
Avé Maria
Cheia de graça
Abençoai todos nós
Abençoai nossas terras
Abençoai nossos animais
Abençoai a natureza
Abençoai as pombas brancas
Que voam a teu lado
Abençoai os pescadores
Que pescam nestes mares
Que nos dão alimento
Abençoai as noites serenas
Cremos em vós Maria
Ouvi-de as nossas preces
Conduzimos a nossa fé
Até vós Maria
Que estais no nosso coração
Protegei-nos de todo o mal
Amem.

14.11.2014                                                                      Miká Penha

Foto: “Arte de amar ao luar”

As nuvens pairam no alto
E eu deitada na areia
As vejo caminhar
Aquela parece um cavalo
A outra, um ursinho
Pena não teres sabido
A arte de amar e de sonhar
E até de caminhar lado a lado
Pois é essa arte de milénios
Que nos dá encantamentos
Vem caminhar comigo nas nuvens
Te conto e ensino esse segredo
Sobe aquela escada na montanha
Ou toma boleia no dragão
É assim que se sonha
Deixar voar a imaginação
Desenhar no céu estas lembranças
Envolta no vestido de luar
Alcançamos a lua de mãos dadas
É esta a arte de amar e sonhar
Nossas almas flutuam
Na linha do horizonte 
Sou filha da lua
Vai pedir-lhe minha mão
Mistérios desta lagoa
Que me obriga a sonhar
Afinal estou sozinha
Na solidão deste mar

Miká Penha
“Arte de amar ao luar”

As nuvens pairam no alto
E eu deitada na areia
As vejo caminhar
Aquela parece um cavalo...
A outra, um ursinho
Pena não teres sabido
A arte de amar e de sonhar
E até de caminhar lado a lado
Pois é essa arte de milénios
Que nos dá encantamentos
Vem caminhar comigo nas nuvens
Te conto e ensino esse segredo
Sobe aquela escada na montanha
Ou toma boleia no dragão
É assim que se sonha
Deixar voar a imaginação
Desenhar no céu estas lembranças
Envolta no vestido de luar
Alcançamos a lua de mãos dadas
É esta a arte de amar e sonhar
Nossas almas flutuam
Na linha do horizonte
Sou filha da lua
Vai pedir-lhe minha mão
Mistérios desta lagoa
Que me obriga a sonhar
Afinal estou sozinha
Na solidão deste mar

13.11.2014                                                            Miká Penha

Foto: "Baú secreto"

Quero ficar contigo 
Como se fosse a primeira vez
Um dia quem sabe ainda no futuro
Te encontrarei novamente
Hoje resolvi ir ao sótão
Abri meu baú secreto
Onde guardo tuas recordações
Estava vazio
Tudo está na minha cabeça
Nada é palpável
São simplesmente recordações
Do tempo em que te amei
Fechei o baú para não mais te recordar
Os poemas que te escrevi
Estão num livro editado
E também muito amado
Pois foi meu primeiro livro
“Amor de Verão”
Fizeste em pedaços esse amor
Queimaste meu coração
Queimei em mim os teus beijos
Não os que me deste
Mas sim os que te dei
Quis queimar as lágrimas
 Mas elas apagaram este fogo
Agora são só elas que brotam de mim
No corpo sinto um fogo sem fim
Não me esqueço de ti.

Miká Penha
"Baú secreto"

Quero ficar contigo
Como se fosse a primeira vez
Um dia quem sabe ainda no futuro
Te encontrarei novamente...
Hoje resolvi ir ao sótão
Abri meu baú secreto
Onde guardo tuas recordações
Estava vazio
Tudo está na minha cabeça
Nada é palpável
São simplesmente recordações
Do tempo em que te amei
Fechei o baú para não mais te recordar
Os poemas que te escrevi
Estão num livro editado
E também muito amado
Pois foi meu primeiro livro
“Amor de Verão”
Fizeste em pedaços esse amor
Queimaste meu coração
Queimei em mim os teus beijos
Não os que me deste
Mas sim os que te dei
Quis queimar as lágrimas
Mas elas apagaram este fogo
Agora são só elas que brotam de mim
No corpo sinto um fogo sem fim
Não me esqueço de ti.

13.11.2014                                                                                   Miká Penha

Foto: "Pó da Lua"

Olhei para a Lua
Quando fui à janela
Vi algo diferente nela
Corri até ao jardim
A lua soltava um pó
Caía em cima de mim
Não tinha cheiro de canela
Mas sim do cheiro de jasmim
Não era o cheiro do pó
Mas das flores aos meus pés
A poeira era luminosa
Florescente  e amarela
Não tinha cheiro algum
Olhei novamente para a lua
Estava sentado Ogum
Vestido de azul e verde escuro
Com um colar azul marinho
Meu sonho se misturava
Fora da minha realidade
Entre mim e o Orixá
Ele espalhava o pó amarelo
Seus filhos Oxissi e Oronian
Riam atrás dele brincando
O pó da lua me rodeava
Formava uma aurea boreal
De milhares de cores
Que me envolvia numa dança
Abri meus braços e corri
Dancei e rodopiei
Tornou-me sua filha
E assim fui dormir feliz
Pois sou filha da Lua.

Miká Penha
"Pó da Lua"

Olhei para a Lua
Quando fui à janela
Vi algo diferente nela
Corri até ao jardim...
A lua soltava um pó
Caía em cima de mim
Não tinha cheiro de canela
Mas sim do cheiro de jasmim
Não era o cheiro do pó
Mas das flores aos meus pés
A poeira era luminosa
Florescente e amarela
Não tinha cheiro algum
Olhei novamente para a lua
Estava sentado Ogum
Vestido de azul e verde escuro
Com um colar azul marinho
Meu sonho se misturava
Fora da minha realidade
Entre mim e o Orixá
Ele espalhava o pó amarelo
Seus filhos Oxissi e Oronian
Riam atrás dele brincando
O pó da lua me rodeava
Formava uma aurea boreal
De milhares de cores
Que me envolvia numa dança
Abri meus braços e corri
Dancei e rodopiei
Tornou-me sua filha
E assim fui dormir feliz
Pois sou filha da Lua.

5.11.2014                                                        Miká Penha

Melancolia
 
Melancolia de fim de Verão, fim de férias, mudança de estação...
Não nada disso me entristece, me renovo em cada estação, em tudo uma aprendizagem, uma contemplação divinal do ambiente que me cerca. Na serra do Montejunto, ou na serra ao lado onde vivo que é a Serra Nª Srª Todo o Mundo, a qualidade de vida e o bucolismo me faz renascer todos os dias, não me privem deste ambiente que assim durarei ...mais uns anos, não me façam sofrer, pois estou feliz. A Lagoa de Óbidos me tem ajudado imenso a ultrapassar as crises existenciais que existiam dentro de mim.
Não gosto do meu eu exterior, no entanto me apaixono a cada dia pelo meu interior, esse sim está cheio de amor. Amor ao ver a formiga que passou por mim e entrou naquele formigueiro minúsculo, onde lá dentro existe um mundo, é assim que me sinto, por fora não sou nada, e por dentro sou tudo.
Meus filhos me completam, foi por eles que sempre caminhei e por eles continuo a caminhar, quis deixar um rasto de orgulho e...
Na profissão vesti a camisola, ou seja dei tudo por tudo, lancei os dados e recebi um 6, venci e cheguei ao topo da carreira. um aneurisma apareceu mas não me venceu.
Decidi começar a pintar, pois aos 10 anos tinha ganho um concurso de pintura e foi sempre um desejo um dia recomeçar, acabei por este ano fazer mais duas boas exposições que correram muito bem.
Decidi começar a escrever, comecei a vasculhar o baú dos papéis velhos onde encontrei dezenas de poemas meus e então resolvi ver editoras para editar um livro que servisse mais tarde de compacto para meus filhos ou netos. Qual a minha admiração de preços astronómicos que levavam qualquer pequenino escritor a desistir de imediato, mas não desisti e resolvi pesquisar como se faz um livro, e acabei por ser eu a editar os meus 3 livros. Ppassado uns meses do lançamento e sessões, estou a editar livros a amigos que como eu nunca os poderiam editar.
Decidi casar, noivos que satisfizessem meu coração não existiram, uma paixoneta tive que me fez sofrer, pois hoje em dia os homens da minha idade acham que devem ter uma mulher ao lado mas terem relações abertas, pois são muito modernos, ah ah ah...
Egoísmo da parte deles querem brincar somente, enquanto eu penso no futuro a dois, numa união de respeito, de amor, de carinho e principalmente de fidelidade...
Por isso sozinha fiquei...Não, não fiquei tenho o que uma mulher deseja, o amor incondicional dos meus filhos e um dia quando seus rebentos nascerem de meus netos também. Isso me basta .
Me tem bastado até ao momento que eles se tornaram adultos seguiram sua vida, e agora?...
Eles tenho-o quando podem e ela a solidão?
Essa ainda não a tenho, mas só por enquanto, pois ainda trabalho e cumpro meu horário atendendo os utentes no centro saúde, trabalho que muito amo, mas depois do trabalho começa a bater a saudade de ter com quem conversar, com quem sair, ir tomar café acompanhada e de mãos dadas.
Passar os fins de semana com o amor e começar um Inverno da vida acompanhada e para sempre estimada.
Mas os desejos estão longe de ser alcançados quando a palavra amor está desgastada, cansada do uso indevido.
Tive um grande amor, o pai dos meus filhos, agora tento alcançar o amor mais pleno mais maduro, mais calmo e sereno, assim quero, assim desejo, menos... nunca aceitaria.
Ainda quero ser mais feliz...

4.11.2014                                                                                        Miká Penha
 Foto: "Verão tardio"

Férias de Verão
No Outono dourado
Tardias estas férias
Emblemáticas talvez
Para não esquecer
Para não lembrar
Insistência em ser feliz
Querer amar um dia
Desejar a felicidade
Alimentar o sonho
Mesmo na adversidade
Verão tristonho
Outono alegre
Momentos bons
Para esquecer
Neste dia ameno
Bastante sereno
Férias acabadas
Mas não esquecidas
Neste Outono
Um copo de água pé
Castanhas quentes
Na margem da praia
Amor diferente.

Miká Penha
"Verão tardio"

Férias de Verão
No Outono dourado
Tardias estas férias
Emblemáticas talvez...
Para não esquecer
Para não lembrar
Insistência em ser feliz
Querer amar um dia
Desejar a felicidade
Alimentar o sonho
Mesmo na adversidade
Verão tristonho
Outono alegre
Momentos bons
Para esquecer
Neste dia ameno
Bastante sereno
Férias acabadas
Mas não esquecidas
Neste Outono
Um copo de água pé
Castanhas quentes
Na margem da praia
Amor diferente.

27.10.2014                                                                    Miká Penha
Foto: "Voltar a amar"

Voltar a amar
Dúvidas a aflorar
Tentar acreditar
Satisfação
Concretização
Sonhos por acabar
Voltar a amar
Realização
Consolidação
Materialização
Cristalização
De uma união
Voltar a amar
Acreditar
Em mim
Dúvidas
Dúvidas
Um toque
Uma sensação
Uma ternura 
No coração
Sonhar
Amar
Acreditar
Um dia...

Miká Penha
"Voltar a amar"

Voltar a amar
Dúvidas a aflorar
Tentar acreditar
Satisfação...
Concretização
Sonhos por acabar
Voltar a amar
Realização
Consolidação
Materialização
Cristalização
De uma união
Voltar a amar
Acreditar
Em mim
Dúvidas
Dúvidas
Um toque
Uma sensação
Uma ternura
No coração
Sonhar
Amar
Acreditar
Um dia...
 27.10.2014                                                                       Miká Penha

Foto: "Palavras de Fogo"

Gritaste palavras de fogo,
Nas ondas do mar,
Gritaste aos sete ventos,
Para gravarem tuas palavras,
E gritaste "Quero-te"
Será que me queres mesmo?
Pois um querer é p'ra sempre,
Um desejo que se deseja,
Um beijo que se apaixona,
Um coração que se abre,
Queres-me?
P'ra sempre sem dúvidas?
Ou queres-me só até o sol nascer?
A Lua se voltar a esconder?
As estrelas pararem de brilhar?
Queres-me?
Até quando?
Se eu aceitar é p'ra sempre
Até o universo conjugar
A palavra amo-te
Até o mar se acalmar
E o vento parar de soprar
Até o sol ficar azul
E a lua verde
As estrelas vermelhas
Se eu aceitar
Querer-te-ei para sempre.

Miká Penha
"Palavras de Fogo"

Gritaste palavras de fogo,
Nas ondas do mar,
Gritaste aos sete ventos,
Para gravarem tuas palavras,...
E gritaste "Quero-te"
Será que me queres mesmo?
Pois um querer é p'ra sempre,
Um desejo que se deseja,
Um beijo que se apaixona,
Um coração que se abre,
Queres-me?
P'ra sempre sem dúvidas?
Ou queres-me só até o sol nascer?
A Lua se voltar a esconder?
As estrelas pararem de brilhar?
Queres-me?
Até quando?
Se eu aceitar é p'ra sempre
Até o universo conjugar
A palavra amo-te
Até o mar se acalmar
E o vento parar de soprar
Até o sol ficar azul
E a lua verde
As estrelas vermelhas
Se eu aceitar
Querer-te-ei para sempre.
 26.10.2014                                                                          Miká Penha

Foto: "Entraste na minha vida"

Entraste de mansinho
Na minha vida queres ficar
Sonhar os mesmos sonhos
Viver a mesma vida
Mas os nossos receios
Medos e ansiedades
Sopram contra o vento
São empurradas para o mar
Na crista das ondas se debatem
Se dissipam e  desaparecem
São vontades não compradas
Talvez não desejadas
Mas a solidão vence o medo
Quem quer estar sozinho?
Quem deseja perder,
A quem nos quer amar?
Ajudar a esquecer o passado
Avançar para o futuro
Entraste de mansinho
Na minha vida talvez ficar
Ou eu vou parar de sonhar
E p'ra sempre desaparecer
Nas ondas deste mar.

Miká Penha

"Entraste na minha vida"

Entraste de mansinho
Na minha vida queres ficar
Sonhar os mesmos sonhos
Viver a mesma vida...
Mas os nossos receios
Medos e ansiedades
Sopram contra o vento
São empurradas para o mar
Na crista das ondas se debatem
Se dissipam e desaparecem
São vontades não compradas
Talvez não desejadas
Mas a solidão vence o medo
Quem quer estar sozinho?
Quem deseja perder,
A quem nos quer amar?
Ajudar a esquecer o passado
Avançar para o futuro
Entraste de mansinho
Na minha vida talvez ficar
Ou eu vou parar de sonhar
E p'ra sempre desaparecer
Nas ondas deste mar.
 25.10.2014                                                              Miká Penha

Foto: "Ser Poetiza"

Não, não sou poetiza
Pois fingir não é meu lema
O poeta é um fingidor
E eu poetizo minha vida
Todos os dias quando acordo
Todos os dias quando ajudo
Todos os dias quando sorrio
Não consigo fingir
Por isso não sou poetiza
Quem quer ser poetiza?
Eu não o quero ser
Nem tenho pretensões a isso
Quero ser simplesmente eu
Jogar com as palavras
Brincar com as letras
Sentir o cheiro do papel
Folhas velhas e amarelecidas
Com letra gótica desenhada
Escrever meus sentimentos
Derramar minhas lágrimas
Que mancharam as páginas
Que descrevem minha vida
Quem quer ser poetiza?
Eu não quero
Quero ser simplesmente eu
Escrevendo em mim.

Miká Penha
"Ser Poetiza"

Não, não sou poetiza
Pois fingir não é meu lema
O poeta é um fingidor
E eu poetizo minha vida...
Todos os dias quando acordo
Todos os dias quando ajudo
Todos os dias quando sorrio
Não consigo fingir
Por isso não sou poetiza
Quem quer ser poetiza?
Eu não o quero ser
Nem tenho pretensões a isso
Quero ser simplesmente eu
Jogar com as palavras
Brincar com as letras
Sentir o cheiro do papel
Folhas velhas e amarelecidas
Com letra gótica desenhada
Escrever meus sentimentos
Derramar minhas lágrimas
Que mancharam as páginas
Que descrevem minha vida
Quem quer ser poetiza?
Eu não quero
Quero ser simplesmente eu
Escrevendo em mim.
 19.10.2014                                                                          Miká Penha
Foto: "Desapego"

Quero-me
desapegar
do 
passado
da 
dor
das
recordações
Desapego
de
mim
de 
ti
de
nós
Desapego
das
frustrações
dos
sentimentos
quero 
voltar
a
amar.

Miká Penha
"Desapego"

Quero-me
desapegar
do
passado...
da
dor
das
recordações
Desapego
de
mim
de
ti
de
nós
Desapego
das
frustrações
dos
sentimentos
quero
voltar
a
amar.
 18.10.2014                                                                            Miká Penha

"Sinto-te"

Ainda
Te
Sinto...
Quero-te
Mas
Minto-me
Escondo-me
Recordo
Tuas
Mãos
Na
Minha
Pele
Recordo
E
Escondo
Meu
Sentir
Recordo-te
Em
Mim
Sonho
Contigo
Todas
As noites
Quero-te
Desejo-te
Imploro
Façam-me
Esquecer-te
Por favor.
 18.10.2014                                                                              Miká Penha
Foto: "Quero contigo dançar"

Olhos que se encontram
Ao atravessar uma esquina
A neblina se adensa
MIra-me do pés à cabeça
Sorriso matreiro e fogaz
Com o dedo indicador
Me chama piscando o olho
Olhei de repente para traz
Pensei que estava enganada
Me chamou de Maria,
Me convidou p'ra dançar
Oiço uma música suave
Naquela esquina em Paris
Tudo se adensa em mim
Sentimentos à flor da pele
Me pega desembaraçado
Me rodopia pela calçada
Numa sintonia frívola
Um tango bem dançado
Naquela esquina ao lado
Esquecer o passado
Viver o presente
Esperando um amado
Esquecer sentimentos
Frustrações e amores
Esperança no futuro
Dança malfadada
Para esquecer as dores
Para esquecer o amado.

Miká Penha

"Quero contigo dançar"

Olhos que se encontram
Ao atravessar uma esquina
A neblina se adensa
MIra-me do pés à cabeça...
Sorriso matreiro e fogaz
Com o dedo indicador
Me chama piscando o olho
Olhei de repente para traz
Pensei que estava enganada
Me chamou de Maria,
Me convidou p'ra dançar
Oiço uma música suave
Naquela esquina em Paris
Tudo se adensa em mim
Sentimentos à flor da pele
Me pega desembaraçado
Me rodopia pela calçada
Numa sintonia frívola
Um tango bem dançado
Naquela esquina ao lado
Esquecer o passado
Viver o presente
Esperando um amado
Esquecer sentimentos
Frustrações e amores
Esperança no futuro
Dança malfadada
Para esquecer as dores
Para esquecer o amado.
 17.10.2014                                                                      Miká Penha

Foto: "Quero te esquecer"

Quero esquecer
O quanto te amei
O quanto te desejo
Quero esquecer
Tudo o que passamos
As lembranças amadas
Os sonhos idealizados
Quero esquecer
Os passeios de mãos dadas
À procura de caranguejos
Quero esquecer
Os passeios de barco
Quero esquecer
O isco que te preparava
Para a tua cana de pesca
Quero esquecer
O vinho branco 
Que te preparava
E que bebias fresquinho
Quero esquecer
A tua carrinha, auto caravana
Que chamavas de Princesinha
Quero esquecer
Quantas vezes sonhei
A nos casarmos
A chamar-te marido
Quero esquecer
Quero esquecer-te
Para sempre.

Miká Penha
"Quero te esquecer"

Quero esquecer
O quanto te amei
O quanto te desejo
Quero esquecer...
Tudo o que passamos
As lembranças amadas
Os sonhos idealizados
Quero esquecer
Os passeios de mãos dadas
À procura de caranguejos
Quero esquecer
Os passeios de barco
Quero esquecer
O isco que te preparava
Para a tua cana de pesca
Quero esquecer
O vinho branco
Que te preparava
E que bebias fresquinho
Quero esquecer
A tua carrinha, auto caravana
Que chamavas de Princesinha
Quero esquecer
Quantas vezes sonhei
A nos casarmos
A chamar-te marido
Quero esquecer
Quero esquecer-te
Para sempre.
 17.10.2014                                                      Miká Penha



“Hoje Partiste Mauro”
RIP - 04.11.1988 / 12.10.2014

Partiste hoje sem avisar
Destroçaste corações
Um anjo te tornaste
De branco te vestiste...
Revoltados nossos corações
Foste amado sem dúvida
No coração de todos nós
Em sofrimento
Todos ficamos
Tua família sofre
Tal dor agonizante
Se reflete nos olhos
No coração de tua mãe
Porque partiste?
Porque nos deixaste?
Tal a dor que não cicatrizará?
Ferida aberta para sempre
Tua juventude desfolhada
Misturamos as lágrimas
Sem forças para seguir em frente
Numa simbiose que aumenta
A infelicidade de todos
O inconformismo
E a lamentação
A tristeza na alma
É uma dor constante
Não sintas a necessidade
De seguir de voltar atras
Segue o caminho da luz
Não olhes para a nossa dor
Por mais que estejamos sofrendo
Retiremo-nos para nossas casas
Visualizemo-lo
Digam-lhe quanto o amam
Digam-lhe tudo o que sentem
Despeçam-se dele
E libertem-no
Pois a morte não é o fim
A separação é temporária
Deixemo-lo seguir em frente
E vivamos em paz
A morte é só uma mudança
Passamos a viver
Noutra dimensão.
Até ao dia
Do reencontro.

12.10.2014                                                                 Miká Penha                         
Foto: “Volúpia”

Desejo
Sensualidade
Voluptuosidade
Luxúria
Deleite
É um prazer
Que se prolonga
Constante
Embevecedor
Enlevavas-me
Ficava extática
Absorta em ti
Lascívia
Lúbrica
No meu corpo
Como uma joia
Carícias
Constantes
Estratégias
Inovadoras
Encanto
Felicidade
Fantasias
Incontroláveis
Loucuras
Despois desfaleço
Descanso
Descanso de ti
Descanso de mim.

Miká Penha
“Volúpia”

Desejo
Sensualidade
Voluptuosidade
Luxúria...
Deleite
É um prazer
Que se prolonga
Constante
Embevecedor
Enlevavas-me
Ficava extática
Absorta em ti
Lascívia
Lúbrica
No meu corpo
Como uma joia
Carícias
Constantes
Estratégias
Inovadoras
Encanto
Felicidade
Fantasias
Incontroláveis
Loucuras
Despois desfaleço
Descanso
Descanso de ti
Descanso de mim.
10.10.2014                                                                 Miká Penha

Foto: "Outono na Lagoa"

Na lagoa de Óbidos
As folhas amarelecem
Abro o chapéu
As primeiras gotas
A orvalhada intensa
Não consegui dormir
Vim p'ra beira da água
A lagoa repousa
Ainda é muito cedo
A penumbra matinal
Oiço o coachar das rãs
Os peixes saltam
Fazendo um barulho
Parece que todos 
Me cumprimentam
Um flamingo mais afoite
Se aproxima de mim
Uma garça acasalando
Tudo é divino nesta lagoa
Começam a aparecer
Os primeiros raios solares
Raiando numa neblina
Provocando cores irizadas
E um recopilar diário
Dum matinal sereno
Este outono é o intermediário
Entre a minha serenidade
E o estado extraterreno
As gotas de chuva
Começam a cair
No espelho de água
Minha cadeira se funde
Com a terra molhada
Fazendo-me enterrar 
Uns centímetros
Fazendo-me sentir
Naquele terreno lodoso
Enterrada na solidão
Uma cumplicidade
Entre mim e o ambiente
Um estado de espírito
Relaxante e angelical
As gaivotas estão calmas
Os patos descansam
Mas uma agitação frenética
Está começando a envolver-me
Sinto um torpor melancólico
À espera da explosão
Mas é essa ostentação
Da calma na Lagoa de Óbidos
Que está quase a explodir
Pois a seguir ao outono
Virá o inverno repentino
Ondas enormes abalroarão
As águas agora calmas 
O vento redobrará estragos
O sossego de repente se irá
Mas por agora perduram
Os tons dourados e amenos
E na minha fragilidade
Inquietando meu coração
Suspirando minhas dores
Duma alma solitária.

Miká Penha
"Outono na Lagoa"

Na lagoa de Óbidos
As folhas amarelecem
Abro o chapéu
As primeiras gotas...
A orvalhada intensa
Não consegui dormir
Vim p'ra beira da água
A lagoa repousa
Ainda é muito cedo
A penumbra matinal
Oiço o coachar das rãs
Os peixes saltam
Fazendo um barulho
Parece que todos
Me cumprimentam
Um flamingo mais afoite
Se aproxima de mim
Uma garça acasalando
Tudo é divino nesta lagoa
Começam a aparecer
Os primeiros raios solares
Raiando numa neblina
Provocando cores irizadas
E um recopilar diário
Dum matinal sereno
Este outono é o intermediário
Entre a minha serenidade
E o estado extraterreno
As gotas de chuva
Começam a cair
No espelho de água
Minha cadeira se funde
Com a terra molhada
Fazendo-me enterrar
Uns centímetros
Fazendo-me sentir
Naquele terreno lodoso
Enterrada na solidão
Uma cumplicidade
Entre mim e o ambiente
Um estado de espírito
Relaxante e angelical
As gaivotas estão calmas
Os patos descansam
Mas uma agitação frenética
Está começando a envolver-me
Sinto um torpor melancólico
À espera da explosão
Mas é essa ostentação
Da calma na Lagoa de Óbidos
Que está quase a explodir
Pois a seguir ao outono
Virá o inverno repentino
Ondas enormes abalroarão
As águas agora calmas
O vento redobrará estragos
O sossego de repente se irá
Mas por agora perduram
Os tons dourados e amenos
E na minha fragilidade
Inquietando meu coração
Suspirando minhas dores
Duma alma solitária.
 02.10.2014                                                                                 Miká Penha

Foto: Viúva de mim

Sou viúva de mim
Porque um dia morri
Quando te deixei
Eu me abandonei
Quis deixar de viver
Mas fui cobarde
E apesar de tarde
Ainda fui a tempo
Dum acordar
Pois nem me lembro
De como amar
Pela minha Lagoa
Lagoa dos meus encantos
Dos meus sonhos 
Te vou procurando
E me lembrando
Do nosso amor
Perdido no tempo
Desvanecido na alma
Lembrado e perdurado
Nunca esquecido
Na Lagoa de Óbidos
Caminhando na areia
Sempre procurando
Suas pegadas frescas
Que o vento movendo
As areias finas
As vão apagando 
Para eu não as encontrar.

Miká Penha
Viúva de mim

Sou viúva de mim
Porque um dia morri
Quando te deixei
Eu me abandonei...
Quis deixar de viver
Mas fui cobarde
E apesar de tarde
Ainda fui a tempo
Dum acordar
Pois nem me lembro
De como amar
Pela minha Lagoa
Lagoa dos meus encantos
Dos meus sonhos
Te vou procurando
E me lembrando
Do nosso amor
Perdido no tempo
Desvanecido na alma
Lembrado e perdurado
Nunca esquecido
Na Lagoa de Óbidos
Caminhando na areia
Sempre procurando
Suas pegadas frescas
Que o vento movendo
As areias finas
As vão apagando
Para eu não as encontrar.
 Miká Penha                                                                   26.09.2014

Foto: "Liberdade"

A liberdade de alguém,
É quando acaba a prisão,
A cela que está em redor,
Eu me libertei dela,
50 anos volvidos,
As algemas eram fortes,
Laços que não se quebram,
Mas quando a prisão,
Influencia na vida,
De quem temos no coração,
Pois pelos meus filhos,
Eu quebrarei todas as algemas,
Quebrarei todas as correntes,
Por eles dou a minha vida,
Mas ao pegar a liberdade,
Eu renasci das cordas,
Que me prendiam,
Ninguém merece,
Estar infeliz,
Mas a falta de coragem,
Leva muita gente
A ficar presa toda a vida,
Por eles e por mim,
Libertei-me para sempre,
A Liberdade do nosso Ser,
O meu Eu interior,
Rejubila,
Sou livre.

Miká Penha
"Liberdade"

A liberdade de alguém,
É quando acaba a prisão,
A cela que está em redor,
Eu me libertei dela,...
50 anos volvidos,
As algemas eram fortes,
Laços que não se quebram,
Mas quando a prisão,
Influencia na vida,
De quem temos no coração,
Pois pelos meus filhos,
Eu quebrarei todas as algemas,
Quebrarei todas as correntes,
Por eles dou a minha vida,
Mas ao pegar a liberdade,
Eu renasci das cordas,
Que me prendiam,
Ninguém merece,
Estar infeliz,
Mas a falta de coragem,
Leva muita gente
A ficar presa toda a vida,
Por eles e por mim,
Libertei-me para sempre,
A Liberdade do nosso Ser,
O meu Eu interior,
Rejubila,
Sou livre.
 Miká Penha                                                                      26.09.2014

Foto: "Sou o nada"

Sou eu aquela
Que está sozinha
Que se esconde
Que se interioriza
Que desaparece
No seu interior
Eu sou o segredo
Mais oculto em mim
Sou o luar na luz do dia
A noite chega 
Eu fecho os olhos
Sou a saudade reprimida
Eu sou o meu tudo
Sou o nada de ninguém
Sou a amada sem amante
Sou a intimista solitária
Sou a amiga que se atraiçoa
Sou o coração magoado
Sou a pintora eremita
Sou o nada á espera dum todo
Do que nada fui nada serei
Sou o nada.

Miká Penha
"Sou o nada"

Sou eu aquela
Que está sozinha
Que se esconde
Que se interioriza...
Que desaparece
No seu interior
Eu sou o segredo
Mais oculto em mim
Sou o luar na luz do dia
A noite chega
Eu fecho os olhos
Sou a saudade reprimida
Eu sou o meu tudo
Sou o nada de ninguém
Sou a amada sem amante
Sou a intimista solitária
Sou a amiga que se atraiçoa
Sou o coração magoado
Sou a pintora eremita
Sou o nada á espera dum todo
Do que nada fui nada serei
Sou o nada.
 Miká Penha                                                                      23.09.2014

Foto: "Estrelinhas para Ti"

Hoje visitei a Lua
Voei até ela
Pois eu sou sua
Vivo entre a terra
E a Lua tão bela
Às vezes amarela
Outras vezes branca
Sempre fui franca
Preciso de ti
Junto a mim
Pego algumas estrelas
Te as sopro até ti
A Lua me aconchega
Serenamente
Me afaga
Morro de saudades
Saudades que não quero ter
Mas de cá de cima te vejo
Passeando com ela
Amanhã com outra
De mãos dadas
E eu aqui de cima
Sentada na Lua
Sofrendo
Mas te mando 
Estrelinhas
De amor
Para ti.

Miká Penha
"Estrelinhas para Ti"

Hoje visitei a Lua
Voei até ela
Pois eu sou sua
Vivo entre a terra...
E a Lua tão bela
Às vezes amarela
Outras vezes branca
Sempre fui franca
Preciso de ti
Junto a mim
Pego algumas estrelas
Te as sopro até ti
A Lua me aconchega
Serenamente
Me afaga
Morro de saudades
Saudades que não quero ter
Mas de cá de cima te vejo
Passeando com ela
Amanhã com outra
De mãos dadas
E eu aqui de cima
Sentada na Lua
Sofrendo
Mas te mando
Estrelinhas
De amor
Para ti.
 Miká Penha                                                                                  22.09.2014


Foto: "Esperando por ti"

Chamam-me louca
Por por ti esperar
Mas louca eu não sou
Só se for por te amar
Sentou-me á beira
Da Lagoa de Óbidos
A maré está vazia
E eu ali à beirinha
No fim da tarde
As pessoas se vão
A maré encheu
E no meio fiquei
Rodeada de água
Mas sentada
Brinco com um barquinho,
Acho que estou 
Perdendo o tino,
De tanto te esperar
A brisa arrefece
o Sol se põe
E tu mais uma vez
Não apareceste
Oh que triste fado o meu
Mas não me canso
De te esperar.

Miká Penha
"Esperando por ti"

Chamam-me louca
Por por ti esperar
Mas louca eu não sou
Só se for por te amar...
Sentou-me á beira
Da Lagoa de Óbidos
A maré está vazia
E eu ali à beirinha
No fim da tarde
As pessoas se vão
A maré encheu
E no meio fiquei
Rodeada de água
Mas sentada
Brinco com um barquinho,
Acho que estou
Perdendo o tino,
De tanto te esperar
A brisa arrefece
o Sol se põe
E tu mais uma vez
Não apareceste
Oh que triste fado o meu
Mas não me canso
De te esperar.
 Miká Penha                                                                                   20.09.2014

Foto: "Caixa do Correio"

Sonhei, sonho estranho
Acordei impaciente
O sol já tinha nascido
Dirige-me à soleira da casa
Passo a passo
Um pouco trémulo
Cansada da noite
Esperançosa
Fui abrir a caixa do correio
Tinha-a pintado de cor-de-rosa
Enfeitada com florinhas
Abria-a devagarinho
Uma carta amarelecida
Peguei-a tremendo
Estava a ficar em choque
Sentia-a que ali estava algo
Igual ao meu sonho sonhado
Algo muito desejado
Não a queria rasgar
Abri cuidadosamente
Estava cheirosa
Perfumada de alfazema
Sentei-me no alpendre
Queria-a a ler sentada
Pois minhas pernas tremiam
Era a letra gótica dele
Adorava aquela escrita
Desenhada artisticamente
Mas a carta de repente
Se evaporou e eu acordei
Triste fiquei.

Miká Penha
"Caixa do Correio"

Sonhei, sonho estranho
Acordei impaciente
O sol já tinha nascido
Dirige-me à soleira da casa...
Passo a passo
Um pouco trémulo
Cansada da noite
Esperançosa
Fui abrir a caixa do correio
Tinha-a pintado de cor-de-rosa
Enfeitada com florinhas
Abria-a devagarinho
Uma carta amarelecida
Peguei-a tremendo
Estava a ficar em choque
Sentia-a que ali estava algo
Igual ao meu sonho sonhado
Algo muito desejado
Não a queria rasgar
Abri cuidadosamente
Estava cheirosa
Perfumada de alfazema
Sentei-me no alpendre
Queria-a a ler sentada
Pois minhas pernas tremiam
Era a letra gótica dele
Adorava aquela escrita
Desenhada artisticamente
Mas a carta de repente
Se evaporou e eu acordei
Triste fiquei.
 Miká Penha                                                                                      20.09.2014

"Dois para dançar o Tango"

São precisos dois
Para amar e dançar
Passo a passo...
Salto alto
Levemente
Como uma pluma
Escondidos na bruma
A música na viela
Sinto-me
Uma Cinderela
Uma rainha nas suas mãos
O bater do coração
Na estrada uma passarela
Um cheiro de canela-amarela
Um aroma indiscritível
Extremamente afrodisíaco
De preto vestidos
Os dois ritmados
Nesta dança sensual
Quero dançar o tango
A rumba ou o chachachá
Mas é preciso dois
Dois p'ra dançar
Vamos dançar o tango?
Apaixonada me sinto
Quero um par p'ra dançar
Um par bem ajustadinho
P'ra dançar a dança da vida
Dois a dois lado a lado
Vem dançar comigo.
 Miká Penha                                                                        17.09.2014
"Lagoa do amor"

Tantas vezes tentei esquecer,
Mas sempre que venho,
A esta Lagoa de Óbidos,...
Lagoa dos meus encantos,
Saudosa eu fico nela,
Abre-se um mundo de fantasia,
Sonho contigo a toda a hora,
Esquecendo que existe lá fora,
Que espera por mim,
Eu tento dizer que sim,
Que te vou esquecer,
Não eras a minha alma gémea,
Nem nunca poderias ser,
Pois comigo não ficaste,
Pois eu fugi com medo de ti,
Pois brincar não quero,
Um dia outro amor encontrarei,
E é lá na Lagoa que estarei,
Esperando por ele,
Vendo o pôr-do-sol
Aquecendo o coração,
Desta paisagem magnifica,
Um dia quando te encontrar
Um novo amor viverei,
E juntos estaremos,
Nesta paisagem,
De mãos dadas para sempre.
 Miká Penha                                                                                        19.09.2014
"Adivinha quem vem jantar?"

Filha, adivinha quem vem jantar?
Não, não são as tuas amigas
Muito menos a tuas primas...
Não, não são tuas tias
Muito menos teus avós
Há 20 anos que não vem jantar
Adivinhas quem será?

É o amor que sempre amei,
Por quem sempre esperei,
Nunca o esqueci,
Nunca o esquecerei,
Adivinhas agora, quem será?

Ah agora já adivinhaste!
O que sempre soubeste,
Tentei esquecê-lo,
Arrumá-lo no meu coração,
Num cantinho, esquecer.

Adivinhaste quem vem jantar!
Vou fazer um banquete,
Meter o meu melhor tapete,
Vou minha toalha estrear,

Olha Rita Pereira,
As pazes tens de fazer,
Sentares-te à sua beira,
Já nem sei que dizer,
Vou esperar que tenhas,
Ainda amor para dar,
Pois ele velho está,
Rabugento e intolerante,
Parecidos são os dois,

Oh o que eu vou aturar,
Neste complexo jantar.
 Miká  Penha                                                                            17.09.2014
"Pintar de Azul"

A tela estava branca
Branca como a neve
Branca como meu vestido...
Branca como a parede caiada
Branca como a espuma das ondas
Peguei no pincel mais grosso
E no tubo de tinta azul marinho
Que esguichei na palete
Comecei a pintar o mar
Mar azul da cor do céu
Mar azul da cor do meu cortinado
Mar azul da cor dos seus olhos
Depois ia pintar o Sol
Secou a cor amarela
Depois ia pintar as nuvens
Secou a cor branca
Depois ia pintar-me
Secou a cor preta
Secou a cor vermelha
Secou o verde e o castanho
Só tinha o azul
Então pintei só o mar
O mar azul, azul, azul
Da cor dos seus olhos
Quero pintar algo mais
Mas só me lembro dele
Pois foi no mar
Que o encontrei
E no mar o perdi.
 Miká Penha                                                                        16.09.2014
"Da Minha Janela..."

Da minha janela,
Vejo o meu mundo,
O que trago no coração,...
Porque essa janela,
Está dentro de mim,
Se estivesse numa cela,
Não seria prisioneira,
Não morreria de tristeza,
Pois tenho um mundo,
Dentro de mim,
Soltei as amarras,
Que me aprisionavam,
Ninguém me pode prender,
A Lagoa me fez soltar,
Me deu a calmaria,
O ambiente bucólico,
Me deu estabilidade,
A paz e a serenidade,
Quando me deito,
Adormeço,
Quantos calmantes,
As mulheres tomam,
Não preciso mesmo,
Porque abri uma janela,
A janela que não vou fechar.
 Miká Penha                                                                                 16.09.2014
"Ser Poeta a Meu Ver"

Folhas escritas à mão
Embebidas em chá
Ressequidas ao sol...
São a minha preferência
Do embelezamento
Dos meus poemas
Estendo-as com molas
No estendal da roupa
A brisa suave soalheira
É energia que poupa
Meus poemas assim voam
Levando minhas palavras
Colo as folhas uma a uma
Fazendo meu livro aparecer
Aos meus olhos amadurecer
Ser poeta a meu ver
É ter meus livros com dor
Num padecer, num torpor
Com satisfação total
Acabam por nascer
Das minhas próprias mãos
Me enaltecendo esse livro
Que de minhas mãos nasceu
Sem ajudas editoriais
Não esquecendo os meus ais
Mais importante é ele
Nas minhas mãos enfim
Não precisa ser vendido
Nem por livrarias distribuído
Pois o livro é só meu
O ofereço a quem desejo
Deixo comprar quem merece
Pois as minhas palavras
Da minha intimidade fluem
Dos meus sentimentos
Dos meus padecimentos
Ser poeta a meu ver
É tê-lo nas mãos
E poder lê-lo
Com o coração.
 Miká Penha                                                                        15.09.2014
"Dança Comigo o Tango?"

Dança comigo o tango?
O tango bem dançado,
Ela de vermelho vestida,...
Ele de preto e chapéu,
Com a rosa entre dentes,
E de seu nome José,
Ela de cabelo apanhado,
De seu nome Maria,
Ele com ar assanhado,
Parecendo El Matador,
Ela foi à perfumaria,
Escolheu um sedutor,
Começa a música,
Esticamos o braço,
Ele a agarra,
Bem apertadinha,
De queixo levantado,
Nariz emproado,
Ela segue-o atenta,
Seus movimentos,
Bem determinados,
Batendo o sapato no chão,
Mesmo ao bater do coração,
Ela reage empurrando-o,
Mas ele lhe oferece a rosa,
Puxando-a para si,
Vergando-a até ao chão,
Tornando-se poderosa,
Ela se levanta airosa,
Altiva e viçosa,
Afasta o machão,
Dança sozinha,
O tango dançado,
Para ser abafado,
Mulher assim nunca vi,
Seu poder se insinua,
Na música só sua.
 Miká Penha                                                         15.09.2014
"Cartas de Amor"

Durante anos, li e reli,
As cartas de amor
Que escrevíamos,...
Um ao outro,
Sentimentos,
Esperança,
Sinceridades,
Arrepios que me faziam,
No coração me atingiam,
Hoje durmo sobre elas,
Recolhem minhas lágrimas,
Me acalentam o coração,
Me afagam a alma
Me sinto calma
Realizada
Mas faltas-me
Continuo a amar-te
Andas perdido
Tantos anos
Sem te encontrares
E eu aqui te esperando
Sozinha, sem ti...
Volta para mim.
 Miká Penha                                                          13.09.2014
"Dança da Lua"

Danço com a Lua
Danço sempre nua
Danço com desejo...
E bastante ensejo

Amanhã dançarei
E contigo amarei
Como eu dançava
Oh como eu amava

Sou a dama do luar
Com medo de amar
Quero ser sempre tua
Viver no mundo da lua.
 Miká Penha                                                           12.09.2014
"Presa no Passado"

No meu passado
Finjo ainda apaixonada
Para não pensar...
Nem no presente
Nem no futuro
Vivo amante do passado
Sem esperança no amanhã
O amor é doloroso
A falta de amor ainda mais
Saudades do que fui
Do passado romântico
Que viveu no meu coração
O sofrer de paixão
O sofrer de desilusão
O sofrer por amar
O ter amado até mais não
Saudades de ti
Ou do que tu fostes
Saudades do que fui
Querer ser o que sou
O que sou hoje
Esquecer o que me cansou
Esquecer o passado
Querer ver o futuro
Do que serei amanhã.
 Miká Penha                                                           09.09.2014
"Libertar é amar"

Libertei-te porque te amava
Amava até ser intolerável
Não amares tanto como eu...
O amor tem de ser sublime
Tem der ser memorável
Mas o namoro valeu
Valeu para me lembrar
O que é amar
Valeu para me lembrar
O que é sentir
Valeu para me lembrar
O que é chorar
E quando se chora
Algo está errado
Porquê arrastar um amor
Quando um só ama
Quando um só quer
Quando um só espera
Porquê arrastar esse amor
Que causa somente dor
Mascarada de sorrisos
Peguei no meu coração
E fugi dali
Dei-lhe a liberdade
A liberdade dele amar
Verdadeiramente
Porque eu o amo demais
Mas eu queria
Um amor sublime
Quero amar
E ser amada.
 Miká Penha                                                         04.09.2014
"Fui Princesa"

Fui Princesa
De sonhos cor de rosa,
Saltando pelos montes,...
Apanhando malmequeres,
Amarelos ou brancos,
Cheirando a Jasmim,
Com uma orquídea branca,
Presa num gancho no cabelo,
Negro escorrido e brilhante,
O perfume do campo
Da erva aparada
Dos eucaliptos verdes
Apanhar uma fruta fresca
E comer de seguida
Ambiente bucólico
De princesa
Passei a rainha
De mil sonhos perdidos
Mas feliz casei
Dois filhos concebi
Felicidade maior não há
Princesa a rainha
Coração de menina.
 Miká Penha                                                  27.08.2014
"Amor frio"

Não o encontrei
Um amor verdadeiro
Amor de carinho...
Amor de amizade
Amor eterno
Por isso à estátua me abracei
Como se o mundo fosse acabar
É um amor frio e insensível
Um amor que não engana
A esta estátua me vou agarrar
Pois assim não sofrerei.
 Miká Penha                                                     27.08.2014
"Avé Maria"

Maria nome comum,
De Maria seu nome,
Mãe de Jesus ,...
Mãe de mim,
Mãe de todos enfim,
Quem já a viu em sonhos,
De rosto tranquilo,
Sereno e calmo,
De perfil perfeito
Imaculado,
Sua tez esbranquiçada,
Lábios de rosa,
Pureza infinita,
"Virgem mãe de Jesus,
Me proteja da maldade humana,
Pois me tiram as forças,
Da doença minha família proteja,
Dai-me forças nesta vida,
Fazei-me acreditar Nele,
Peça a seu filho clemência,
Acabe com as guerras do mundo,
Protegei os inocentes,
Prove seu amor a nós,
Maria mãe de Jesus,
Protegei-nos.
Amén"
 Miká Penha                                                          27.08.2014
"A Felicidade e Eu"

Alguém sabe onde posso encontrar,
A felicidade que deveria estar dentro de mim?
Onde anda ela afinal?...
Onde foi parar a minha felicidade?
Perdia-a no caminho da vida,
Nos passeios solitários,
Perdia-a nas lágrimas choradas,
Perdi o meu sorriso que a exaltava,
Onde a posso encontrar afinal?
Onde está a minha felicidade?
 Miká Penha                                                                    27.08.2014
"As muralhas da vida"

Nesta vida as muralhas
São nos impostas
Nos rodeiam...
Nos cercam
Elas se assemelham
A uma prisão
De onde podemos fugir
A uma cerca,
De onde podemos saltar
Transpô-las
Vence-las
As muralhas estão dentro de nós
Somos mais fortes que elas
Precisamos entrar dentro do nosso EU
Combate-las com as nossas armas
A coragem, a força, a vontade
Temos de a ir buscar
No mais fundo do nosso SER
A minha força sou EU
Vou VENCER.
 Miká Penha                                                                      26.08.2014
"Meu urso de pelúcia"

Como ele é bonito
Carinhoso e bondoso,
Me abraça e me beija,...
Me acarinha quando choro,
Me sofre quando triste,
Me alegra quando riu,
Meu melhor amigo,
Meu confidente,
Minha dose de amor,
Oh como sempre te amei,
Como ainda te amo,
Amor duradouro,
Amizade de tesouro,
Que não me engana,
Que não me destrói,
Que me enaltece
A cada momento,
Me exalta o pensamento
Me acompanha nesta vida
Quero meu ursinho
Preciso dele
Abraço-o quando durmo
Meu único amigo verdadeiro.
 Miká Penha                                                         26.08.2014
"Enforcada"

Oh como me sinto enforcada
Neste sistema maldito
Neste percurso pesado...
Que caminho indefinido

Oh como me sinto enforcada
Nesta voz que não quer sair
Neste grito ressonante
Que entoa dentro de mim

Oh como me sinto enforcada
Nesta sociedade predefinida
Neste mundo impossível
Que teima em me engolir

Oh como me sinto enforcada
Neste nó que me estrafega
Nesta rede esburacada
Que me aperta o peito

Oh como me sinto enforcada
Nestas palavras que me sufocam
Nas sílabas deste poema
Que me enfada e me traem

Oh como quero morrer....
 Miká Penha                                                       26.08.2014   
"Para ti minha filha"

Rita Penha a vida é feita de infortúnios
Mas estaremos sempre juntas
Nada é passado, mas sim futuro...
E esse nos reservará a surpresa do que será
Nada deveríamos esperar e tudo esperaremos
Nada deveríamos querer e tudo quereremos
Nada deveríamos ver e um dia veremos
Mas gostava que te completasses
Que descobrisses teu dom
Não o de cantar, que esse não quiseste receber
Não o de amar, que esse também não tens querido
Mas sim o de escrever
Esse gostaria que descobrisses novamente
Lembraste das composições nas aulas
Na escolinha em português eras a melhor
Onde está essa Rita?
Escondeste-a porquê?
Vêm a vida é feita de altos e baixos
Descalça os chinelos
Levanta o queixo
Calça salto alto
E eleva-te...
As palavras tem esse Dom,
Vem descobri-las novamente.
 Miká Penha                                                             26.08.2014
"Ajudem-me"

Oh Meu Deus me ajudai
A ter força neste penar
A poder alcançar...
O seu estado espírito
Me ajudai a chegar à meta
A ultrapassar meus limites
A alcançar o infinito
Ando entorpecida
Tal não é meu penar
Deixe-me alcança-LO
Chegar depressa
Acabe com isto
De uma vez por todas
Cheguei ao limite
Ou me dai forças
Ou me leve Consigo
Já não o trato por Tu
Há muito que o deixei de fazer
Já não é meu melhor amigo
Cruéis minhas palavras
Minhas preces são diferentes
Dos tempos passados
Amai-me pelo que sou
Pois já não O amo pelo que é.
 Miká Penha                                                            26.08.2014
"Sofrimento Versus Suicídio"

Sofrimento leva à dor
A dor ao discernimento
O discernimento à lucidez...
A Lucidez ao pensamento
O pensamento retorna
E o sofrimento volta
Constante e doloroso
Num instante o espírito muda
E a lucidez se vai embora
É nesse instante que uma arma
Será a resposta mais provável
Por isso deitem as armas fora
Sofram como Cristo sofreu
Sofram como eu sofri
Mas sejam fortes
O Suicídio só é dor
Para quem fica cá na terra
Meu avô se suicidou
E lembro-me como sofri
Foi um horror para mim
Com 11 anos feitos
Com saudades
Sempre sofri por ele,
Oh que dor!!
 Miká Penha                                                     25.08.2014
"Planando sobre mim"

A serenidade plana
Bem alto no céu
Por cima de mim...
O meu yin e yan
O início do fim
A luz na escuridão
A lua na noite
O sol no dia
A nuvem no céu
O olhos na face
O sorriso na boca
O coração no meu corpo
Que não consegue te esquecer
Eu plano sobre mim
Numa plenitude de calmaria
Numa serenidade absoluta
Usufruo de mim
Nesta fase da minha vida
Sinto-me realizada.
 Miká Penha                                                               25.08.2014
"Hoje Fui à Praia"

Hoje fui até à praia
No mar perguntaram por ti
Não soube que responder...
As ondas perguntaram
A Lagoa de Óbidos também
A água estava calma
Serena e cansada
De tantos veraneantes
Ela me disse em surdina
Que tinha saudades de nós
Dos nossos passeios
Dos nossos beijos escondidos
Nas mãos dadas entrelaçadas
Mas quem por nós perguntou,
Foi o bando de gaivotas
Que por mim passou
Me rodearam e dançaram
À minha volta saboreando
Os petiscos que lancei
Eu disse que não estavas
E que nunca mais estarias
Ao meu lado nunca mais
Pois os Amores de Verão
Enterram-se na areia da praia
E eu enterrei-o num livro
Pois para mim esse amor morreu.
 Miká Penha                                                       24.08.2014
"Prisioneira de Mim"

Prisioneira eu estou de mim,
A solidão me atrai para si,
Me sinto conquistada por ela,...
Sinto o cheiro do jasmim,
Procurando recordar de ti,
Esquecendo que a vida é bela,
Mas os sentimentos me apelam,
Os sentidos me abalam,
Volta uma nova esperança,
A vontade de nova oportunidade,
Do passado de lembranças,
Passeando de mãos dadas,
Não amores de sazonalidade,
Não amores traiçoeiros,
Que nos fazem sentir morrer,
Homens que são desordeiros,
Que rompem nosso coração,
Nos deixam a derreter,
Mas acaba em separação,
Quero uma vida bela,
Sair desta solidão,
Perdida nesta melancolia,
Encontrar novo amor,
Viver essa paixão,
Antes de ter uma embolia.
 Miká Penha                                                               23.08.2014
"Asa Quebrada"

Tens duas asas para voar
Mas alguém te a quebrou
Assim não poderás ir amar...
Teu namorado sem ti ficou
Não faças como eu fiz
Mesmo a andar vai ter com ele
Mesmo que não possas voar
Só assim podes ser feliz
Oh gaivota quem a asa te quebrou?
Assim vais morrer depressa
Pois um predador te apanhará
Quem te poderá ajudar?
Para voltares a voar
Piar do alto do céu
Num voo bem planado
Mirando o seu alvo.
Agora muito difícil será,
Poderes voltar a voar
Vem p'ra minha casa
Te vou tentar curar
 Miká Penha                                                                   23.08.2014
"Quero sentir o mar"

Nunca vos falei do mar
Muito menos dos oceanos
Não os quero subestimar...
Receio fundados no medo
Em pequena quase morri
Um dia nas ondas desmaiei
Uma energia monstruosa
De mim se apoderou
Tão grande seu poder
Que me fez desfalecer
De dia o Sol torna-o belo
De noite a Lua resplandece
Vaidosa ela se vê ao espelho
Oh como a Lua é bela
Me atrai este resplendor
O sinto constrangedor
Uma pressão se apodera
Tão pequena me sinto
Queria me banhar nele
Sentir me apoderar da Lua
Brincar com os dois
Com se fossemos um só
Quero sentir a Lua
Como se fosse só minha
Quero ouvir o mar
Falando com ela
Sentir o seu respirar
Naquela vontade de amar
Sentir o seu suspirar
E também eu voltar a amar.
 MIká Penha                                                              22.08.2014
"Mudando de pele"

Ainda te sinto em mim
Não quero pensar em ti
Lavo a pele com essências...
Para afastar o teu odor
O odor do nosso amor
Quero amar alguém sem pudor
Mas tenho de te retirar de mim
Lavar não é o suficiente
Preciso rasgar, cortar
Retira-la e joga-la longe
Bem longe do meu ser
Do meu verdadeiro eu
Quero te esquecer
Quero passar a ser feliz
Deixa-me partir de vez
Ajudem-me a expelir
O teu odor de mim
Até tua voz oiço
Ao longe no mar
Trazida pelo vento
Preciso mudar de pele
Mudar de vida
Mudar de amor
Quero voltar a amar.
 Miká Penha                                                      20.08.2014
"I think I can love you"

Que é isto agora?
Que raio de sonho
Onde fui eu buscar-te...
No mais fundo do meu ser
Não te conheço bem
Poucas vezes te vi
Mas as tuas atenções
Transbordadas de carinho
Me fazem sentir alguém
Quem és tu afinal?
Poderei te amar
Poderás me querer
Podermos juntos ficar
Não acredito nisso
Pois quem sou eu afinal
Bem mais velha que tu
Gordinha e baixinha
Perdida e carente
De mimos anseio
Mas caio na real
Quem és tu afinal?
I think I can love you
I dream with you
Once upon a time...
Dreams, dreams, dreams
Oh como sonho
Mesmo acordada
Como quero acreditar
Que o amor irá chegar
Era uma vez... Eu e Tu
Não acredito... e acordei.

Miká Penha                                                               20.08.2014
"Lua Mensageira"

No meus passeios noturnos
Depois de o Sol se esconder
Depois dos veraneantes...
Para suas casas abalarem
A Lua me vem homenagear
Ela me vem abraçar e beijar
Ela me vem fazer acreditar
Que traz uma mensagem
Me vem dizer, que meu amado
Está me esperando chorando
Com saudade de me amar
Nos meus passeios noturnos
Esta mensagem quero receber
Quero deixar de esconder
Minhas lágrimas saudosas
Luz de esperança renovada
No escuro reencontro a paz
A maioria é na escuridão
Que encontram a aflição
É lá que o vento me traz
Assoprando seu nome
Meus cabelos esvoaçam
Em segredo e no escuro
Meu coração o espera
No desejo de o ter comigo
Sempre a meu lado
Esperando no sussurro
Para passearmos juntos
Pelo Inverno da vida
E esquecer que um dia
Foi meu amor de Verão.

Miká Penha                                                                    18.08.2014
"Consciência Tranquila"

Oh como estou serena
Tranquila dormirei
Consciência tranquila...
De tudo o que fiz
Imagens na minha mente
Balões planam no ar
Borboletas esvoaçam
As andorinhas voam
Pois estou tranquila
Tão bem que dormirei
Com a cabeça na almofada
Pois a descarga de consciência
Não me pesa na minha mente
Estou leve como uma pluma
Sempre assim ansiei
A liberdade usufruir
Sem pisar ninguém
Oh como estou serena
Tranquila dormirei
Consciência tranquila
Já que fui roubada
Mentalizei-me disso
Nada mais posso fazer
Mas descansada dormirei.

Miká Penha                                                                   18.08.2014
"Inteligência e Burrice"

Inteligência e Burrice
Andam de par em par
Entrei num negócio...
Negócio mal parado
Pois ele me foi roubado
Sociedades nunca mais
Sozinha estou bem
Inteligente fui
P'ra tentar equilibrar
Despesas da casa
Pois quem tem crianças
Ainda p'ra criar
A tudo se tem de agarrar
Mas na inteligência não fiquei
Tive de ir acreditar na amizade
E uma sócia arranjei
Amizade posta à prova
Suprimi o negócio
Tudo deixei perder
Roubaram-me o negócio
Negócio mal parado
Foi burrice sim senhor
Quando pensei estar a ajudar
Apenas me estava a enforcar

Miká Penha                                                                       18.08.2014
"Que se mova o Céu"

Que se movam os Céus
Que se apague o Inferno
Que o Sol brilhe de dia ...
Que a Lua resplandecente
Me protejam da traição
Me aqueçam o coração
Que está efervescente
Que sofre até mais não
Que meu sangue
Não gele em minhas veias
Pois eu não mereço
A maldade humana
Que se movam os Céus
Que se apague o Inferno
Que o Sol brilhe de dia
Que a Lua resplandecente
Me ilumine meus passos
Me contorne a silhueta
Nos passeios noturnos
Na Lagoa de Óbidos
Praia de minha eleição
Que se acenda o poder divino
Me faça parar de sofrer
Me protejam da maldade
Das amizades impuras
Fingidas e flamejantes
Fazendo-me na dor perder
Tirando-me dias de vida
Passeando nestas águas
Minhas lágrimas caem
Perdi um amor aqui
Perco também uma amizade
Que Iemanjá me proteja
Pois quero sobreviver
A estes desgostos
O amor de meus filhos merecer
E só depois em Paz morrer.

Miká Penha                                                     18.08.2014
"Amizade atraiçoada"

Já não existe amizade pura
Amizade sem traição
Não existe verdade...
Só enganos
Apunhalada de costas
Fingir que não percebi
Fingir que não vejo
Fingir que não sinto
Apunhalada de costas
Só enganos
Sociedades desfeitas
Amizades atraiçoadas
Um engano subtil
Uma traição mascarada
Comercialização enganosa
Roubada mais uma vez
Minha consciência tranquila
Eu durmo tranquila
Amizade não existe
Justiça também não
Vou fazer um boneco de trapos
Para sentir um abraço
Se sentar a meu lado
Sem traições ou enganos
Pela última vez
Sozinha

Miká Penha                                                                    18.08.2014
"Chorando Vou Dormir"

Quando vou dormir
Tudo me vem à cabeça
São saudades...
Dos tempos passados
São esperanças
Dos tempos vindouros
São lágrimas pesadas
Pensando nele
Recordações nossas
Amores de Verão
Fazem sofrer
Ajudam a amadurecer
Ajudam a crescer
Mas faz doer
Uma dor traiçoeira
Que só apetece morrer
P'ra ajudar a esquecer
Lembrar as saudades
Nas águas da lagoa
Paixão de verdade
Quando me deito
As lágrimas
Me escorrem
Pela face cansada
Do desgosto
Chorando vou dormir
Cansada de sorrir.

Miká Penha                                                                15.08.2014
"Balões para Ti"

Enchi balões de várias cores,
Cores vivas e coloridas,
Amarelos, azuis, verdes,...
Laranjas e encarnados
Amarrei-os a uma corda
Todos de seguida um a um
Fez um cordão enorme
Parecia uma fronteira
Ninguém sabia que era
Todos se perguntavam
Que fazia aquilo ali
Parecia a linha duma meta
Cento e quarenta e quatro
Foi um balão por cada
Fim de semana
Passados juntos
Cada balão traz alegria
Traz lá dentro felicidade
Sentimentos adulterados
Lágrimas misturadas
Esperanças esvaídas
Num destino amargo
Amor destinado a morrer
No areal da praia
Na nossa lagoa
Morrerá um dia
Também no meu coração
Mas agora ainda magoa
Uma mágoa que não perdoa
Que me faz sofrer
Que me faz só pensar em ti.
Vou fazer tiro ao alvo
Com os balões
Assim talvez te esqueça
Mais depressa
Te tire do coração.

Miká Penha                                                                      14.08.2014
"Vou esconder a Lua"

Hoje encontrei a Lua
Quando passeava
Na Lagoa de Óbidos...
A Lua apareceu
Divina e luminosa
Branca e cinzenta
Fria e airosa
Estiquei a mão
E falou-me o coração
Quero a Lua só para mim
Vou apanha-la
E vou esconde-la
Vou esconder a Lua
Só para mim
Para me sorrir
Para me abraçar
Para me beijar
Para me apoiar
Ela será sou minha
Puro egoísmo talvez
Mas com ela quero ficar
Quando na Lagoa passear
Ela me faz companhia
Ela é a minha única amiga
Vou esconder a Lua
E com ela ficar.

Miká Penha
                                                                             13.08.2014

"Primeiro Autógrafo de Rua"

Um sorriso tímido
Talvez até embaraçado
Foi o sinal do que eu sentia...
Pois ao sair da loja
Um senhor me abordou
De mão dada com a esposa
E pediu gentilmente
Um autógrafo
Respondi timidamente
"Está equivocado
não sou cantora"
E ele respondeu
Por entre o sorriso
Da esposa atenta
Sabemos quem é
É a Miká Penha
Pintora e escritora
Fiquei deveras emocionada
Talvez apavorada
Ela tinha retirado
Da sua carteira fina
Uma folha de papel
E caneta negra
Sorrindo perguntei
O nome deles
Teresa e Manuel
Despedimo-nos
Sorrisos abertos
Sorrisos felizes.
Fui ao Leclerec
Outro casal simpático
Ela sorridente
Chamou-me
Perguntou-me
"É a Miká Penha"
Quase desatei a rir,
Pois duas vezes
No mesmo dia
Foi caricato
Era uma linda mulher
Membro do grupo
"M Rosa dos Santos"
Nunca a tinha visto
Pessoalmente
E assim, mais um encontro
Divertido e simpático
Com um casal amoroso
Que espero encontrar
Brevemente num evento.

Miká  Penha                                                                  12.08.2014
"A Morte"

O medo da morte
Uma defesa instintiva
Somente acionada...
Em emergências
Lutar ou fugir?
Não me sinto mal
Não estou aprisionada
A esse grande medo.
Temos o livre arbítrio
As pessoas estão alertas
Agressivas e de mau humor
Stressadas e enervadas
Assim se esquecem
Do seu espiritual
Mantém a morte
No lado sombrio da vida
A morte é uma passagem.
Não é um tema macabro,
Não é feia, não é triste,
Não importa em que condições
Quando ocorre,
É sempre libertação.
Experimentar a dualidade
Para aprender o equilíbrio,
Aprendendo a amar,
Aprendendo a morrer.
A vida é um sopro
Diante da eternidade.
Porque lamentas a morte?
Achavas-te eterno?
Somos apegados
E não deveríamos ser
O desapego é essencial.
Sofrer em demasia
Dramatizar tragédias
Só assim chegaram
Á solidariedade
Confundes equilíbrio com apatia
Não é frieza ou insensibilidade,
Apenas equilíbrio,
Somatizas energias densas
Sofrimento apenas complica a situação.
Se ainda sofres ou lamenta a morte,
Tens muito que trabalhar nesse sentido.
Empatia é entender o sofrimento.
Hoje a maioria procura culpados
Tua vibração tem de ser diferente
O que enviares recebes de volta
Prepara-te para aceitares a morte
Com alegria, a tua, a dos parentes,
Tu és um casulo
E não o perdes
Antes da tua hora
A morte é a transição
Da tua origem eterna e mutável
Não tenhas medo
Transita suavemente.

Miká Penha                                                                  10.08.2014
"Atingi Minha Meta"

Oh meu Deus
Deste-me um presente
Que é uma cruz pesada...
Antes de me levares
Pedi para me deixares
Cumprir uma metas
Assim fiz por isso
Queria ser um exemplo
Para meus filhos
Uma lutadora
Empreendedora
Uma mulher forte
Uma líder em pleno
E consegui isso
Consegui minhas metas
Atingi-as completamente
Agora podes-me levar
Não tenho tempo
Para conhecer netos
Não tive tempo
Para o amor
Mas não se pode ter tudo
Nada pode ser perfeito
Mas consegui o essencial
Dar exemplo aos meus filhos
Ser respeitada e por eles
Idolatrada e amada
Entre a profissão
Ser mãe e pai a valer
Ser pintora com belas exposições
Ser Escritora de livros editados
Ser Editora e na radio entrevistada
De tudo o que fiz tenho orgulho
O respeito fi-lo por merecer
Sempre ao lado de meus filhos
Vê-los crescer e amarem
Agora sim podes-me levar
Cumpri minha meta
Dei o exemplo
Como mãe que ama
Agora parto feliz.

Miká Penha                                                                        10.08.2014

"Saudades de namorar"

Saudades de um afago
De um terno carinho
De corrermos os dois...
De mãos dadas
Caminhando lado a lado
Brincarmos os dois
Dançando à chuva
Tal como Fred Astaire
Dançando e cantando
Sentindo-me feliz
Tal mariposa voando
Quero passearmos
Na bateira amarela
Na minha Lagoa
De água singela
Quero sentir o calor
Dos teus beijos
Não sei quem serás
Mas quero ser
Eternamente tua
Mergulharmos os dois
Comer um cachorro
E rirmos os dois
Saudades de namorar
Saudades de conversar
Saudades de ti
Longe de mim.

Miká Penha                                                                   09.07.2014
"Fim"

Visitei minha Lagoa
Senti-me relaxada
Tão calma e serena...
Senti-me flutuando
Senti que era o fim
O fim das amizades
O fim dos amores
O fim das paixões
O fim do sentimento
O fim do sofrimento
O fim do querer
O fim do não querer
O fim da utopia
O fim da solidão
O fim do racismo
O fim da serenidade
O fim da fantasia
O fim da esperança
O fim do paraíso
O fim de tudo
O fim de mim
Morri
FIM

Miká Penha                                                                  09.08.2014
"Perder uma amizade"

Desacordo de opiniões
Triste quando um amigo
Não sabe aceitar uma ideia...
Uma opinião, um comentário
E acontece as palavras
Que doem e magoam
Assim se vai perdendo
Uma boa amizade
Tristeza se reflete
No meu coração
Dói até mais não
Escondo-me
Atrás das lágrimas
Finjo sorrir, chorando
Não quero amizades
Fazem-me sofrer
Não me compreendem
Sou uma pessoa afável
Sensível e compreensiva
Mas tenho personalidade
E não a vou esconder mais
Cansei...Perdi-te
Adeus amigo.

Miká Penha                                                             09.08.2014
"Esperando-te"

Espero-te à beira mar
Tudo está azul salgado
Salgada é a água...
Salgadas as lágrimas
Salgadas as ondas
Que me batem no pés
Salgando-me as pernas
E assim te espero
No azul do mar
No azul do céu
No azul das ondas
E assim te espero
No calor do sol
Que me aquece
No calor da brisa
Que me afaga
No calor que há em mim
Que exalta no meu coração
Tateando o chão
Que pisámos
Tateando a rocha
Onde nos sentamos
Tateando o barco
Onde passeámos
Sinto calor nas tuas pegadas
Que já não existem na areia
Porque te virei costas
E não me chamaste,
Desapareci.

Miká Penha
                                                        07.08.2014

"Baloiçando"

Baloiçando e esperando
Pelo amor que não tarda,
Pelo barco que não atraca,,...
Pela ave que não voa,
Pelo carro que não chega,
Pelo comboio que não parte,
Pelo avião que não aterra,
Pela serenidade que partiu,
Pela calmaria desaparecida,
Pelo amor que não viu,
Pois em cada despedida,
Um pouco de mim parte,
A esperança que voa,
E desgostosa sucumbo
À falta de amor verdadeiro,
Que esvoaça como poeira,
Do baloiço eu tombo,
O amor derradeiro
Levado pela cachoeira,
Que corre naquela encosta
E desaparece no mar,
Onde as ondas o levarão,
E eu no baloiço esperando
Por um novo amor,
Que tarda a aparecer
Ou para sempre desaparecer.

Miká Penha                                                           07.08.2014
"Lágrimas Escondidas"

Preparada para o verão
Fingir que gosto da canção
Escondida atrás dos óculos...
As lágrimas escorrem
Libertadas e salgadas
Pulsando o coração
A tristeza de te ver
Sempre acompanhado
Em mim não mais pensaste
Tento mostrar felicidade
Fingindo o que não estou
Rindo quando apenas sofro
As nuvens ondulam ao vento
Meu cabelo voa com seu sopro
Minha salvação são os óculos
Escondendo o sofrimento
A ondas tentam esconder o som
Da Rádio Oeste que me acompanha
Belas canções me fazem chorar
Lembrando nossos dias
De pura felicidade
De companheirismo
Quero-te esquecer
Oh meu Deus me ajudai
Falsa felicidade vivi
Quero esquecer.

Miká Penha                                                                     07.08.2014
"Apanhei o Sol"

Pensei em apanhar o sol
Esconde-lo para não o veres
Assim não passearias no Verão...
De mãos dadas com ela
Mesmo à minha frente
Não teria de te ver
Nem teria de me esconder
Pois já não há Verão
Dentro do meu coração
Consegui apanha-lo
E agora vou mesmo
Apaga-lo do céu
Todos vão me criticar
Talvez até xingar
Pois por tua causa
Chuva irão ter
Mas assim sendo
Não terei de te ver
Passeando
Com outra na mão.

Miká Penha                                                               04.08.2014
"O Destino Marca a Hora"

O destino marca a hora
No relógio da saudade,
Não entres noite fora...
Procurando a lealdade.

É tão grande o desafio
Que se torna um pecado,
Pior que terreno baldio
Tudo podre e petrificado.

O destino é de cada um
Todos sofrem sua cruz,
Vivendo vidas em comum
Até chegar o dia da luz.

A saudade e felicidade
Andarão de mão dada,
Todos querem cumplicidade
Nesta vida malfadada.

Não sei quem és mas te espero
O destino a hora marcará,
Tudo enfrento não desespero
Seja tudo o que for suará.

Miká Penha
                                                                                  03.08.2914
"Corrida da Vida"

Corremos os dois
Numa correria desenfreada,
Para a felicidade transbordada...
Da nossa vida futura,
Demos pulos, corremos,
Mas concretizamos
Nossos sonhos,
De uma união desejada
E até muito amada,
Foste o amor da minha vida,
O único que amei de verdade,
Só mais tarde vi a realidade,
A vida nos modifica,
Nada de mal te desejo,
Deixaste-me só
Fugiste com teus vícios,
Tua vontade de liberdade,
O bucolismo no meu coração,
Te assustava a natureza,
A pureza estava em mim,
E não me a roubaste
Apenas desististe,
A luta a quatro é árdua
Em venci essa azáfama,
Hoje sou rei e rainha,
Um dia serei pombinha,
De outro homem adivinha,
Se não adivinhas quem é,
Eu também não faço ideia,
Talvez seja um Manuel ou Zé,
Por ti não vale a pena esperar,
Queres ser feliz á tua maneira,
O álcool nunca irei aceitar,
Com outro me vou casar.

Miká Penha                                                               03.08.2014

(Eu e meu amor)

"Noivas Gémeas"

O dia mais feliz da minha vida?
Nesse dia que me casei,
Eramos duas noivas de igual,...
Vestidas a preceito,
Apaixonadas pela vida
De sonhos concretizados,
Nossas grinaldas iguais,
O ramo de flores também,
De branco vestidas,
Com duas carroças,
Nos esperando lá fora,
Partimos airosas,
Tiramos fotos juntas
No largo da aldeia,
Uma velhota ao beijar-me
Me disse baixinho,
"Não devias ter casado
assim minha filha"
Porquê? Perguntei eu,
Respondeu com ar sábio
Sabedoria que a vida lhe deu,
"Duas irmãs não se devem casar
no mesmo dia, dá azar"
Ri-me e beijei-a
Passando minha mão
Na sua face rogosa,
Nada disso vai acontecer
Serei feliz de certeza,
Mas, hoje lhe dou razão,
Meu marido desapareceu,
Minha irmã também.
Mas soube mais tarde,
Que o meu dia mais feliz,
Foi o dia que nasceram
Meus filhos lindos,
Os únicos que trago
No meu coração.

Miká Penha                                                                                   03.08.2014

(Foto de meu casamento)
"Quem sou eu?"

Quem sou eu afinal
Amanhã entrevistada
Na radio litoral...
Nada sei que dizer
Quem sou eu
Que fiz eu
Nada sei que dizer
Surpresa será
Palavras engasgadas
De coração amargurado
Espero ser bem suave
Pois os nervos cedem
A pulsação acelera
Perdoem-me se errar
Dos meus livros falarei
Do livro da Lagoa também
Os sentimentos afloram
Venham me dar uma força
Amigos do coração.

Sábado dia 2 Agosto 2014 na RLO "Óbidos" 91.00 FM das 15h às 17h
no programa "Alerta" de Artur Felício.
 
Miká Penha                                                                                     01.08.2014
"Maria Morena"

Maria é teu nome
De pele morena
Sedutora e airosa...
Cheirando a açucena
Nada vaidosa
Foi buscar água à fonte
De cântaro na mão
Apressada e feliz
Descalça tropeça
Numa pedra da calçada
Sua felicidade
Não tem limites
Ri-se a bom rir
Ao ver os cacos partidos
Toda molhada e fresca
Formosa e segura
Passa duas loiras fogosas
Pregam risada dela
Ela não é loira mas morena
E moreno era Cristo
Vê lá se ainda tens pena
Que as demais raparigas
Te chamem morena?

Miká Penha                                                              01.08.2014
"Amor de Verão"

Espero-te
Nas ondas do meu mar
Na frescura da água...
No calor do sol
Espero-te conhecer um dia
Não sei quem és
Nem quem serás
Será a Lagoa
Que nos apresentará
Nesta água fresca
Neste rebentar das ondas
Num vai vem interminável
Quem és tu afinal?
Onde está o meu novo amor
Para passearmos neste Verão
E no Outono dar-mos as mãos
E vivermos no Inverno da vida
Calmamente lado a lado
Mais tarde recordarmos
Quando nos conhecemos
Quando por ti esperei
Nas ondas do meu mar
Na frescura da água
No calor do sol

Miká Penha                                                                         01.08.2014
"A Minha Casinha"

Quero uma casinha
Rodeada de ar puro
Num meio bucólico...
Rodeada de mar
Onde o meu transporte
Fosse uma bateira
Onde o céu
Fosse seu limite
Só para mim
E também para ti
Onde abrisse as janelas
E mergulhasse no mar
Onde as sereias
Viessem comigo cantar
Onde fosses meu príncipe
Onde te oferecesse a maça
Com um veneno de encantar
Onde só das montanhas
Me avistassem
Longe das pessoas
Onde um monstro marinho
Me rodeasse e me protegesse
Onde o encantamento
Perdurasse até ao infinito
Onde veríamos o pôr do sol
Todos os dias da nossa vida
Onde eu fosse a Bela
E tu o meu Monstro
Onde eu fosse a Cinderela
E tu o Príncipe Encantado
Onde eu fosse Branca de Neve
E tu o meu acordar
Onde eu fosse a Carochinha
E tu o João Ratão
Onde eu viveria
Estas ilusões
Sozinha para sempre
Rodeada de solidão.

Miká Penha                                                                  31.07.2014
"O Passado Bate à Porta"

Oh como é saudoso
Quando o passado
Bate á porta......
O mesmo ritual
Abro o facebook
Vejo as mensagens
Respondo a elas
Entro no feed
E á direita
Vejo tua cara
Óculos escuros
Quinze anos depois
E reconheci-te logo
Oh como é saudoso
Quando o passado
Bate á porta...
Olhei tuas fotos
Tão igual
Ou mais bonito
És como o vinho do porto
Quanto mais velho melhor
Vejo que constituíste família
Tinhas dois rapazinhos
Será que agora tens uma menina?
Ela aparece nas fotos
Parece ser tua companheira
Linda por sinal
E querias tu casar com uma mulher
Tão mais velha que tu
Vês como fiz bem
Quando apaguei nosso namoro
Um ano chegou
Para não te querer prender
E fiz bem
Oh como é saudoso
Quando o passado
Bate á porta...
Ver as tuas fotos
Mesmo de óculos escuros
Parece que me olhas
Saudades...
Beijinhos meu amor
Sê feliz.

Miká Penha                                                                          28.07.2014
"Grito Silencioso"

Grita Rita grita
Teu grito de guerreira
Mesmo silencioso...
Abafado pela água
Se ouvirá nas alturas
E um dia vais vencer
Nesta grande luta
Nunca estarás sozinha
Sempre ao teu lado estarei
Sobe os degraus da vida
Mesmo devagar conseguirás
Grita Rita grita
Solta tuas forças
Batalha esta vida
Esquece o sofrimento
Pois sei que consegues
Atinge a meta sozinha
Que este grito silencioso
Seja uma nova etapa
Nunca silencies tua voz
Tens um Dom escondido
Escondeste-o p'ra não sofrer
Mas como vês tudo te bate
Sobe no palco da vida
Já que no outro não queres
Mas tu vais vencer
Batalha em batalha
Tens a minha força
Grita Rita grita
Tu tens o Poder

Miká Penha                                                                 28.07.2014
"O Salto para a Morte"

Saltando no abismo
A corda no pescoço
Veneno nas veias...
Acidente estudado
Até com umas correias
Um tiro na cabeça
Tantas mortes assisti
Tantas fraquezas de alma
Resistências perdidas
Faculdades mentais
Empobrecidas
Na morte se querem perder
Deixando famílias de rasto
Eu por algumas passei
Família e amigos
Assim os perdi
Mas a eles abençoei
Com minha presença
Na sua despedida
Oh como foi triste
Choradas elas foram
Não entendidas
Estas mortes traídas
Que nem se despediram
Sentidas ficamos todas
Amarguradas as famílias
Suicido só é pecado
Pela tristeza incompreendida
Que se quiseram aliviar
Ficando todos a chorar.

Miká Penha                                                        27.07.2014
"Mariposa do Luar"

Esposo feliz
Bem tratado
Saídas com os amigos...
Uns copofonias
Aos bailaricos ele ia
Em certas casas de luar
Dançava e amava
Encantado com as mariposas
Que residiam naquele lar
De ambiente sedutor
Vestidas a matar
A resistência e o pudor
No fim de tanto brincar
Cansado e arrastado
Voltava ao lar
Ela o esperava
Sorriso nos lábios
Tal esposa fiel
Ternurenta
Cumprindo seu ritual
Outros dias se passaram
Um dia nessa casa de luar
Ele voltou a entrar
Mas desceu os degraus
Do cimo avistou
Entre luzes de bar
De mil cores a brilhar
Uma mariposa esbelta
De cabelos negros cumpridos
De vermelho vestida
Sedutora e atenciosa
Para um homem que atendia
Logo a desejou
Seus olhos não se desviaram
Queria aquela mariposa
Com uma rosa vermelha no cabelo
Cheirando uma rosa verdadeira
Virou-se de repente a formosa
Quando ele no ombro lhe tocou
Seu coração logo disparou
Era sua esposa assim vestida
De mariposa da casa do luar.

Miká Penha                                                                             27.07.2014
"Escada da Vida"

Subindo a escada da vida
Cheia de esplendor e graça
Subi passo a passo...
Degrau em degrau
Vestida para a ocasião
Resplandecente
De vermelho vestida
Chapéu de aba larga
Com uma rosa preta
Vestido rodado
Não o quis cintado
Sapato alto vermelho
Subindo a escada
Brilhando tal mariposa
Sem truques na manga
Sem invejas ou ciúmes
Sem ódios ou rancores
Subi passo a passo
Degrau em degrau
Sem mágoas nem dores
Sem atropelos ou aconchegos
Subo subindo pegando
A teimosia e persistência
Vem sendo o meu lema
O orgulho de meus filhos
É minha satisfação
Oh como anseio lá chegar
Ao cimo da escada
Mesmo sem ninguém
Me pegando na mão
Nem ter alguém
Para roubar meu coração.

Miká Penha                                                     27.07.2014
"Pôr-do-Sol na Lagoa"

Vamos ver o pôr-do-sol
Na lagoa do nosso coração
Não é minha não é tua...
Mas sim de todos nós
Vem ver com atenção
Vem me dar tua mão
Sentir esta evasão
Do nosso espírito
Serenando nesta visão
Que o sol resplandece
Mudando suas cores
Atraindo espetadores
Como se fosse um filme
Não nossa imaginação
P'ra novela eles o filmam
As noivas vem tirar fotos
Os parapentes voam
Teu beijo me aquece
Quando o sol se despede
Lá vem suavemente
A lua bem matreira
Acariciando o sol
No seu beijo de despedida
Eles se amam com certeza
Senão não nos ofereceriam
Esta prenda visual
Cenário assim não há
E este sempre estará
Dentro do meu coração.

Miká Penha                                                                       25.07.2014
"Cais Palafítico"

Que saudades do cais
De construção palafita
De madeiras já velhas...
Tudo tem o seu tempo
Mas porque não reconstruir
O que as suas gentes gostam
Recordações de vidas
De pescadores trabalhadores
Que nas neblinas da lagoa
Deslizavam suas bateiras
Na madrugada calma
Silenciosa e serena
Dando seu peixe
Para muitas mesas
Chegavam no fim do dia
Atavam com nós de mestre
Suas bateiras luzidias
Nos paus do cais
No fundo da lagoa
Onde suas águas paradas
Leito de muitas criaturas
Fervilhando de vida
Dormem as bateiras
Atadas e descansadas
No Cais Palafítico
Rodeada de terra lodosa
De terra ansiosa
Por ter novos paus
De madeira tratada
Para que os pescadores
Possam suas bateiras guardar.

Miká Penha
                                                                                        25.07.2014
"Repousando na Bateira"

Pintei minha bateira
Azul da cor do mar
Como as águas da lagoa...
Da mesma cor do céu
Da cor do meu chapéu
Repouso nela lendo um livro
Bronzeando meu corpo
Tomando banhos de luar
Pintei minha bateira
Azul da cor do mar
Cor serena repousada
O sol nela resplandece
Pintei o nome dela
"Sereia da Lagoa"
Abri o livro mais um pouco
E me fez sonhar
Me fez mergulhar
No mundo da fantasia
Onde te encontrava
Na minha bateira ao luar
Vontade de te amar
Saudades de ti em mim
Da tua boca um sim
Como amámos nessa bateira
Feita de esperanças
Pintada ao luar

Miká Penha                                                                                 25.07.2014
Foto: "Desisto"

Desisto de ti
Desisto do amor
Desisto de todos
Quero parar de sofrer 
Viver minha vida
Sozinha
Cai a chuva de mansinho
Desesperei
Chorei
E ninguém estava lá
Gritei
E ninguém me ouviu
Onde estavam 
Os amigos
A família
Gritei ninguém ouviu
Chorei 
Ninguém viu
Vencedora
Mas cansada desta vida
Derrotada no amor
Mas quem me deu a mão?
Quem me acarinhou?
Ninguém
E então deitei-me no chão
E simplesmente 
Desisti.

Miká Penha

"Desisto"

Desisto de ti
Desisto do amor
Desisto de todos
Quero parar de sofrer ...
Viver minha vida
Sozinha
Cai a chuva de mansinho
Desesperei
Chorei
E ninguém estava lá
Gritei
E ninguém me ouviu
Onde estavam
Os amigos
A família
Gritei ninguém ouviu
Chorei
Ninguém viu
Vencedora
Mas cansada desta vida
Derrotada no amor
Mas quem me deu a mão?
Quem me acarinhou?
Ninguém
E então deitei-me no chão
E simplesmente
Desisti.

Miká Penha                                                                           23.07.2014

Foto: "Tristeza Solitária"

Sozinha neste mundo
Diferente por natureza
As lágrimas escorrem
Pela face já molhada
Do mergulho noturno
Cercada da humidade
Da neblina azulada
Meu corpo se arrepia
Sentindo as saudades
Das tuas mãos calejadas
Do esforço do trabalho
Sinto teu cheiro a tabaco
Teus olhos amarelados
Do tempo passado
Teu sorriso aberto
Escondendo amarguras
Desgostos sofridos
Saudades dos teus beijos
Macios e suaves
Tua ternura comigo
Hoje choro sozinha
Nunca mais te quererei
Mas sempre sofrerei
Não te quis
Mas sempre te amei.

Miká Penha

"Tristeza Solitária"

Sozinha neste mundo
Diferente por natureza
As lágrimas escorrem
Pela face já molhada...
Do mergulho noturno
Cercada da humidade
Da neblina azulada
Meu corpo se arrepia
Sentindo as saudades
Das tuas mãos calejadas
Do esforço do trabalho
Sinto teu cheiro a tabaco
Teus olhos amarelados
Do tempo passado
Teu sorriso aberto
Escondendo amarguras
Desgostos sofridos
Saudades dos teus beijos
Macios e suaves
Tua ternura comigo
Hoje choro sozinha
Nunca mais te quererei
Mas sempre sofrerei
Não te quis
Mas sempre te amei.
 Miká Penha
                                                                          22.07.2014

Foto: "Sim...pensa"

Pensa em ti 
Pensa em mim
Nunca mais penses em nós
Pensa no que perdeste
No que nunca mais irás ter
Nem nunca irás mais tocar
Pensa na vida que terás
Com amores fingidos
Amores interesseiros
Amores como o teu
Pensa, mas pensa bem
Nos anos que comigo tiveste
Na transparência do meu olhar
Na sinceridade do meu ser
No tanto que te queria
Na adoração que te tinha
Nos dissabores que contigo passei
E mesmo assim sempre me encantei
Sofri contigo, sofri por ti
Fui tua enfermeira
Amiga e amada
Fui tudo e não fui nada
Mas um dia acordei
Abri os olhos e meu coração
E ouvi-o com muita atenção
"Pára, ele não te ama"
Refleti, fui sincera comigo mesma
E parti
Parti, e nunca mais te vi
Agora pensa no futuro
Um dia me irás dar razão
Mas não terás minha mão
Pois fugi de ti.

Miká Penha

"Sim...Pensa"

Pensa em ti
Pensa em mim
Nunca mais penses em nós
Pensa no que perdeste...
No que nunca mais irás ter
Nem nunca irás mais tocar
Pensa na vida que terás
Com amores fingidos
Amores interesseiros
Amores como o teu
Pensa, mas pensa bem
Nos anos que comigo tiveste
Na transparência do meu olhar
Na sinceridade do meu ser
No tanto que te queria
Na adoração que te tinha
Nos dissabores que contigo passei
E mesmo assim sempre me encantei
Sofri contigo, sofri por ti
Fui tua enfermeira
Amiga e amada
Fui tudo e não fui nada
Mas um dia acordei
Abri os olhos e meu coração
E ouvi-o com muita atenção
"Pára, ele não te ama"
Refleti, fui sincera comigo mesma
E parti
Parti, e nunca mais te vi
Agora pensa no futuro
Um dia me irás dar razão
Mas não terás minha mão
Pois fugi de ti.

Miká Penha                                                                     21.07.2014

Foto: "Meu caminho"

Caminho que percorri
Cheguei à minha meta
Procurei e encontrei
Procurei o profissionalismo
E encontrei-o pelo caminho
Cursos e estágios estudei
A tudo passei

Procurei a pintora
E encontrei-a
Estava bem escondida 
No fundo do meu ser
Arranquei-a para fora
Amei esse dom
Explorei-o
Encantei-me
Em cada pincelada
Um pouco do meu coração
Pintando telas
Pintando esculturas..
.
Procurei a poetisa
Fui ao fundo 
Dos meus sentimentos
Destranquei
Com a chave
O código era fácil
Explorei-o
Um dom que me encantou
As palavras surgem
Na ponta da caneta
Bic cristal escrita normal
Tudo flui facilmente…

Lã, linhas, trapilho
Dêem-me uma máquina
Agulhas ou tesoura
Tudo sai facilmente
Então que sou eu afinal
Boa profissional, pintora
Escritora ou artesã?

Procurei o caminho
E encontrei-o
Com o coração.

Miká Penha

"Meu caminho"

Caminho que percorri
Cheguei à minha meta
Procurei e encontrei
Procurei o profissionalismo...
E encontrei-o pelo caminho
Cursos e estágios estudei
A tudo passei

Procurei a pintora
E encontrei-a
Estava bem escondida
No fundo do meu ser
Arranquei-a para fora
Amei esse dom
Explorei-o
Encantei-me
Em cada pincelada
Um pouco do meu coração
Pintando telas
Pintando esculturas..
.
Procurei a poetisa
Fui ao fundo
Dos meus sentimentos
Destranquei
Com a chave
O código era fácil
Explorei-o
Um dom que me encantou
As palavras surgem
Na ponta da caneta
Bic cristal escrita normal
Tudo flui facilmente…

Lã, linhas, trapilho
Dêem-me uma máquina
Agulhas ou tesoura
Tudo sai facilmente
Então que sou eu afinal
Boa profissional, pintora
Escritora ou artesã?

Procurei o caminho
E encontrei-o
Com o coração.
                                                                                                                                                                                 Miká Penha   21.07.2014                                                                    

"Invocação"

Invoco-te Lagoa
Para meu amor
Encontrares...
Invoco
As tuas neblinas
Que o procurem
Sem parar
Entre todos os Deuses
E seres místicos
Sereias, Unicórnios
Duendes das matas
Fadas e Anjos
Procurem
Meu novo amor
Tragam-no até mim
Pois é aqui
Que o quero encontrar
Que as neblinas me protejam
Dos predadores traiçoeiros
Invoco a Lua
Que com sua luz de luar
Me aclare o caminho
E não me deixe perder
Nos meus passeios noturnos
"Oh Lua que és tão bela
Encontra-me um amor
Para me amar eternamente
E ficar a meu lado".
Prometo o amar sempre
Morrer de mãos dadas.

Miká Penha                                                                          20.07.2014
(foto do Google adulterada por mim)                                                       
"A Dama da Lagoa"

O Sol se esconde
Num fim de um belo dia
Os veraneantes se vão...
A Lua aparece
Por cima da colina
É então que apareço
Como sempre
De negro vestida
Um luto permanente
Do amor perdido
Alguns alcunharam-me
De Dama da Lagoa
Outros há que me chamam
Donzela Perdida
Outros perguntam
Quem é ela?
Mas a maioria sabe
Quem sou eu
A tal que não enterrou
O Amor de Verão
No areal da praia
Consumida pela paixão
Pelo desgosto
Pelas lágrimas choradas
Que se misturaram
Nas águas da Lagoa
Me passeando ao luar
Entrando na águas serenas
Escuras e tranquilas
Que espelham a luz da lua
Afogando meu desgosto
A Lagoa me relaxa
Deixem-me sofrer
Deixem-me morrer
Nas suas águas
Pois nadar nunca aprendi
Quando ela me quiser levar
Simplesmente irei.

Miká Penha                                                                                  20.07.2014
 
19 de Julho de 2014
MUSEU MUNICIPAL DO BOMBARRAL
"Quero Pintar uma tela"

Nesta noite de luar
Quero pintar uma tela
Olhar para a lua...
E sentir-me nela
Quero sentir amor
Sensações perdidas
Sentimentos esquecidos
Amores abandonados
Incertezas nas dúvidas
Certezas no querer
Mas não poder ter
Nesta Lagoa minha musa
Reflexos nas suas águas
Espelhando imagens
Da minha memória
Filme da minha vida
Passando no meu olhar
Meu ver saudoso
Minha esperança perdida
Quero sair da amargura
Quero ver uma saída
Nesta tela da minha vida.

Miká Penha                                                                                   18.07.2014
"Chávena da Avó Graça"

Fui fazer um chá
E as lágrimas correram-me
Pela minha face cansada...
Pois quando abri o armário
E peguei uma chávena
Vi atrás a chávena
Da minha avó Graça
Que saudades dessa mulher
Mulher do meu coração
Meu pilar na vida
Infância adormecida
No tempo passado
No tempo roubado
Pela doença
Saudades
Ternura
Carinho
Amor
Tudo me ensinou
Mãe coragem
Pobre com muitos filhos
Remendando as batinhas
Dos seus meninos
Todos p'ra escola limpinhos
Primou pelo asseio
Os tanques da fonte
Lembram suas canções
Avó que saudades
Sempre te amei demais
Com se minha mãe fosses
Me ensinaste tanto
Amei-te demais.

Miká Penha                                                                        16.07.2014
"O Menino da Rosa"

Era uma vez
Um menino moreno
Com olhos cor de mel...
Doce olhar encantado
Por uma menina da escola
Ele tinha seis anos
Sorriso de malandreco
Um dia antes de ir p'ra aula
Vai ao lado da avó
Caminhando pelo passeio
Sorriso matreiro
"Avó vou ali à florista"
A avó assentiu sorridente
Pensava que só dar beijinho
Mas ele pediu uma rosa amarela
Ela perguntou para quem
Nada disse o petiz
Sorridente, contente e feliz
Saltando pelo caminho
Todos os amiguinhos
No recreio brincavam à bola
Ele vê uma amiguinha chegar
Seu nome Raquel
Loirinha como um raio de sol
Ele dá-lhe um beijinho
E estende a mão com a rosa
Ela sorriu como cúmplice
Aceitou de imediato
Deu-lhe a mão
E foram p'ra aula.

(O menino da rosa é filho da Miká e a Raquel filha da Cândida)

Miká Penha                                                                  16.07.2014
"Amar e Casar"

Amar para sempre
Casar um dia talvez
Porquê o medo disso...
Porquê esses receios
Pois quando se ama
E se pensa no futuro
É para todo o sempre
Atravessando doenças
Problemas e inseguranças
Mas se o amor é verdadeiro
Porquê o medo disso
Porquê esses receios
Quero paz, carinho e amizade
Isso só pode ser verdadeiro
Atravessar vendavais e tornados
Darmos as mãos com segurança
Passo a passo caminhando
O casamento é a uma aventura
Que até os covardes podem realizar
O casamento não pode ser visto
Como se fosse um fardo
Só quem não ama sente isso
Porquê o medo disso
Porquê esses receios?

Miká Penha
                                                                         16.07.2014

"Secretismo"

Secreto amor
Duvidoso até
Até tens humor...
Nos passeios a pé

Nem reparas em mim
Falas como ninguém
Mas amas outra isso sim
E eu amo outro também

Bons amigos seremos
Isso não tenho dúvida
Belos passeios faremos
Assim saldamos a dívida

Pois algo devemos a nós
Seremos felizes no futuro
Mesmo que estejamos sós
Neste presente imaturo

Amores secretos não quero
Nunca quis nem quererei
Faço tudo com esmero
Mas pecar nunca pequei

Que atire a primeira pedra
Quem me acusar de algo
Estou a ser muito sincera
Venha de lá o mais fidalgo

Oh triste sina a minha
Nem quero um amor secreto
Nada tenho a esconder vizinha
Pode deixar o postigo aberto

Miká Penha                                                                  15.07.2014
"Sessão de Autógrafos"

Oh que nervos
Que sensação stressante
De arrepiar a pele...
De me meter os cabelos em pé

Oh que nervos
Antes de uma sessão
Falta de controle
Dores no coração

Mas porquê
Escrever um livro
É para mim tão fácil
Pintar uma tela
É para mim um alívio
Sensações de calmia
Que depois
Quando vou mostrar ao público
Eu expludo
Eu sofro

Não por medo
Nem por falta de convicção

Não por querer esconder
Mas sim por não querer mostrar

Não por ter medo de críticas
Mas por ser tímida, Inconstante
Interiorizo o meu Eu

Expor-me dói-me
Uma prova a transpor

Miká Penha                                                                      15.07.2014
"Fazer um Livro"

Folha após folha
Sempre dando o meu melhor
Muita pressão em cima...
Mando email após email
Recebo resposta
Tudo errado
Respondam sempre
No mesmo email
Pergunta com resposta
Assim seria certamente
Mas o sonho
Tem de se concretizar
Vamos lá pessoal
Vamos lá a animar
O livro já acabou
A pressão passou
Palavras desavindas
Coração magoado
Mas o livro tudo merece
Tudo tenho de aguentar
Para o poder acabar
Mudo um poema de lugar
Melhor fica aqui...
Coloco imagem a condizer
É preciso não esquecer
Mas não preciso rasgar papel
Nem encher o cesto dele
Pois as novas tecnologias
Tudo ajudam com magia
Mas o livro está acabado.

Miká Penha                                                                      14.07.2014
"Saudades de ti"

Saudades dos teus vícios
Que me levavam á loucura
Saudades de ti fumando...
Saudades de ti vendo TV
E de tu do o que se vê
Cruzávamos as palavras
Desenhávamos juntos
Pintávamos algo a dois
Em cetins de todas as cores
Aguarelávamos em cartolinas
Passeávamos de mãos dadas
Oh como tenho saudades
Só não consigo ainda ter
Saudades de te ver beber
Pois isso sofri na pele
Tornavas-te outra pessoa
Fazias-me sofrer
Não tinhas medo de me ofender
Quando começavas a beber
Isso foi a nossa separação
A dor do meu coração
Oh como me fizeste sofrer
Mas sempre te amei...

Miká Penha                                                                            13.07.2014
"Amo ao Luar"

Amo ao Luar
Sem ter a quem amar
Espero ao vento e frio...
Espero até a maré vazar
Num completo delírio
Numa esperança sem fim
De voltares sozinho´
Aquele nosso lugar
Onde anseio por ti
As ondas vão e vem
Num constante desatino
Assim meu coração
Esperando o meu latino
Oh que triste desilusão
Todas as vezes que lá vou
Só te vejo ao longe
De mãos dadas passeando
Fingindo-te feliz
Meu futuro planejando
Não vejo nada bom
Nem a Lua me aconselha
Até ela se ri de mim
Meus lábios cor de groselha
Sentem ainda teus beijos
Oh que triste desventura minha
Esta paixão em surdina
Mas que lua mais ladina
Me dá arrepios na pele
Do desejo desejado
De estar a teu lado.

Miká Penha                                                                              13.07.2014
"Menina Lua"

Sou filha da Lua
O Sol meu inimigo
Nascida diferente...
Xeroderma Pigmentoso
É o nome da doença
Diz o cientista bondoso
Mas a verdade
Doente não me sinto
Sou feliz
À minha maneira
Adoro a Lua Cheia
O Luar meu companheiro
Vou p'ra praia de noite
Corro e brinco
Nadando nas águas
Que no escuro resplandecem
Espelhando a mãe Lua
Que me protege
Fiquem felizes como sou
Nasci assim diferente
Sou a Princesa da Lua.

Miká Penha                                                              13.07.2014
"Claustrofóbico"

Sentimento suspenso
Coração muito apertado
Falta o bom senso...
Quero-te a meu lado
Sejas quem tu fores
Onde andas perdido?
Deixando-me nesta agonia
Neste imenso vazio
Sinto-me afundando
Num navio naufragando
Oh que estranha sensação
Este sentimento de aperto
Alguém arrancando meu coração
Sinto tonturas na cabeça
Estou a sentir-me possessa
Episódios de ausência
Aflição nunca sentida
Onde estás para me salvar
Desta estranha agonia.

Miká Penha                                                                                       12.07.2014
"Noite de Lua Cheia"

Oh que noite tão cismada
Oh noite de Lua Cheia
Vou beijar o meu amado...
Debaixo desta bola cheia
Que noite tão mimada
Que me deixa entusiasmada
Tenho de encontrar um parceiro
Passo as noites de luar
Percorrendo a Lagoa
São noites a andar à toa
Procurando quem amar
Um monstro pode aparecer
E fazer-me apaixonar
Ou talvez um lobisomem
Para comigo casar
Por isso não te atrases
Vem depressa me buscar
Pois é contigo
Que eu quero ficar.

Miká Penha
                                                                   12.07.2014

"Sonho de Letras"

Sonho com letras
Que caiem do céu
As aparo com meu chapéu...
Vem grandes e miudinhas
De todos os tamanhos e feitios
Sonho com elas todos os dias
Navegando em belos navios
Duma maré cheia de letras
Tentando não me afogar
Remando muito canhestra
Tentando meu amor encontrar
Mas remo e remo remando
Cansada deste lutar
Acabo por me ir afogando
Sem ninguém para me salvar.

Miká Penha                                                                               12.07.2014
"Minha Sobrinha Claudia"

Hoje fazes aninhos
Sobrinha linda
De nome Claudia Patrícia,...
Tens cabelos cor de canela
Olhar de menina travessa
Ás vezes ficas possessa
Logo te salta a tampa da panela
Tens uma mãe propicia
Ao teu feitio de rebelde
Se precisares chama a Policia
Ou chama esta tia que te ama
Pois ainda vais ser notícia
Quem sabe a cantar o fado
Pois nem tudo é um drama
Toma conta desse safado
Que te quer roubar o coração
Se ele se portar mal me chama
Que depois canto-lhe eu o fado
Neste dia desejava
Poder estar a teu lado
Mas como não estou te ofereço
Este poema enfadado.

(Amo-te minha querida, conta sempre com a tia, seja onde estiveres
da tia que muito te ama.....Beijinhos neste teu dia ) 12.07.2014
"Saudades de ti"

Saudades de nós
Saudades de ti
De quando jovens eramos...
O amor explorávamos
Nas delícias do nosso quarto
Na Lua de Mel saborosa
Após nosso casamento
No auge da nossa juventude
Tantos sonhos
Tantas esperanças
Acalentámos o amor
Amei-te
Como nunca amei ninguém
Oh como eramos belos
Sedosa a nossa pele
Minha energia explodia
Quando te aproximavas
Na loucura do nosso quarto
Sempre fui só tua
E tu nunca foste só meu
Mas era uma sonhadora
Romântica e apaixonada
Oh como te amava
Saudades de ti
Dos nossos corpos colados
Transpirados e sedosos
Arfando de desejo
Colhia em mim teus genes
Extenuados e cansados
Deste êxtase saudoso
Saudades de ti em mim.

Miká Penha                                                           10.07.2014
"Bola de Cristal"

Da cor do universo
Na suavidade da minha mão
Uno as energias quânticas...
Sou um átomo que aqui vive
Uma areia cósmica
Sou o principio do fim
Sou o sentir
Do meu coração
A amargura
Das noites solitárias
Sou a visão
Que acalenta
A coruja branca
Sou o eu e o meu
Sou o tudo num nada
Sou a paixão
Na noite de verão
Sou o amor
Insatisfeito
Sou a semente
Que germinou
A árvore que morreu de pé
Sou o eu sem ti
Te vejo na minha bola de cristal
Mas não te consigo chegar
Desapareceste no tempo
No espaço
Pois não eras meu.

Miká Penha                                                                               08.07.2014
"Filho meu"

Filho meu
Da minha alma
Saudades de ti...
Saudades de mim
Naquele tempo
Em que sozinhos
Brincávamos
Na areia da nossa Lagoa
Chapinhando na água
Procurando conchinhas
Fazendo castelos
Na areia dourada
Mas tinha de te proteger
Da areia que te rodeava
Uma manta de trapos usava
Para que tuas aflições
E tuas manias
Não te consumissem
Tinhas receio da água
Na areia nem os pés
Querias enterrar
Mas rias da mamã
Das brincadeiras
Estudando tuas reações
Absorvendo teu cheiro
Encanto meu
Me deste a chance
De ser mãe pela
Primeira vez
Duas crianças parecíamos
Cambalhotas dávamos
Que saudades
Deste tempo meu filho
Que saudades de ti
De ouvir tuas risadas
Tua alegria espontânea
Chapinhando
Pela vida fora
Fomos os dois
Lado a lado
Sempre estive
A teu lado
Contigo sempre estarei.

Miká Penha                                                                                08.07.2014

"Meu avatar"

Escondo o meu eu
Na penumbra do meu ser
Escondo o avatar ...
Que há em mim
A energia eclode
Do mais intimo
Sou a Pandora
Prestes a ser descoberta
Vou-me escondendo
Devagar me vou mostrando
Diferente ou igual
A tantas mulheres
Me julguem os amigos
Me julgues tu
A energia da Terra
Me cobre quando durmo
A energia do Ar
Me sopra o destino
A energia do Fogo
Me derrete de amor
A energia da Água
Me acalenta na frescura
No seu manto
De Lagoa Adormecida
Me estendo deleitando
Nas suas águas azuis
Me tornando um ser
Energizado
Descobrindo o Avatar
Que existe em mim
Azulada me encontro
Unidas assim ficamos
Diferente me sinto
Nesta união sã
A Lagoa que há em mim.

Miká Penha                                                                         06.07.2014
"Quarto Frio"

Fui-me deitar
Aconcheguei-me
Mas algo me faltava...
Viro e reviro-me
Mas sinto frio
Uma frescura
Difícil de aquecer
Quando me reviro
Com mais frio fico
Onde estás?
Sinto falta de alguém
A meu lado
O abraço que não me afaga
O beijo que não me acalenta
Sinto frio na minha vida
Meu quarto está gelado
Coloco a lenha
Na salamandra
Arde a lenha
Mas não é esse
O fogo que me aquece
Continuo com frio
Minhas mãos deslizam
Suavemente
Procurando por mim
Lembrando-me de ti
Afogando as lágrimas
Saudosas do passado
Sinto um frio entranhado
Quero aquecer esta cama
Do frio dos Invernos
Alguém jurar que me ama
Aquecer meu coração
Vivo de ilusão

Miká Penha                                                       06.07.2014
"Amor Incondicional"

Onde anda esse amor
Que todos prometem
E não cumprem...
Amores sem sabor
Há em mim a esperança
De um dia o encontrar
Seja um verdadeiro amar
Um amor sem cobrança
Que nos damos num todo
Abrimos nosso coração
Numa plena declaração
Limpando todo o lodo
É preciso ser puro
Acreditar nesse amor
Cantar em clamor
Os ciúmes conjuro
Acredito verdadeiramente
Que encontre esse amor
Singelo e ameno
Incondicionalmente
Amando um ao outro
Em todos os Verões
Da vida a dois
Até que a morte
Nos separe
E ficarei te esperando
Um novo reencontro.

Miká Penha                                                                05.07.2014
"Repousar em ti"

No meu leito
Eu me repouso
Meu cansaço me esgotou...
Minha mente me transportou
Em sonhos deliciosos
Duma amena inquietude
Serenamente
Sonho que repouso em ti
Finalmente descansando
Das amarguras do dia
Dos meses e anos
És a minha serenidade
Quando em ti repouso
Mesmo em sonhos
Sonhados e descansados
Esta Lagoa que amo
Fico flutuando
Nas suas águas
Afogando minhas mágoas
Rezando para esquecer
Esta dor de padecer
Acreditando que um dia
Alguém me vem salvar
Deste sentimento
De querer amar
Neste lamento
Implorando
Que me venhas
Ajudar.

Miká Penha                                                      05.07.2014
"A Bateira do Amor"

Entrei na bateira
Com esperança redobrada
Plena de amor puro...
Certeza no futuro
Mas esqueci
Não levei remos
E a bateira ali ficou
Parada na Lagoa
Não mais navegou
Nem com a vela
Mesmo assim tombou
Onde vais barca bela
Que levas uma menina
Vais passear com ela
Como é muito bela
Esta donzela
Mas a bateira
Se revirou
Na areia da Lagoa
Ela se enterrou.

Miká Penha                                                           05.07.2014
"Julieta e Romeu"

Não é Romeu e Julieta
Pois a sociedade se inverteu
Mas sim Julieta e Romeu...
Tudo isto está uma treta

Tudo anda ao contrário
Onde anda o romantismo
E também o cavalheirismo
Tudo é temporário

Namoriscar não existe
Passam logo à acção
Esquecem o coração
Com isto tudo fico triste

Dantes oferecia-se uma flor
E esperava-se muitos anos
Agora não interessa os danos
Tal não é esse ardor

Quero que o tempo volte atrás
Isto não vai ser bom p'ra ninguém
Tudo o que é bom fica aquém
Tudo se transforma em zá-pás-tráz

Miká Penha                                                                        02.07.2014
"Chuva Miudinha"

Esta chuva miudinha
Que vai caindo em redor
Molhando tudo e todos...
Refrescando o ar
Sinto o calor da paixão
Se aproximando o Verão
O amor anda no ar
E é de quem o apanhar
Aconchegando o coração
Esqueçam os Amores de Verão
Oiçam com atenção
É puro engano
Fantasia que desabrocha
Realidade mentirosa
A chuva miudinha
Não que ir embora
Pois sabe
Que ao entrar essa estação
Se perde de amores
O teu coração
Por isso um alerta
Fica bem desperta
Não te apaixones em vão
Fecha bem teu coração
Molha-me esta chuva
Chuva miudinha
Frescura no sentir
Alívio sem cair
Danço na chuva
Está solto meu coração
Pega quem eu deixar
Quem muito eu quiser amar

Miká Penha                                                02.07.2014
"Quero me soltar"

Esta é a verdade
Quero me soltar
Ter a liberdade...
Para te amar

Acordar do pesadelo
Te sentir nos meus braços
Ser o teu modelo
Neste mar de sargaços

Olha as pombas felizes
As gaivotas guinchando
Voam os albatrozes
Todos se amando

A natureza explode
No verde da Primavera
Tudo nela implode
Estou a ser sincera

Preciso de ainda amar
Ter coragem de assumir
Que preciso cantar
Deixar de me oprimir

Não quero ficar sozinha
Minha meta a cumpri
Farta de ser boazinha
Ainda não me abri

Não me quero enganar
Simplesmente te quero amar.

Miká Penha                                                   02.07.2014
Foto: "Sozinho"

Andas acompanhado
Mas no fim
Sozinho ficarás

O falso amor
Andou à solta
Pelas ruas da cidade

Tu aproveitaste-o bem
Tão bem que
Sozinho ficarás

Quando pensas 
Que estás no auge
Vais reparar
Que teu ego te enganou
Aí quererás me amar
Perguntarás onde estou

Mas já terei partido
E sozinho ficarás.

Miká Penha
"Sozinho"

Andas acompanhado
Mas no fim
Sozinho ficarás

 O falso amor
Andou à solta
Pelas ruas da cidade

Tu aproveitaste-o bem
Tão bem que
Sozinho ficarás

Quando pensas
Que estás no auge
Vais reparar
Que teu ego te enganou
Aí quererás me amar
Perguntarás onde estou

Mas já terei partido
E sozinho ficarás.

Miká Penha                                                                                      02.06.2014

 
Foto: "Estupido Cupido"

Estupido Cupido
Afinal que andas fazendo
Nem uma flecha acertas
Num coração trazendo
Essa pontaria entortas

Estupido Cupido
Não sei o que andas tramando
Desse jeito de malandro
A todos vais queimando
Melhor usares escafandro

Estupido Cupido
Tenta acertar uma flecha
Num perdido coração
Mesmo que seja lamecha
Traz-mo até á minha mão

Estupido Cupido
Se ninguém acertares afinal
Onde está tua pontaria
Parece que nem és o original
Será que tens uma avaria

Estupido Cupido
Faz pontaria ao alvo
Traz depressa meu tesouro
Até pode ser calvo
Mas não me tragas um louro

Miká Penha
"Estupido Cupido"

Estupido Cupido
Afinal que andas fazendo
Nem uma flecha acertas
Num coração trazendo...
Essa pontaria entortas

Estupido Cupido
Não sei o que andas tramando
Desse jeito de malandro
A todos vais queimando
Melhor usares escafandro

Estupido Cupido
Tenta acertar uma flecha
Num perdido coração
Mesmo que seja lamecha
Traz-mo até á minha mão

Estupido Cupido
Se ninguém acertares afinal
Onde está tua pontaria
Parece que nem és o original
Será que tens uma avaria

Estupido Cupido
Faz pontaria ao alvo
Traz depressa meu tesouro
Até pode ser calvo
Mas não me tragas um louro

Miká Penha                                                                              01.07.2014

Foto: "Boleia sem paquera"

Ele me deu uma boleia
Mas não me paquerou
Teve medo da cadeia
Mas muito vociferou

Falou mesmo muito
Até o carro avariou
Foi ver o circuito
Mal não lhe encontrou

Jantámos sem luz da vela
Romântico nem por isso foi
Arroz doce  com canela
Ficamos mais cheios que boi

D. Juan é atrevidote
Mas eu gentilmente
Encostei-o ao escadote
Tonto lhe chamei cordialmente

O motor lá funcionou
E com tanto azarito
Nem no tempo que lecionou
Comeu tanto cabrito

Miká Penha
"Boleia sem Paquera"

Ele me deu uma boleia
Mas não me paquerou
Teve medo da cadeia
Mas muito vociferou...

Falou mesmo muito
Até o carro avariou
Foi ver o circuito
Mal não lhe encontrou

Jantámos sem luz da vela
Romântico nem por isso foi
Arroz doce com canela
Ficamos mais cheios que boi

D. Juan é atrevidote
Mas eu gentilmente
Encostei-o ao escadote
Tonto lhe chamei cordialmente

O motor lá funcionou
E com tanto azarito
Nem no tempo que lecionou
Comeu tanto cabrito

Miká Penha                                                                 27.06.2014

Foto
Foto: "Não quero amor"

Não quero 
A solidão pesa
Não tem sabor
Afinal me lesa
A ruina do amor

Não quero 
Amores de Verão
Esses fazem sofrer
Mais nenhuma desilusão
Fujo nem que tenha de correr

Não quero 
Amores furtivos
Não prestam para paixão
Eles nos deixam cativos
Fazem quebrar o coração

Não quero
Amores doentios
Conhecidos numa gandaia
São fugazes e gentios
E me fazem sentir cobaia

Mas quero
Um amor que seja autêntico
Que seja para sempre
Um amor romântico
Que me ame eternamente

Miká Penha
"Não quero amor"

Não quero
A solidão pesa
Não tem sabor
Afinal me lesa...
A ruina do amor

Não quero
Amores de Verão
Esses fazem sofrer
Mais nenhuma desilusão
Fujo nem que tenha de correr

Não quero
Amores furtivos
Não prestam para paixão
Eles nos deixam cativos
Fazem quebrar o coração

Não quero
Amores doentios
Conhecidos numa gandaia
São fugazes e gentios
E me fazem sentir cobaia

Mas quero
Um amor que seja autêntico
Que seja para sempre
Um amor romântico
Que me ame eternamente

Miká Penha                                                                23.06.2014

Foto: "Sozinha"

Em meus lençóis de cetim
Brancos como a lua num luar
Entro em tamanho frenesim
Pensando em te poder amar
Mas tu não estavas lá
Tuas mãos me tocam
Quem me dera ver-te acolá
Sentado a me ver amar
Sozinha deitada na minha cama
Onde os sentidos me levam
Longe nos desejos
Das carícias abrasadas
Que me queimam
E me fazem explodir
Com o coração acelerado
De tanto te amar
Sem nunca te ter.

Miká Penha

"Sozinha"

Em meus lençóis de cetim
Brancos como a lua num luar
Entro em tamanho frenesim
Pensando em te poder amar...
Mas tu não estavas lá
Tuas mãos me tocam
Quem me dera ver-te acolá
Sentado a me ver amar
Sozinha deitada na minha cama
Onde os sentidos me levam
Longe nos desejos
Das carícias abrasadas
Que me queimam
E me fazem explodir
Com o coração acelerado
De tanto te amar
Sem nunca te ter.

Miká Penha                                                               22.06.2014

Foto: "A Dama Amaldiçoada"

É viúva da vida
Triste dama perdida
Vagando pela noite
À margem da lagoa
Entoando tristes canções
Dor que dá na alma
De a ver desaparecer
No breu da noite
Esconde-se das pessoas
Quando o sol se põe
Ela aparece 
Para dele se despedir
Toca o sino da igreja
Várias vezes na noite
E ela sempre vagando
Com seus trajes negros
Não se vê seu rosto
Mas suas lágrimas
Brilham ao luar
Quem a quer ver
Não será de dia
Mas sim de noite
Pois na neblina da noite
Ela aparece feito zombi
Ninguém se aproxima
Com se de lepra se tratasse
Pois tem medo
Que seus desgostos
Os contagiassem
Oh Dama da Lagoa
Que de tristeza
Te vais definhando
Como que esperando
Que algo surja das águas
E a vida lhe roube
Pois neste mundo 
Ela se consome.

Miká Penha

"A Dama Amaldiçoada"

É viúva da vida
Triste dama perdida
Vagando pela noite
À margem da lagoa...
Entoando tristes canções
Dor que dá na alma
De a ver desaparecer
No breu da noite
Esconde-se das pessoas
Quando o sol se põe
Ela aparece
Para dele se despedir
Toca o sino da igreja
Várias vezes na noite
E ela sempre vagando
Com seus trajes negros
Não se vê seu rosto
Mas suas lágrimas
Brilham ao luar
Quem a quer ver
Não será de dia
Mas sim de noite
Pois na neblina da noite
Ela aparece feito zombi
Ninguém se aproxima
Com se de lepra se tratasse
Pois tem medo
Que seus desgostos
Os contagiassem
Oh Dama da Lagoa
Que de tristeza
Te vais definhando
Como que esperando
Que algo surja das águas
E a vida lhe roube
Pois neste mundo
Ela se consome.

Miká Penha                                                                    19.06.2014

Foto: "Verão na Lagoa"

Venha o sol
Venha o Verão
Na Lagoa do meu coração
Brincadeiras na praia
Jogos de areia
Amores novos de Verão
Depois enterrados no areal
Desta praia de areia dourada
Na costa de prata
Neblinas que nos visitam
Enganando os desprotegidos
Secretismos amorosos
Passeios de mãos dadas
Início do fim 
Que rápido se aproxima
Quando o Verão acabar
Mas agora está no auge
Pois ainda vai começar
Estendem-se as toalhas
Espalham-se sorrisos
As crianças gritam
Gritos de alegria
E eu apanhei uma estrela
Será que me vai amar?

Miká Penha

"Verão na Lagoa"

Venha o sol
Venha o Verão
Na Lagoa do meu coração
Brincadeiras na praia...
Jogos de areia
Amores novos de Verão
Depois enterrados no areal
Desta praia de areia dourada
Na costa de prata
Neblinas que nos visitam
Enganando os desprotegidos
Secretismos amorosos
Passeios de mãos dadas
Início do fim
Que rápido se aproxima
Quando o Verão acabar
Mas agora está no auge
Pois ainda vai começar
Estendem-se as toalhas
Espalham-se sorrisos
As crianças gritam
Gritos de alegria
E eu apanhei uma estrela
Será que me vai amar?

Miká Penha                                                                             18.06.2014

Foto: "Namasté"

Lagoa de Óbidos
Lagoa dos meus encantos
Lavas-me os desgostos
Que a vida me causa
Os transtornos de pesar
As saudades que me afligem
Banho de imersão
Nas tuas águas calmas
Salutar para meu coração
Meu espírito se ilumina
Nas tuas águas salgadas
Aqui descanso 
Ao fundo vejo um ganso
À esquerda repousam
Os belos flamingos
Brancos e rosados
Entre as estrelas do mar
Os berbigões e caranguejos
Eu me vou banhar
Ao pôr-do-sol boiando
Nas suas águas cristalinas
Repousando do dia laboral
O sol se vai escondendo
Deixando se espelhar
No espelho de água
Zen, me sinto renascer
Me sinto iluminada
E me despeço do sol
Numa explosão 
De mergulho inverso
E de limpeza espiritual
Me despeço
Namasté

Miká Penha

"Namasté"

Lagoa de Óbidos
Lagoa dos meus encantos
Lavas-me os desgostos
Que a vida me causa...
Os transtornos de pesar
As saudades que me afligem
Banho de imersão
Nas tuas águas calmas
Salutar para meu coração
Meu espírito se ilumina
Nas tuas águas salgadas
Aqui descanso
Ao fundo vejo um ganso
À esquerda repousam
Os belos flamingos
Brancos e rosados
Entre as estrelas do mar
Os berbigões e caranguejos
Eu me vou banhar
Ao pôr-do-sol boiando
Nas suas águas cristalinas
Repousando do dia laboral
O sol se vai escondendo
Deixando se espelhar
No espelho de água
Zen, me sinto renascer
Me sinto iluminada
E me despeço do sol
Numa explosão
De mergulho inverso
E de limpeza espiritual
Me despeço
Namasté

Miká Penha                                                                                18.06.2014

Foto: "Socorro"

Socorro me salvem
Não precisa ser bombeiro
Muito menos aventureiro
Não precisa ser doutor
Muito menos embaixador
Não precisa ser arquiteto
Muito menos atleta
Não precisa ser Padeiro
Muito menos carpinteiro
Não precisa ser artesão
Muito menos cirurgião
Não precisa ser pescador
Muito menos preceptor
Não precisa ser cangalheiro
Muito menos jardineiro
Quero apenas um bom homem
Humilde e de boa índole
Que me saiba acarinhar
Nas horas más e boas
Que saiba oferecer a mão
Que estejamos os dois em paz
Serenidade e calma
Amigo do amigo
Se não são desses 
Porque me atormentam
Com pedidos de cafezinhos
Desculpas pouco plausíveis
Desapareçam por favor
Socorro.
E tu que és esse
Porque não apareces?

Miká Penha

"Socorro"

Socorro me salvem
Não precisa ser bombeiro
Muito menos aventureiro
Não precisa ser doutor...
Muito menos embaixador
Não precisa ser arquiteto
Muito menos atleta
Não precisa ser Padeiro
Muito menos carpinteiro
Não precisa ser artesão
Muito menos cirurgião
Não precisa ser pescador
Muito menos preceptor
Não precisa ser cangalheiro
Muito menos jardineiro
Quero apenas um bom homem
Humilde e de boa índole
Que me saiba acarinhar
Nas horas más e boas
Que saiba oferecer a mão
Que estejamos os dois em paz
Serenidade e calma
Amigo do amigo
Se não são desses
Porque me atormentam
Com pedidos de cafezinhos
Desculpas pouco plausíveis
Desapareçam por favor
Socorro.
E tu que és esse
Porque não apareces?

Miká Penha
                                                                                 17.06.2014

Foto: "Involucro rasgado"

Rasguei o papel
Onde vinhas embrulhado
Tal prenda ousada
Disfarçada e polida
De carinhos e afagos
Vinhas de azul vestido
Algo estava errado
Não sabia o quê
Rasguei as tuas blusas
Velhas amareladas do tempo
Comprei-te roupa nova
Elas parecem gostar
Pois ainda hoje as vestes
Eu nunca conseguiria
Vestir algo que me desses
Mas como nunca nada me destes
Nada tenho para deitar fora
Só meus sentimentos
E esses purguei de mim
Sinto-me limpa
Alma lavada
Agora o papel amacei-o
E lancei-o bem longe
Deitei-o ao mar
O papel que te embrulhava
Nada mais tenho para espreitar
Conheço-te de dentro p'ra fora
E nunca te aproximes de mim
Pois nem uma palavra
Te quero mais dar.

Miká Penha

"Involucro rasgado"

Rasguei o papel
Onde vinhas embrulhado
Tal prenda ousada
Disfarçada e polida...
De carinhos e afagos
Vinhas de azul vestido
Algo estava errado
Não sabia o quê
Rasguei as tuas blusas
Velhas amareladas do tempo
Comprei-te roupa nova
Elas parecem gostar
Pois ainda hoje as vestes
Eu nunca conseguiria
Vestir algo que me desses
Mas como nunca nada me destes
Nada tenho para deitar fora
Só meus sentimentos
E esses purguei de mim
Sinto-me limpa
Alma lavada
Agora o papel amacei-o
E lancei-o bem longe
Deitei-o ao mar
O papel que te embrulhava
Nada mais tenho para espreitar
Conheço-te de dentro p'ra fora
E nunca te aproximes de mim
Pois nem uma palavra
Te quero mais dar.

Miká Penha                                                                                 17.06.2014

Foto: “O Corvo que há em mim”

Existe um corvo
Que me consome
Que me esgota a energia
Solto-o durante a noite
Ele vai caçar
Sonhos petrificados
Aterrorizantes
Que me fazem acordar
Com suores frios
Bichos que trepam 
Pelo meu corpo
Terror
Pesadelos
Sou noctívaga
A noite me provoca
Insinua-se
Sou a dama da noite
Solto o corvo que há em mim
Poderosamente insinuoso
Num voo de caçador
Do que já foi caçado
Bicando a carne petrificada
Me sinto poderosa
Meu lado negrume
Se manifesta
Acordo cansada
Por onde andei voando?

Miká Penha

“O Corvo que há em mim”

Existe um corvo
Que me consome
Que me esgota a energia
Solto-o durante a noite...
Ele vai caçar
Sonhos petrificados
Aterrorizantes
Que me fazem acordar
Com suores frios
Bichos que trepam
Pelo meu corpo
Terror
Pesadelos
Sou noctívaga
A noite me provoca
Insinua-se
Sou a dama da noite
Solto o corvo que há em mim
Poderosamente insinuoso
Num voo de caçador
Do que já foi caçado
Bicando a carne petrificada
Me sinto poderosa
Meu lado negrume
Se manifesta
Acordo cansada
Por onde andei voando?

Miká Penha                                                                       16.06.2014

Foto: “Anjo da noite”

Às vezes me sinto morrer
Cansada e esgotada
Estendo-me na cama
De lençóis pretos
Sinto que minhas forças
Se esvaem
É quando tu chegas
Meu anjo da noite
Penso que me vens proteger
Mas não és um anjo qualquer
Me esgotas ainda mais
Tu não me proteges
Simplesmente roubas 
Minhas últimas forças
Meu colchão
Parece me engolir
O peso do corpo
É insuportável
Quero combater-te
Mas estás sempre presente
Me esgotas
Me consomes
O inferno ganha
Terreno
Um pantanal
Que se apodera de nós
A idade não perdoa.

Miká Penha

“Anjo da noite”

Às vezes me sinto morrer
Cansada e esgotada
Estendo-me na cama
De lençóis pretos...
Sinto que minhas forças
Se esvaem
É quando tu chegas
Meu anjo da noite
Penso que me vens proteger
Mas não és um anjo qualquer
Me esgotas ainda mais
Tu não me proteges
Simplesmente roubas
Minhas últimas forças
Meu colchão
Parece me engolir
O peso do corpo
É insuportável
Quero combater-te
Mas estás sempre presente
Me esgotas
Me consomes
O inferno ganha
Terreno
Um pantanal
Que se apodera de nós
A idade não perdoa.

Miká Penha
                                                              16.06.2014

 
Foto: "E tu quem serás?"

A ti quem serás tu
A quem escrevo esta carta
A quem dedico estas palavras
Quem serás tu?

Tu que um dia 
Iremos passear juntos
De mãos dadas ternamente
Num compasso acertado
Que fiquemos juntos somente
Por nos amamos para sempre
Quem serás tu?

Tu que um dia
Caminhemos lado a lado
Nas estrada da vida
Com lágrimas e sorrisos
Na saúde e na doença
Até que um dia só um ficará
Quem serás tu?

Tu que um dia
Me abraçarás
E amorosamente
Dormiremos lado a lado
Repousaremos juntos
Depois da jornada
E tu quem serás?

Aquele que amarei
E com quem ficarei
Sim és tu.

Miká Penha

"E tu quem serás?"

A ti quem serás tu
A quem escrevo esta carta
A quem dedico estas palavras
Quem serás tu?...

Tu que um dia
Iremos passear juntos
De mãos dadas ternamente
Num compasso acertado
Que fiquemos juntos somente
Por nos amamos para sempre
Quem serás tu?

Tu que um dia
Caminhemos lado a lado
Nas estrada da vida
Com lágrimas e sorrisos
Na saúde e na doença
Até que um dia só um ficará
Quem serás tu?

Tu que um dia
Me abraçarás
E amorosamente
Dormiremos lado a lado
Repousaremos juntos
Depois da jornada
E tu quem serás?

Aquele que amarei
E com quem ficarei
Sim és tu.

Miká Penha                                                                            16.06.2014

Foto: "Finalmente"

Finalmente te vou esquecer
A prova de que ia acontecer
Chegou agora mesmo
Estás no mesmo espaço
Que eu estou
Eu conversava animada
Ria-me com um Basco
Ele de olhos azuis
Cinquentão como eu
Falando francês
Rindo no Bar.
Olhando para as Berlengas
Uma animação
E quando entraste
Nem me doeu o coração
Entraste calado
Com tua companhia
E calado permaneceste
Quando me viste
Estranhamente animada
E nada calada
Toda a sala ouvia
Minhas risadas
E o Basco nada percebeu
Mas alguém algo entendeu
Tu viste que já não penso em ti
Finalmente entendi
Nunca mais te quererei
Nem que pintado de ouro viesses
Passaste a ser um fantasma
Já nem arrepios me causas
Nem o pulsar do coração sinto
Estou finalmente curada
Nada mais és para mim
Que um triste fantasma
Os sorrisos que te dei
Já desapareceram
Da minha mente
Agora nem na mesma sala
Me consegues arrancar
Um sorriso
Simplesmente 
Para mim desapareceste.

Miká Penha

"Finalmente"

Finalmente te vou esquecer
A prova de que ia acontecer
Chegou agora mesmo
Estás no mesmo espaço...
Que eu estou
Eu conversava animada
Ria-me com um Basco
Ele de olhos azuis
Cinquentão como eu
Falando francês
Rindo no Bar.
Olhando para as Berlengas
Uma animação
E quando entraste
Nem me doeu o coração
Entraste calado
Com tua companhia
E calado permaneceste
Quando me viste
Estranhamente animada
E nada calada
Toda a sala ouvia
Minhas risadas
E o Basco nada percebeu
Mas alguém algo entendeu
Tu viste que já não penso em ti
Finalmente entendi
Nunca mais te quererei
Nem que pintado de ouro viesses
Passaste a ser um fantasma
Já nem arrepios me causas
Nem o pulsar do coração sinto
Estou finalmente curada
Nada mais és para mim
Que um triste fantasma
Os sorrisos que te dei
Já desapareceram
Da minha mente
Agora nem na mesma sala
Me consegues arrancar
Um sorriso
Simplesmente
Para mim desapareceste.

Miká Penha                                                            15.06.2014

Foto: "Em Fogo"

Estou em fogo
Ardente de desejo
Do teu prazer 
Que me afague
No meu ser
Que me afogue
Quero te ter
Convidei-te
E não vieste
Meu olhar disse tudo
Mas não entendeste
Vem estou à tua espera
Que tuas mãos me enlacem
E apagues este fogo
Que há em mim.

Miká Penha

"Em Fogo"

Estou em fogo
Ardente de desejo
Do teu prazer
Que me afague...
No meu ser
Que me afogue
Quero te ter
Convidei-te
E não vieste
Meu olhar disse tudo
Mas não entendeste
Vem estou à tua espera
Que tuas mãos me enlacem
E apagues este fogo
Que há em mim.

Miká Penha                                                                    15.06.2014

Foto: "Palavras Cruzadas"

Comprei um livro
Para cruzar as palavras
Nada cruzei
Pois lápis não tinha
Caneta também não
Mas querias as cruzar
Chateada fiquei
Fui dar um passeio
Pelo Parque
À beira Mar estacionei
Uma Gaivota poisou
Quando olhei
Ela levantou voo
Um lápis branco ali estava
Com borrachinha no topo
Impossível pensava eu
Estou a ver mal
Mas era um lápis
Muito bem afiado
Me esperando para pegar
Estava um nome escrito
Anita
Que estranho
Tudo indica que
Palavras tenho de cruzar
Palavras da minha vida
Palavras esvoaçam 
Meu pensamento
Só a palavra amar
É impossível
De encontrar.

Miká Penha

"Palavras Cruzadas"

Comprei um livro
Para cruzar as palavras
Nada cruzei
Pois lápis não tinha...
Caneta também não
Mas querias as cruzar
Chateada fiquei
Fui dar um passeio
Pelo Parque
À beira Mar estacionei
Uma Gaivota poisou
Quando olhei
Ela levantou voo
Um lápis branco ali estava
Com borrachinha no topo
Impossível pensava eu
Estou a ver mal
Mas era um lápis
Muito bem afiado
Me esperando para pegar
Estava um nome escrito
Anita
Que estranho
Tudo indica que
Palavras tenho de cruzar
Palavras da minha vida
Palavras esvoaçam
Meu pensamento
Só a palavra amar
É impossível
De encontrar.

Miká Penha                                                                      14 Junho 2014

Foto: "A Dança Branca"

Rodeando a árvore mãe 
Mulheres lindas
Sedas e cetins
Á sua volta rodando
Todas de branco vestidas
Umas morenas
Outras ruivas ou loiras
Todas brilhando ao Sol
Com seus vestidos rodados
Cantam e riam
Tais ninfas brincando 
Girando à volta da árvore
Cantigas e cantilenas
Saboreando a brisa
Fazendo o espetador
Pensando que vai
Encontrar um amor
Mas a virtude
É o seu lar
Assim as virgens 
Vão brincando
Um dia escolherão
O seu par.

Miká Penha
"A Dança Branca"

Rodeando a árvore mãe
Mulheres lindas
Sedas e cetins
Á sua volta rodando...
Todas de branco vestidas
Umas morenas
Outras ruivas ou loiras
Todas brilhando ao Sol
Com seus vestidos rodados
Cantam e riam
Tais ninfas brincando
Girando à volta da árvore
Cantigas e cantilenas
Saboreando a brisa
Fazendo o espetador
Pensando que vai
Encontrar um amor
Mas a virtude
É o seu lar
Assim as virgens
Vão brincando
Um dia escolherão
O seu par.

Miká Penha                                                                            
13/06/2014

Foto: "Este sentir"

Um dia eu disse
Não suporto mais
Fugi de ti
Não te quis ver 
Não me voltei
Porque te amei
Não quis mais saber
Este meu sentir
Tem de acabar
Tenho de calar
Este grito
Que há em mim
Este desgosto
Que me desconforta
Este sentir 
Que me destrói
Não te quero 
Mais em mim
Quero viver sem ti
Quero amar
Quem me ame
Nunca mais 
Te quero sentir
Quero esquecer
Amar quem me ame
Ser de quem me quer
Quero amar novamente.

Miká Penha
"Este sentir"

Um dia eu disse
Não suporto mais
Fugi de ti
Não te quis ver ...
Não me voltei
Porque te amei
Não quis mais saber
Este meu sentir
Tem de acabar
Tenho de calar
Este grito
Que há em mim
Este desgosto
Que me desconforta
Este sentir
Que me destrói
Não te quero
Mais em mim
Quero viver sem ti
Quero amar
Quem me ame
Nunca mais
Te quero sentir
Quero esquecer
Amar quem me ame
Ser de quem me quer
Quero amar novamente.

Miká Penha                                                                  
13/06/2014

Foto: "Quem me encanta?"

Quem me encanta
Neste desencanto
Neste sonho
Desalentado
Onde está meu amado?
Não me encontra
Perdida neste fim
Começando sozinha
Pensando em ti
Quem és tu?
Onde estás?
Perdeste-te de mim
Não me encontras
Estou aqui
Esperando por ti
Vem me alentar
Pois estou pronta
A te amar.

Miká Penha
"Quem me encanta?"

Quem me encanta
Neste desencanto
Neste sonho
Desalentado...
Onde está meu amado?
Não me encontra
Perdida neste fim
Começando sozinha
Pensando em ti
Quem és tu?
Onde estás?
Perdeste-te de mim
Não me encontras
Estou aqui
Esperando por ti
Vem me alentar
Pois estou pronta
A te amar.

Miká Penha                                                          
13/06/2014

Foto: "Leva-me contigo"

Que esperas 
Para me levar
Roubares-me 
Dos meus aposentos
Levares-me contigo
Para me amares
Para sempre
Ficarmos lado a lado
Ouvindo minha respiração
E eu sentindo tua palpitação
Meto-te em frenesim
Pegas-me ao colo
Levas-me contigo
Para onde?
Isso não me interessa
Só quero te amar
Que me sintas
No teu sentir
Quero-te em mim
E tu queres-me em ti
Será suficiente?

Miká Penha
"Leva-me contigo"

Que esperas
Para me levar
Roubares-me
Dos meus aposentos...
Levares-me contigo
Para me amares
Para sempre
Ficarmos lado a lado
Ouvindo minha respiração
E eu sentindo tua palpitação
Meto-te em frenesim
Pegas-me ao colo
Levas-me contigo
Para onde?
Isso não me interessa
Só quero te amar
Que me sintas
No teu sentir
Quero-te em mim
E tu queres-me em ti
Será suficiente?

Miká Penha                                                              
13/06/2014

Foto: "Chuva que me afaga"

Chuva é afago
Minhas lágrimas
Ela lava
Espero alguém
Que me oiça
Meu grito
Que me ajude
A passar esta fase
Que me acaricie
Que me mime
Que afaste este pesar
Deste não amar
Que me consome
Espero 
No meio da estrada
Desta vida sobrante
Alguém que me ajude
A encontrar o caminho
Me sinto perdida
Sem ser amada

Miká Penha
"Chuva que me afaga"

Chuva é afago
Minhas lágrimas
Ela lava
Espero alguém...
Que me oiça
Meu grito
Que me ajude
A passar esta fase
Que me acaricie
Que me mime
Que afaste este pesar
Deste não amar
Que me consome
Espero
No meio da estrada
Desta vida sobrante
Alguém que me ajude
A encontrar o caminho
Me sinto perdida
Sem ser amada

Miká Penha                                                                                  
13/06/2014
Foto: "Aqui e Agora"

Preciso de ti
Aqui e agora
Quero o teu abraço
Quero teu carinho
Aqui e agora
Saudades de ti
Saudades de mim
Saudades do prazer
Que não me dás
Aqui e agora
Espera por mim
Não te vás embora
Apanha a boleia
Nesta caminhada
Pois se a perderes
Perdes-me
Aqui e agora.

Miká Penha
"Aqui e Agora"

Preciso de ti
Aqui e agora
Quero o teu abraço
Quero teu carinho...
Aqui e agora
Saudades de ti
Saudades de mim
Saudades do prazer
Que não me dás
Aqui e agora
Espera por mim
Não te vás embora
Apanha a boleia
Nesta caminhada
Pois se a perderes
Perdes-me
Aqui e agora.

Miká Penha                                                                                   
13/06/2014
Foto: "Oração a Ti"

A ti entrego esta dor
Este pavor dentro de mim
Esta agonia que me faz sofrer
Que me embala atrozmente
Não quero entender
Quero somente
Que me ames
Também sou tua filha
Filha de Maria
Irmã de Jesus,
Por isso meu Deus
Me leva contigo
Deste mundo
Onde nada faço
Entrego-me em tuas mãos
Meu dever está cumprido
Já nada faço aqui
Retira-me esta agonia
Neste mar 
Que me afronta
Que me chama
A todo o momento
Tira-me deste tormento.

Miká Penha
"Oração a Ti"

A ti entrego esta dor
Este pavor dentro de mim
Esta agonia que me faz sofrer
Que me embala atrozmente...
Não quero entender
Quero somente
Que me ames
Também sou tua filha
Filha de Maria
Irmã de Jesus,
Por isso meu Deus
Me leva contigo
Deste mundo
Onde nada faço
Entrego-me em tuas mãos
Meu dever está cumprido
Já nada faço aqui
Retira-me esta agonia
Neste mar
Que me afronta
Que me chama
A todo o momento
Tira-me deste tormento.

Miká Penha                                                                      
13/06/2014

Foto: “Anjo Negro”

Minha sina
É a solidão
Escondida 
Do mundo 
Que me trai
Sozinha
Me sinto bem
Do grito que sai
Talvez nada tem
Coração
Empedrenado
Tal corvo necrófago
De plumagem negra
Rejo-me
Pelas migalhas
De amor
Que apanho
Migalhas velhas
E secas
Perto do apodrecimento
Assim meu coração
Apodrece
No vazio
Da solidão

Miká Penha
“Anjo Negro”

Minha sina
É a solidão
Escondida
Do mundo ...
Que me trai
Sozinha
Me sinto bem
Do grito que sai
Talvez nada tem
Coração
Empedrenado
Tal corvo necrófago
De plumagem negra
Rejo-me
Pelas migalhas
De amor
Que apanho
Migalhas velhas
E secas
Perto do apodrecimento
Assim meu coração
Apodrece
No vazio
Da solidão

Miká Penha                                                                            
13/06/2014
Foto: Dia de Santo António

Não era hoje o dia?
Meu Santo Popular
Que me ias trazer uma prenda
Um namorado arrojado
Pois só mesmo assim me suportaria
Sei que sou difícil
Mas não assim tanto
Entre tanto homens
Não me encontraste um
Então porque te chamam
De Santo Casamenteiro
Prometeste 
Não cumpriste
Mentiroso tu és
Rezei a ti
E meti uma velinha
E cinco tostões
E nada fizeste
Aqui estou sozinha
No fim do mundo
Longe de tudo
E de todos
Só um milagre seria
E não o quiseste fazer
Será que eu não o merecia?

Miká Penha
"Dia de Santo António"

Não era hoje o dia?
Meu Santo Popular
Que me ias trazer uma prenda
Um namorado arrojado...
Pois só mesmo assim me suportaria
Sei que sou difícil
Mas não assim tanto
Entre tanto homens
Não me encontraste um
Então porque te chamam
De Santo Casamenteiro
Prometeste
Não cumpriste
Mentiroso tu és
Rezei a ti
E meti uma velinha
E cinco tostões
E nada fizeste
Aqui estou sozinha
No fim do mundo
Longe de tudo
E de todos
Só um milagre seria
E não o quiseste fazer
Será que eu não o merecia?

Miká Penha                                                        
13/06/2014

Foto: Quem és?

Quem és?
Quem serás?
De onde vens?
Que cor de pele tens?
Tantas perguntas
E nenhumas respostas
E eu imagino
Penso 
E sorrio
Imagino tuas mãos
Enlaçadas nas minhas
Imagino teu sorriso aberto
Procurando meus lábios
Imagino tua língua fresca
Perdida em mim
Imagino teu olhar 
Quente
Lânguido
Imagino tuas mãos 
Ávidas de mim
Tuas pernas
Se cruzam 
Com as minhas
Teu peito 
Se encosta ao meu
Oh como te imagino
Imagino que
Imaginas
Que sou tua
Mas imaginas bem
Porque não serei 
De mais ninguém
Mas sinto algo estranho
E abri os olhos
Era somente 
A neblina 
E a espuma 
Das ondas
Aqui sentada
Nas escarpas 
De Peniche
Que me envolvem
E com frio
Espero por ti

Miká Penha
"Quem és?"

Quem és?
Quem serás?
De onde vens?
Que cor de pele tens?...
Tantas perguntas
E nenhumas respostas
E eu imagino
Penso
E sorrio
Imagino tuas mãos
Enlaçadas nas minhas
Imagino teu sorriso aberto
Procurando meus lábios
Imagino tua língua fresca
Perdida em mim
Imagino teu olhar
Quente
Lânguido
Imagino tuas mãos
Ávidas de mim
Tuas pernas
Se cruzam
Com as minhas
Teu peito
Se encosta ao meu
Oh como te imagino
Imagino que
Imaginas
Que sou tua
Mas imaginas bem
Porque não serei
De mais ninguém
Mas sinto algo estranho
E abri os olhos
Era somente
A neblina
E a espuma
Das ondas
Aqui sentada
Nas escarpas
De Peniche
Que me envolvem
E com frio
Espero por ti

Miká Penha                                                                    
11/06/2014
Foto: "Fado da Lagoa de Óbidos"

Quando a tristeza
Se me arrebata
Eu canto o fado
Ela de amores me mata
Ele é por mim amado
Esta Lagoa dos meus encantos
Dos desejos desejados
Das mágoas me lava
Nas suas águas encantadas
Entro num banho delicioso
Mas logo o atrevido
Me pega nas mãos
Me fazendo bailar
Nestas águas azuis mar
Tento cantar o fado
Mas sua boca não me deixa
É bom amar e ser amado
Nesta paixão silenciosa
Este brasileiro deixa-me ciosa
Me faz sentir apetitosa
Mas o fado não se canta
Neste bailado atrevido
Que às sereias encanta
Este príncipe fadado
Que agora lhe vou
Ensinar o fado
Na Lagoa encantada
Meu fado é cantado
A dois pois então
Sentindo o bater 
Do coração.

Miká Penha
@ direitos reservados.
"Fado da Lagoa de Óbidos"

Quando a tristeza
Se me arrebata
Eu canto o fado
Ela de amores me mata...
Ele é por mim amado
Esta Lagoa dos meus encantos
Dos desejos desejados
Das mágoas me lava
Nas suas águas encantadas
Entro num banho delicioso
Mas logo o atrevido
Me pega nas mãos
Me fazendo bailar
Nestas águas azuis mar
Tento cantar o fado
Mas sua boca não me deixa
É bom amar e ser amado
Nesta paixão silenciosa
Este brasileiro deixa-me ciosa
Me faz sentir apetitosa
Mas o fado não se canta
Neste bailado atrevido
Que às sereias encanta
Este príncipe fadado
Que agora lhe vou
Ensinar o fado
Na Lagoa encantada
Meu fado é cantado
A dois pois então
Sentindo o bater
Do coração.

Miká Penha                                                    
09/06/2014

Foto: "Fado Branco"

Aqui o fado 
Veste-se de branco
Regado e bem humorado
Suas vestes são ousadas
À beira da Lagoa dançando
Sensualidade atrevida
Desejo concebido
De traje vestido
Dançando a Rumba
Ou picando no Samba
Passando pelo quizomba
Dança igual nunca vi
Cantado o fado a compasso
Numa dança mágica
O vestido flutuando na água
Molhados até às entranhas
Mas que dança mais estranha
Ao som do fado cantado
De branco vestido
Toca a guitarra portuguesa
Trovando o tambor brasileiro
Mistura-se os corpos dançando
Como dançando a capoeira
Rodando em Maracatu
Vem o Frevo, o Baião 
Mais a Catira
Despois se junta a Quadrilha
De branco vestidos
Todos dançamos
Este Fado está complicando
Com tantas danças sensuais
Escalda os pés o parceiro
Canta o Fado misturado
Dançando o fandango
A dança de roda 
A valsa de dois passos 
A chotiça e o corridinho
O vira e o verde-gaio
Aqui o fado 
Veste-se de branco
Regado e bem humorado
De um Luso descendente
Dançando atrevidamente
Acabamos com um tango
Este fado regado 
De um vinho branco
Abafado

Miká Penha
@ Direitos de Reservados
"Fado Branco"

Aqui o fado
Veste-se de branco
Regado e bem humorado
Suas vestes são ousadas...
À beira da Lagoa dançando
Sensualidade atrevida
Desejo concebido
De traje vestido
Dançando a Rumba
Ou picando no Samba
Passando pelo quizomba
Dança igual nunca vi
Cantado o fado a compasso
Numa dança mágica
O vestido flutuando na água
Molhados até às entranhas
Mas que dança mais estranha
Ao som do fado cantado
De branco vestido
Toca a guitarra portuguesa
Trovando o tambor brasileiro
Mistura-se os corpos dançando
Como dançando a capoeira
Rodando em Maracatu
Vem o Frevo, o Baião
Mais a Catira
Despois se junta a Quadrilha
De branco vestidos
Todos dançamos
Este Fado está complicando
Com tantas danças sensuais
Escalda os pés o parceiro
Canta o Fado misturado
Dançando o fandango
A dança de roda
A valsa de dois passos
A chotiça e o corridinho
O vira e o verde-gaio
Aqui o fado
Veste-se de branco
Regado e bem humorado
De um Luso descendente
Dançando atrevidamente
Acabamos com um tango
Este fado regado
De um vinho branco
Abafado

Miká Penha                                                                  
09/06/2014

Foto: "O Fado sou eu"

Se a tristeza encanta o fado
Eu sou assim
Mesmo aqui mora a saudade
Quando meto o xaile
Calço as socas pretas
Trauteando uma música
Mesmo em jeito de canção
Saltando nas pedras da calçada
Eu sou assim
A tristeza mora em mim
Pois o fado sou eu
Canto na praceta
Encostada ao candeeiro
Cai uma lágrima no meu rosto
Eu sou assim
A tristeza mora em mim
Quando o fado me encontra
Caminhamos lado a lado
Vamos até ao mercado
Trauteando essa musica
O fado se vai entoando
Pois eu sou assim
A tristeza mora em mim
A saudade não destoa
Da canção de Lisboa
Vivo agora nas Caldas
Mesmo ao lado da Rainha
Passo os dias no parque
Pois a dor magoa
Aplacando esta doença
Do amor não correspondido
Vou até à Lagoa de Óbidos
Pois a saudade não perdoa
Faz-nos andar mórbidos
Pois eu sou assim
A tristeza mora em mim
Ainda nada se perdeu
Pois o fado sou eu

Miká Penha
@ Direitos Reservados
"O Fado sou eu"

Se a tristeza encanta o fado
Eu sou assim
Mesmo aqui mora a saudade
Quando meto o xaile...
Calço as socas pretas
Trauteando uma música
Mesmo em jeito de canção
Saltando nas pedras da calçada
Eu sou assim
A tristeza mora em mim
Pois o fado sou eu
Canto na praceta
Encostada ao candeeiro
Cai uma lágrima no meu rosto
Eu sou assim
A tristeza mora em mim
Quando o fado me encontra
Caminhamos lado a lado
Vamos até ao mercado
Trauteando essa musica
O fado se vai entoando
Pois eu sou assim
A tristeza mora em mim
A saudade não destoa
Da canção de Lisboa
Vivo agora nas Caldas
Mesmo ao lado da Rainha
Passo os dias no parque
Pois a dor magoa
Aplacando esta doença
Do amor não correspondido
Vou até à Lagoa de Óbidos
Pois a saudade não perdoa
Faz-nos andar mórbidos
Pois eu sou assim
A tristeza mora em mim
Ainda nada se perdeu
Pois o fado sou eu

Miká Penha                                                                             
09/06/2014
Foto: "Fado à mesa"

O Fado à minha mesa
Vem de tinto regado
Com chouriço e caldo verde
Sentem-se todos a meu lado
Vamos cantar este fado
Que o fado não é só de Lisboa
É canção cantada lado a lado
No Algarve, no Minho
Ou na Madragoa
Venham de lá comigo
Cantá-lo afinadinho
Antes que venha o sr.vinho
Estragar a noite ao vizinho
O fado não é só de Lisboa
Em todo o lado 
É cantado com carinho
Em Trás-os-Montes
Ou no Alentejo
Passando pelas 
Caldas da Rainha
Aí entra o Zé Povinho 
Todo mansinho
Tira o Coelho da cartola
Arregaça as mangas
E venha de lá um manguito
Que este povo 
Está cheio de guito
Bebam lá o sr. vinho
Que este fado é cá dos meus
E vão lá chamar o vizinho
Para emborcar
Um copo de três
Pois que o Fado
É de todo o Portugal.

Miká Penha
@ direitos reservados
"Fado à mesa"

O Fado à minha mesa
Vem de tinto regado
Com chouriço e caldo verde
Sentem-se todos a meu lado...
Vamos cantar este fado
Que o fado não é só de Lisboa
É canção cantada lado a lado
No Algarve, no Minho
Ou na Madragoa
Venham de lá comigo
Cantá-lo afinadinho
Antes que venha o sr.vinho
Estragar a noite ao vizinho
O fado não é só de Lisboa
Em todo o lado
É cantado com carinho
Em Trás-os-Montes
Ou no Alentejo
Passando pelas
Caldas da Rainha
Aí entra o Zé Povinho
Todo mansinho
Tira o Coelho da cartola
Arregaça as mangas
E venha de lá um manguito
Que este povo
Está cheio de guito
Bebam lá o sr. vinho
Que este fado é cá dos meus
E vão lá chamar o vizinho
Para emborcar
Um copo de três
Pois que o Fado
É de todo o Portugal.

Miká Penha                                                                 
09/06/2014

Foto: "Fogo em mim"

Quando chego às tuas águas
Sinto a brisa marinha
Vejo as bateiras a passar
Espero a tua barquinha
Este sentimento de amar
Destrói meu coração
Pega fogo na minha alma
Eu ardo de paixão
Mas o fogo me consome
Este fervor latente
Que me assome
E me faz ficar quente
Entro nas tuas águas
Sinto tuas mãos 
Procurarem minhas mágoas
Limparem minhas lágrimas
Este fogo que há em mim
Destrói meu coração
Sinto todo o meu ser
Vibrar de emoção
Me lembro teu beijo
Entrando em mim
Oh sim, como te desejo
Pecado meu enfim
Arde este fogo
Fogo que há em mim.

Miká Penha
"Fogo em mim"

Quando chego às tuas águas
Sinto a brisa marinha
Vejo as bateiras a passar
Espero a tua barquinha...
Este sentimento de amar
Destrói meu coração
Pega fogo na minha alma
Eu ardo de paixão
Mas o fogo me consome
Este fervor latente
Que me assome
E me faz ficar quente
Entro nas tuas águas
Sinto tuas mãos
Procurarem minhas mágoas
Limparem minhas lágrimas
Este fogo que há em mim
Destrói meu coração
Sinto todo o meu ser
Vibrar de emoção
Me lembro teu beijo
Entrando em mim
Oh sim, como te desejo
Pecado meu enfim
Arde este fogo
Fogo que há em mim.

Miká Penha                                                                          
09/06/2014
Foto: "Meu cavalo mágico"

Olho para o céu
Vejo nuvens
Formando desenhos
Oiço um trautear
Mas nada vejo 
A neblina 
Está a concentrar-se
No meio da Lagoa
Olho bem e nem quero acreditar
Vejo dois cavalos brancos
O da frente bate as patas
Fazendo trauteio
Para me pegar
Me querendo dar boleia
"Espera cavalinho
aceito ir contigo"
Entro na água
Para a boleia pegar
A água está tão fria
Gelando meu sangue
Afundando meu corpo
Então consegui chegar
Pego boleia nele
E num trautear mágico
Eleva-se nos seus céus
A lagoa fica pequenina
Cada vez mais longe
Enfim livrei-me
Deste amor
Que não sabe amar.

Miká Penha
"Meu cavalo mágico"

Olho para o céu
Vejo nuvens
Formando desenhos
Oiço um trautear...
Mas nada vejo
A neblina
Está a concentrar-se
No meio da Lagoa
Olho bem e nem quero acreditar
Vejo dois cavalos brancos
O da frente bate as patas
Fazendo trauteio
Para me pegar
Me querendo dar boleia
"Espera cavalinho
aceito ir contigo"
Entro na água
Para a boleia pegar
A água está tão fria
Gelando meu sangue
Afundando meu corpo
Então consegui chegar
Pego boleia nele
E num trautear mágico
Eleva-se nos seus céus
A lagoa fica pequenina
Cada vez mais longe
Enfim livrei-me
Deste amor
Que não sabe amar.

Miká Penha                                                                      
08/06/2014
Foto: "Quero-te encontrar"

Quero-te encontrar
Nem que seja no céu
Mas não te procuro
Será um encontro casual
Só para te ver
Nesta data anual
Onde te encontrava
Por prazer
Agora me sinto morrer
Oh como eu te amava
Não quero te encontrar
Para te voltar a amar
Quero só te ver
E me castigar
Será minha penitência
De não te ter
Tenho de ter paciência
Esperar pelo meu dia
Nesta Lagoa que amo
Só quero morrer

Miká Penha
"Quero-te encontrar"

Quero-te encontrar
Nem que seja no céu
Mas não te procuro
Será um encontro casual...
Só para te ver
Nesta data anual
Onde te encontrava
Por prazer
Agora me sinto morrer
Oh como eu te amava
Não quero te encontrar
Para te voltar a amar
Quero só te ver
E me castigar
Será minha penitência
De não te ter
Tenho de ter paciência
Esperar pelo meu dia
Nesta Lagoa que amo
Só quero morrer

Miká Penha                                                                 
08/06/2014

Foto: "Poeta de 200"

Sou poeta fraquinho
Poucos membros tenho
Só duzentos coitadinho
Assim me abstenho

Um dia sonharei
Ter 20.000 membros
Será que ficarei Rei?

Qual Poeta indigno
Que é tão enfatuado
Assim eu designo
Vou ficar amuado

A pagina dele é importante
Os livros dele estão comedidos
E a minha é inconstante
Mas meus livros estão vendidos

Miká Penha
"Poeta de 200"

Sou poeta fraquinho
Poucos membros tenho
Só duzentos coitadinho
Assim me abstenho...

Um dia sonharei
Ter 20.000 membros
Será que ficarei Rei?

Qual Poeta indigno
Que é tão enfatuado
Assim eu designo
Vou ficar amuado

A pagina dele é importante
Os livros dele estão comedidos
E a minha é inconstante
Mas meus livros estão vendidos

Miká Penha                                                                      
08/06/2014

Foto: "Sem graça"

Tudo parece sem graça
Quando te procuro em redor
Hoje fui jantar à Lagoa
Fui acompanhada
Mas tudo me fazia lembrar
O nossos Verões
Amores de Verão são assim
Traiçoeiros e enganadores
Que faço agora?
Onde poderei estar
Que não me lembre 
Este meu amor?
Te peço
Te suplico 
Sai da minha cabeça
O mar me lembra
Os nossos passeios
A apanhar as 
Pedrinhas Carinhosas
Me lembro das 
Garrafinhas Poéticas
Eventos que fiz
Para te tentar
Exorcizar da minha mente
Quando puxaste 
O barco branco
Por toda a Lagoa
Comigo lá dentro
Não me deixavas sair
Parecia uma princesa
A ser puxada por um cavalheiro
As pessoas metiam-se 
Em pé a bater palmas
Como me vou esquecer disto?
Tudo parece tão sem graça.
Quero te esquecer.

Miká Penha
"Sem graça"

Tudo parece sem graça
Quando te procuro em redor
Hoje fui jantar à Lagoa
Fui acompanhada...
Mas tudo me fazia lembrar
O nossos Verões
Amores de Verão são assim
Traiçoeiros e enganadores
Que faço agora?
Onde poderei estar
Que não me lembre
Este meu amor?
Te peço
Te suplico
Sai da minha cabeça
O mar me lembra
Os nossos passeios
A apanhar as
Pedrinhas Carinhosas
Me lembro das
Garrafinhas Poéticas
Eventos que fiz
Para te tentar
Exorcizar da minha mente
Quando puxaste
O barco branco
Por toda a Lagoa
Comigo lá dentro
Não me deixavas sair
Parecia uma princesa
A ser puxada por um cavalheiro
As pessoas metiam-se
Em pé a bater palmas
Como me vou esquecer disto?
Tudo parece tão sem graça.
Quero te esquecer.

Miká Penha                                                                          
08/06/2014

Foto: "Sereias da Lagoa"

Pescador da bateira
Tem cuidado com elas
Traiçoeiras as sereias
Com seus cânticos melodiosos
Vão enganando o incauto
Pescador desatento
Lança a rede pescador
Sente o cardume vibrar
Mas as sereias atentas
Continuam a cantar
A chamar por ti pescador
Te juram p'ra sempre amor
Não te deixes levar 
Para promessas de amar
Oh pescador da Lagoa
Tem cautela pescador
Que tua desatenção
Será a morte de coração
E te embalarão até ao mar
Para a bateira voar
Nas cristas das ondas
Elas querem te afundar
Pescador da bateira
Não saias das águas
Pela a Aberta da Lagoa
Pois o amor espreita
Com promessas de encantar
Nas suas palavras de amar
Há a morte que espreita
Tem cautela pescador

Miká Penha
"Sereias da Lagoa"

Pescador da bateira
Tem cuidado com elas
Traiçoeiras as sereias
Com seus cânticos melodiosos...
Vão enganando o incauto
Pescador desatento
Lança a rede pescador
Sente o cardume vibrar
Mas as sereias atentas
Continuam a cantar
A chamar por ti pescador
Te juram p'ra sempre amor
Não te deixes levar
Para promessas de amar
Oh pescador da Lagoa
Tem cautela pescador
Que tua desatenção
Será a morte de coração
E te embalarão até ao mar
Para a bateira voar
Nas cristas das ondas
Elas querem te afundar
Pescador da bateira
Não saias das águas
Pela a Aberta da Lagoa
Pois o amor espreita
Com promessas de encantar
Nas suas palavras de amar
Há a morte que espreita
Tem cautela pescador

Miká Penha                                                                                   
07/06/2014
Foto: "À minha procura?"

Andas à minha procura?
Para quê se me perdeste?
Deixaste-me fugir de ti
Não olhei para trás
Mas esperava
Que me chamasses
E não o fizeste
Não retrocedeste
Querias relações 
Passageiras?
Aí tens agora
Todo o tempo 
E esse tempo 
Vai-te sair caro
Vai-te doer um dia
Amores verdadeiros
Não se podem deixar fugir
Amores verdadeiros
Desistem de lutar
Pois desistir é amor
Pois numa luta inglória
Ninguém quer estar
Faz sofrer e magoa
Quando estiveres
Velho e cansado
As portas se te fecharão
E tu sucumbirás 
Sozinho perdido
Neste mundo
Pois deixaste fugir
O amor verdadeiro.

Miká Penha
"À minha procura?"

Andas à minha procura?
Para quê se me perdeste?
Deixaste-me fugir de ti
Não olhei para trás...
Mas esperava
Que me chamasses
E não o fizeste
Não retrocedeste
Querias relações
Passageiras?
Aí tens agora
Todo o tempo
E esse tempo
Vai-te sair caro
Vai-te doer um dia
Amores verdadeiros
Não se podem deixar fugir
Amores verdadeiros
Desistem de lutar
Pois desistir é amor
Pois numa luta inglória
Ninguém quer estar
Faz sofrer e magoa
Quando estiveres
Velho e cansado
As portas se te fecharão
E tu sucumbirás
Sozinho perdido
Neste mundo
Pois deixaste fugir
O amor verdadeiro.

Miká Penha                                                                   
07/06/2014

Foto: "A Chave do Amor"

Descobri, eureka
A Chave do Amor
Descobri a razão para viver
Tantas definições pode ter
Mas a chave é só uma
Vamos lá descobri-la
Se nos isolamos
Solidão
Se nos entristecemos
Choramos
Se nos acobardamos
Adoecemos
Então onde está
A chave do amor?
Na socialização
Sim está no convívio
Nas novas amizades
tenham olhos cor de mel
Ou olhos pretos
Azuis ou verdes
A amizade é a base
Assim se começa
No amor pelos amigos
Na estima
Na cumplicidade
Limamos todos os dias
Tudo se vai metendo no lugar
Encaixando esse carinho
Numa amizade é fundamental
Aí muitas vezes nasce o amor
Então porque nos isolemos
Nos entristecemos
Procuremos o amor
Onde ele pode estar
É nas amizades
Que está a chave
A Chave do Amor.

Miká Penha
"A Chave do Amor"

Descobri, eureka
A Chave do Amor
Descobri a razão para viver
Tantas definições pode ter...
Mas a chave é só uma
Vamos lá descobri-la
Se nos isolamos
Solidão
Se nos entristecemos
Choramos
Se nos acobardamos
Adoecemos
Então onde está
A chave do amor?
Na socialização
Sim está no convívio
Nas novas amizades
tenham olhos cor de mel
Ou olhos pretos
Azuis ou verdes
A amizade é a base
Assim se começa
No amor pelos amigos
Na estima
Na cumplicidade
Limamos todos os dias
Tudo se vai metendo no lugar
Encaixando esse carinho
Numa amizade é fundamental
Aí muitas vezes nasce o amor
Então porque nos isolemos
Nos entristecemos
Procuremos o amor
Onde ele pode estar
É nas amizades
Que está a chave
A Chave do Amor.

Miká Penha
07/06/2014

Foto: “Estou congelando”

Por favor 
Congelem-me no tempo
A serenidade se foi
Devia-a ter congelado
A maldição do teu amor
Me tem matado
Amor pecaminoso
Congelem-me
O coração que me dói
A fraqueza me sustenta
Congelem-me a alma
A carência do teu amor
Numa fraga me tornou
Maldito amor
Esburacaste um túnel
No meu coração
Congelem-me 
Meus sentimentos
Salvação
Que me rodeie
Que me salve
Deste amor doentio
Congelem-me

Miká Penha
“Estou congelando”

Por favor
Congelem-me no tempo
A serenidade se foi
Devia-a ter congelado...
A maldição do teu amor
Me tem matado
Amor pecaminoso
Congelem-me
O coração que me dói
A fraqueza me sustenta
Congelem-me a alma
A carência do teu amor
Numa fraga me tornou
Maldito amor
Esburacaste um túnel
No meu coração
Congelem-me
Meus sentimentos
Salvação
Que me rodeie
Que me salve
Deste amor doentio
Congelem-me

Miká Penha
05/06/2014

Foto: “Prendeste-me”

Prendeste-me a ti
Agarraste meu coração
Deslarga por favor
Deixa-me ir embora
Estou farta de te amar
De chorar na solidão
Quero fugir agora
Quero que outro me ame
Alguém que saiba amar
E acalentar minha dor
Meu desejo e fervor
Não quero te sentir em mim
Solta-me das tuas amarras
Da prisão onde me deixaste
Sinto-me afogar
Quando não te vejo
Encarceraste-me de ti
Sou prisioneira deste amor
Que me está a levar 
À exaustão do meu sentir
Não te quero mais amar
Deixa meu amor voar
Para outro amor encontrar
Pois se não me mereceste
Porque me prendeste?

Miká Penha
“Prendeste-me”

Prendeste-me a ti
Agarraste meu coração
Deslarga por favor
Deixa-me ir embora...
Estou farta de te amar
De chorar na solidão
Quero fugir agora
Quero que outro me ame
Alguém que saiba amar
E acalentar minha dor
Meu desejo e fervor
Não quero te sentir em mim
Solta-me das tuas amarras
Da prisão onde me deixaste
Sinto-me afogar
Quando não te vejo
Encarceraste-me de ti
Sou prisioneira deste amor
Que me está a levar
À exaustão do meu sentir
Não te quero mais amar
Deixa meu amor voar
Para outro amor encontrar
Pois se não me mereceste
Porque me prendeste?

Miká Penha
05/06/2014

Foto: “Amanhã de manhã”

Me prometa
Que amanhã de manhã
Ainda vai me amar…
É tudo o que eu quero
Um amanhã
A seguir a outro amanhã
Nos amando ternamente
Nos completando diariamente
No amanhã seguinte

A vida só assim se completará
Um amanhã após outro amanhã
Cruzando o dia com a noite
A semana com o mês
O ano com o século
E amanhã de manhã
Ainda me amarás?

Miká Penha
“Amanhã de manhã”

Me prometa
Que amanhã de manhã
Ainda vai me amar…
É tudo o que eu quero...
Um amanhã
A seguir a outro amanhã
Nos amando ternamente
Nos completando diariamente
No amanhã seguinte

A vida só assim se completará
Um amanhã após outro amanhã
Cruzando o dia com a noite
A semana com o mês
O ano com o século
E amanhã de manhã
Ainda me amarás?

Miká Penha
05/06/2014

Foto: “Boiando na Lagoa”

Adoro a Lagoa
Me deito sobre ela
Boiando e imaginando
Outra vida que não esta
Outro amanhecer diferente
Um amor em pleno
Um amor encantado
Um amor gentil
Um amor abençoado
Mas não eras nada disso
E lavando minhas lágrimas
Fico boiando nesta água salgada
Expulsando assim minha dor
Exaltando meus sentidos
Silencio absoluto
Um cardume se aproxima
Sinto um picar no corpo
Pareciam que queriam
Me levar com eles
Para o fundo azul
Deixei-me levar
Algo estava a acontecer
Não estava a boiar
Me estava a afogar
Senti a água me encher
Todos os meus órgãos
Os pulmões reclamaram
Mas o coração agradeceu
Só queria morrer
Uma bela sereia morena
Me pegou nos braços
E me trouxe ao de cima
Senti o sol aquecer meus lábios
Abri os olhos
Era o nadador salvador
Um belo homem jovem
Que muito atarefado
Me tentava acordar
Deste entorpecimento
Que me queria levar.

Miká Penha
“Boiando na Lagoa”

Adoro a Lagoa
Me deito sobre ela
Boiando e imaginando
Outra vida que não esta...
Outro amanhecer diferente
Um amor em pleno
Um amor encantado
Um amor gentil
Um amor abençoado
Mas não eras nada disso
E lavando minhas lágrimas
Fico boiando nesta água salgada
Expulsando assim minha dor
Exaltando meus sentidos
Silencio absoluto
Um cardume se aproxima
Sinto um picar no corpo
Pareciam que queriam
Me levar com eles
Para o fundo azul
Deixei-me levar
Algo estava a acontecer
Não estava a boiar
Me estava a afogar
Senti a água me encher
Todos os meus órgãos
Os pulmões reclamaram
Mas o coração agradeceu
Só queria morrer
Uma bela sereia morena
Me pegou nos braços
E me trouxe ao de cima
Senti o sol aquecer meus lábios
Abri os olhos
Era o nadador salvador
Um belo homem jovem
Que muito atarefado
Me tentava acordar
Deste entorpecimento
Que me queria levar.

Miká Penha
05/06/2014

Foto: “Mulher de Vermelho”

De vermelho me visto
Saltando pelos campos
No meio das papoilas
Cor de todos os corações
Que me rodeiam
Só o teu não deve ser
Pois és frio e calculista
És bruto até mais não
Será que tens coração?
Esqueceste o amor
Já não sabes o que é
Não tens compaixão
Vives que nem um cão
Sozinho e amargo
Fingindo que amas
Quem te apaparica
Ou quem te ama
Pois fingimento é teu forte
Só queres companhia
Para não estares sozinho
Mas não consegues manter
O que não existe
E depressa ela apercebe
E foge de ti

Miká Penha
“Mulher de Vermelho”

De vermelho me visto
Saltando pelos campos
No meio das papoilas
Cor de todos os corações...
Que me rodeiam
Só o teu não deve ser
Pois és frio e calculista
És bruto até mais não
Será que tens coração?
Esqueceste o amor
Já não sabes o que é
Não tens compaixão
Vives que nem um cão
Sozinho e amargo
Fingindo que amas
Quem te apaparica
Ou quem te ama
Pois fingimento é teu forte
Só queres companhia
Para não estares sozinho
Mas não consegues manter
O que não existe
E depressa ela apercebe
E foge de ti

Miká Penha
05/06/2014

Foto: “Rosa Branca”

Deixei-te uma rosa branca
À borda da Lagoa
Mas tu por ela passaste
E sem nem sequer a veres
A andar a pisaste
Não tinha espinhos
Por isso não te picaste
Pois meu coração 
É feito de amor
O amor que não mereces
Nem nunca tiveste
Podias a ter apanhado
Até cheirado
E terias sentido meu cheiro
O sentido olfactivo
Das nossas noites
Ternurosas de amor
Eu te deixei na rosa
O meu perfume
Mas pisaste 
E a rosa morreu.

Miká Penha
“Rosa Branca”

Deixei-te uma rosa branca
À borda da Lagoa
Mas tu por ela passaste
E sem nem sequer a veres...
A andar a pisaste
Não tinha espinhos
Por isso não te picaste
Pois meu coração
É feito de amor
O amor que não mereces
Nem nunca tiveste
Podias a ter apanhado
Até cheirado
E terias sentido meu cheiro
O sentido olfactivo
Das nossas noites
Ternurosas de amor
Eu te deixei na rosa
O meu perfume
Mas pisaste
E a rosa morreu.

Miká Penha
05/06/2014

Foto: "Baú dos Segredos"

Abri meu Baú
E lá me encontrei
Escondida e nua
E logo me deparei
Com a carta tua
Chorei de ver tua letra
Das recordações
Foste simplesmente 
Um penetra
Que na minha vida entrou
E tudo estragou
Divaguei na minha mente
Tudo o que tinha passado
Foste um fracassado
Um cobarde talvez
Pois perdeste tua altivez
Eu não merecia tua cobardia
Quase me deu uma taquicardia
Quando do nosso amor desististe
E assim tu sumiste
Fiquei fechada nesse baú
Lutando sozinha
Criando nossos filhos
Que já são adultos
E quase nem os conheces
O meu amor sempre persistiu
Mas o teu amor faliu
Em tudo o que pegaste
Tu próprio arrasaste
Sê feliz, é o mal que te desejo
Em tudo tenho o ensejo
De ser feliz também
Um dia conhecerei alguém
Que fará o que não fizeste
E esse alguém amarei
Nunca no entanto te esquecerei
Pois meus filhos me deste
Maior amor não posso ter
Mas quero ser feliz
Tuas cartas arrumar
Para um dia eu amar.

Miká Penha
"Baú dos Segredos"

Abri meu Baú
E lá me encontrei
Escondida e nua
E logo me deparei...
Com a carta tua
Chorei de ver tua letra
Das recordações
Foste simplesmente
Um penetra
Que na minha vida entrou
E tudo estragou
Divaguei na minha mente
Tudo o que tinha passado
Foste um fracassado
Um cobarde talvez
Pois perdeste tua altivez
Eu não merecia tua cobardia
Quase me deu uma taquicardia
Quando do nosso amor desististe
E assim tu sumiste
Fiquei fechada nesse baú
Lutando sozinha
Criando nossos filhos
Que já são adultos
E quase nem os conheces
O meu amor sempre persistiu
Mas o teu amor faliu
Em tudo o que pegaste
Tu próprio arrasaste
Sê feliz, é o mal que te desejo
Em tudo tenho o ensejo
De ser feliz também
Um dia conhecerei alguém
Que fará o que não fizeste
E esse alguém amarei
Nunca no entanto te esquecerei
Pois meus filhos me deste
Maior amor não posso ter
Mas quero ser feliz
Tuas cartas arrumar
Para um dia eu amar.

Miká Penha
03/06/2014

Foto: “A minha Burka”

A minha Burka me aprisiona
Não me deixa respirar
É feita da dor
De não te poder amar

Feita de seda azul
Igual à cor do mar
Onde minhas lágrimas
Se vão afundar

Feita de seda azul
Igual à cor do céu
Onde meu olhar
Se perde no véu

Minha Burka me protege
Me esconde de ti
Me esconde de mim
Assim meu olhar te esquece

Meus sentidos encarcerados
Na Burka que há em mim
Para deixar de pensar em ti
Nestes sonhos tão errados

Miká Penha
“A minha Burka”

A minha Burka me aprisiona
Não me deixa respirar
É feita da dor
De não te poder amar...

Feita de seda azul
Igual à cor do mar
Onde minhas lágrimas
Se vão afundar

Feita de seda azul
Igual à cor do céu
Onde meu olhar
Se perde no véu

Minha Burka me protege
Me esconde de ti
Me esconde de mim
Assim meu olhar te esquece

Meus sentidos encarcerados
Na Burka que há em mim
Para deixar de pensar em ti
Nestes sonhos tão errados

Miká Penha
02/06/2014

Foto: “Minhas fases”

Tenho fases como a Lua
Fases de andar a chorar
Fases de me irritar
Fases de neurose
Fases de irritação
Outras de partir o coração
Fases de chingar
Outras de calmaria
Fases de meditação
Outras de inquietação
Nunca tive a de gargalhar
Outras de solidão
Fases de amar
Agora estou em fase de não amar
Não me encontro com ninguém
Tenho estas fases todas como a Lua
Um dia alguém terá de ser meu
Mas não será o dia de ser sua
Pois nesse dia com a sorte que tenho
Estarei em casa fechada
Talvez a fazer este poema
Tu talvez estejas lá fora á minha procura
Não me encontrarás
E assim continuarei
Na fase de chorar
Na fase de implorar
Na fase de irritar
Na fase de solidão
Pois continuarei à espera
Que alguém encha meu coração.

Miká Penha
“Minhas fases”

Tenho fases como a Lua
Fases de andar a chorar
Fases de me irritar
Fases de neurose...
Fases de irritação
Outras de partir o coração
Fases de chingar
Outras de calmaria
Fases de meditação
Outras de inquietação
Nunca tive a de gargalhar
Outras de solidão
Fases de amar
Agora estou em fase de não amar
Não me encontro com ninguém
Tenho estas fases todas como a Lua
Um dia alguém terá de ser meu
Mas não será o dia de ser sua
Pois nesse dia com a sorte que tenho
Estarei em casa fechada
Talvez a fazer este poema
Tu talvez estejas lá fora á minha procura
Não me encontrarás
E assim continuarei
Na fase de chorar
Na fase de implorar
Na fase de irritar
Na fase de solidão
Pois continuarei à espera
Que alguém encha meu coração.

Miká Penha
02/06/2014

Foto: "Preconceito"

Todos diferentes, todos iguais
A diferença marca a posição
Não ligues ao que te chamam
Escuta sempre teu coração
Sempre existiu muitas cores
E por aí tanta religião
Vulgar ou invulgar
Eis então a questão
Afinal quem é
O preconceituoso então?
Será quem o chama é que o é?
Pois senão nem notaria
A verdadeira questão
Será então quem tem coração
Todos iguais, todos diferentes
Amar é uma bênção
Assim de repente
Quem se afastou 
Então do diferente?
Não noto preconceito
Na minha sociedade...
Fico feliz então
E com enorme satisfação
Que são todos iguais
E ninguém diferente.

Miká Penha
"Preconceito"

Todos diferentes, todos iguais
A diferença marca a posição
Não ligues ao que te chamam
Escuta sempre teu coração...
Sempre existiu muitas cores
E por aí tanta religião
Vulgar ou invulgar
Eis então a questão
Afinal quem é
O preconceituoso então?
Será quem o chama é que o é?
Pois senão nem notaria
A verdadeira questão
Será então quem tem coração
Todos iguais, todos diferentes
Amar é uma bênção
Assim de repente
Quem se afastou
Então do diferente?
Não noto preconceito
Na minha sociedade...
Fico feliz então
E com enorme satisfação
Que são todos iguais
E ninguém diferente.

Miká Penha
31/05/2014

Foto: “Baila que baila mulher”

Perfume no ar
Rodopia a saia rodada
O olfato se exalta
A visão se apruma
Sapatos pretos de verniz
A música ressoa 
Num trombar que ecoa
O trompete sobressai
Baila que baila donzela
Numa mulher te transformas
Eles te olham com atenções
Bate o pé na plataforma
Volta e volta, volta e meia
Vais quebrar muitos corações
Baila que baila 
Mulher te tornaste
Linda, bela e airosa
Parecendo uma flor viçosa
Como um botão de rosa
Baila que baila mulher
Deixa o rapaz te escolher
Para ser teu par
E talvez até casar.

Miká Penha
“Baila que baila mulher”

Perfume no ar
Rodopia a saia rodada
O olfato se exalta
A visão se apruma...
Sapatos pretos de verniz
A música ressoa
Num trombar que ecoa
O trompete sobressai
Baila que baila donzela
Numa mulher te transformas
Eles te olham com atenções
Bate o pé na plataforma
Volta e volta, volta e meia
Vais quebrar muitos corações
Baila que baila
Mulher te tornaste
Linda, bela e airosa
Parecendo uma flor viçosa
Como um botão de rosa
Baila que baila mulher
Deixa o rapaz te escolher
Para ser teu par
E talvez até casar.

Miká Penha
30/05/2014

Foto: “Quebrei a cara”

Quebro a cara na minha dor
Perco-me no meu saber
Esqueço-me de pensar
Em algo transcendente
Que me faça outros sonhos
Mas tu sempre lá estás
Voam os pássaros 
Á minha volta
Sonho em ti
E tu?
Não sonhas em mim
Te esqueceste que existo.
Espero alguém 
Que me tire deste sofrimento
Que me faça esquecer
Teu esquecimento
Eu ainda quero existir
Ainda quero sonhar
Viver um grande amor
Quero amar e ser amada
Estimar quem me quer
Querer quem me estima
Quero outra sina
Quero amar

Miká Penha
“Quebrei a cara”

Quebro a cara na minha dor
Perco-me no meu saber
Esqueço-me de pensar
Em algo transcendente...
Que me faça outros sonhos
Mas tu sempre lá estás
Voam os pássaros
Á minha volta
Sonho em ti
E tu?
Não sonhas em mim
Te esqueceste que existo.
Espero alguém
Que me tire deste sofrimento
Que me faça esquecer
Teu esquecimento
Eu ainda quero existir
Ainda quero sonhar
Viver um grande amor
Quero amar e ser amada
Estimar quem me quer
Querer quem me estima
Quero outra sina
Quero amar

Miká Penha
30/05/2014

Foto: “Céu ou Inferno”

Movam-se os céus
Também os Infernos
Pois tenho medo
Das coisas que vejo
Do que sinto e não sinto
Do que tenho e não tenho
Mudanças no clima
Consciência pesadas
Dos que fizeram
Dos que disseram
Dos que roubam
Cérebros cansados
Das mágoas da vida
Movam-se os céus
Tragam paz 
Aos nossos corações
Apaziguem a nossa alma
Desta dor desta mágoa
Deste cansaço matinal
O corpo não descansa
O sofrimento também não
Mova-se os céus 
Também os Infernos
Tragam-nos Paz

Miká Penha
“Céu ou Inferno”

Movam-se os céus
Também os Infernos
Pois tenho medo
Das coisas que vejo...
Do que sinto e não sinto
Do que tenho e não tenho
Mudanças no clima
Consciência pesadas
Dos que fizeram
Dos que disseram
Dos que roubam
Cérebros cansados
Das mágoas da vida
Movam-se os céus
Tragam paz
Aos nossos corações
Apaziguem a nossa alma
Desta dor desta mágoa
Deste cansaço matinal
O corpo não descansa
O sofrimento também não
Mova-se os céus
Também os Infernos
Tragam-nos Paz

Miká Penha
30/05/2014

Foto: "Mulher escrava ou animal"

Sou mulher
Mulher bendita ou maldita
Mulher dos céus ou dos infernos
Mulher libertina ou escravizada
Mas de pureza imaculada

Seu coração 
É uma porta aberta
Em que os estragos
Rompem sua voz
Mas escravizada nunca...

Mulher que seja mulher
É forte, corajosa
Mesmo de roupa andrajosa
Sua beleza pode se esvair
Mas nunca a perde
Pois seus olhos 
São o espelho da alma

Muitos a tratam como animal
Mas mulher que é mulher
Sabe dominar e vencer
Sabe mostrar o que vale
Nada lhe acontece de mal.

Miká Penha.
"Mulher escrava ou animal"

Sou mulher
Mulher bendita ou maldita
Mulher dos céus ou dos infernos
Mulher libertina ou escravizada...
Mas de pureza imaculada

Seu coração
É uma porta aberta
Em que os estragos
Rompem sua voz
Mas escravizada nunca...

Mulher que seja mulher
É forte, corajosa
Mesmo de roupa andrajosa
Sua beleza pode se esvair
Mas nunca a perde
Pois seus olhos
São o espelho da alma

Muitos a tratam como animal
Mas mulher que é mulher
Sabe dominar e vencer
Sabe mostrar o que vale
Nada lhe acontece de mal.

Miká Penha.
27/05/2014

Foto: Conselho da minha avó, quando cresci, linda moçoila: -

"Não sejas de quem te quer, mas sim de quem quiseres".

Miká Penha

@direitos de autor
Conselho da minha avó, quando cresci, linda moçoila: -

"Não sejas de quem te quer, mas sim de quem quiseres".

Miká Penha
Foto: "Hoje quero..."

Hoje quero 
Massagem de chocolate
Negro como eu
Como o que comi em Paris
Fino e delicado
Negro e crocante
Derreteu-o numa tigela
E as costas me esfregou
Aquele chocolate quente
Tão cheiroso
Tão saboroso
Uma delícia
Sua suavidade
Escorria pelo meu corpo
E a temperatura aumentava
Massajando minhas costas
E me atormentava
Pois o chocolate escorria
E o desejo aumentava
E já rapidamente antevia
Onde tudo acabava...

Miká Penha
"Hoje quero..."

Hoje quero
Massagem de chocolate
Negro como eu
Como o que comi em Paris...
Fino e delicado
Negro e crocante
Derreteu-o numa tigela
E as costas me esfregou
Aquele chocolate quente
Tão cheiroso
Tão saboroso
Uma delícia
Sua suavidade
Escorria pelo meu corpo
E a temperatura aumentava
Massajando minhas costas
E me atormentava
Pois o chocolate escorria
E o desejo aumentava
E já rapidamente antevia
Onde tudo acabava...

Miká Penha
26/05/2014

Foto: "Primeiros passos"

Com medo e receio
Em pé ficou olhando
Quem a mão lhe dava
Seu olhar negrito
Olhou de imediato
Para o mano Tito
Ele com olhar de pena
Esticou-lhe a mão
E ela insegura
Batendo seu coração
Apressada 
Abriu os braços
Esperançada com o irmão
Que era a pessoa 
Que melhor a seguraria
E não caísse no chão
Os adultos à volta riam
Da preferência da petiz
Os avós se sorriam
E ela ficou feliz.

Miká Penha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Primeiros passos"

Com medo e receio

Em pé ficou olhando
Quem a mão lhe dava
Seu olhar negrito...
Olhou de imediato
Para o mano Tito
Ele com olhar de pena
Esticou-lhe a mão
E ela insegura
Batendo seu coração
Apressada
Abriu os braços
Esperançada com o irmão
Que era a pessoa
Que melhor a seguraria
E não caísse no chão
Os adultos à volta riam
Da preferência da petiz
Os avós se sorriam
E ela ficou feliz.

Miká Penha
26/05/2014

Foto: "São Primas ou irmãs"

São primas
São irmãs
Meninas alvoraçadas
Espontânea idade
Alegria reina 
A infância partiu
Cada uma com seus sonhos
Uma de negro vestida
Outra de branco reluzente
Seus destinos foram cumprindo
A amizade é o meu alento
Vida agitada, outra vida calma
Os inversos se atraem
E o amor vai perdurando
Nas primas ou irmãs
A dor de família desunidas
Não abala sua união
Pois o que mais vale
É o que está dentro do coração
Uma loira outra morena
Mas iguais no amor
Que Deus vos mantenha assim
Amigas até à eternidade
A desunião é minha dor
O vosso carinho
É o meu amor.

Miká Penha
"São Primas ou irmãs"

São primas
São irmãs
Meninas alvoraçadas
Espontânea idade...
Alegria reina
A infância partiu
Cada uma com seus sonhos
Uma de negro vestida
Outra de branco reluzente
Seus destinos foram cumprindo
A amizade é o meu alento
Vida agitada, outra vida calma
Os inversos se atraem
E o amor vai perdurando
Nas primas ou irmãs
A dor de família desunidas
Não abala sua união
Pois o que mais vale
É o que está dentro do coração
Uma loira outra morena
Mas iguais no amor
Que Deus vos mantenha assim
Amigas até à eternidade
A desunião é minha dor
O vosso carinho
É o meu amor.

 Miká Penha
24/05/2014

Foto: "20 anos depois"

Vida amada
Época feliz
Princesa casada
Nada a faz infeliz

O sonho se dissipou 
Nas asas do vento
Ele abalou
Fiquei sem alento

A vida foi dura
Trabalho a dobrar
A vitória perdura
Os filhos a criar

Sozinha nesta vida
Vinte anos mais tarde
Passeio na avenida
Sem fazer alarde

Um dia terei
Quem a mão me dê
E não sei que farei
Numa realidade que se não vê

Quem me acompanha
É a minha sombra afinal
Sinto o frio da montanha
Neste passeio matinal

Miká Penha
"20 anos depois"

Vida amada
Época feliz
Princesa casada
Nada a faz infeliz...

O sonho se dissipou
Nas asas do vento
Ele abalou
Fiquei sem alento

A vida foi dura
Trabalho a dobrar
A vitória perdura
Os filhos a criar

Sozinha nesta vida
Vinte anos mais tarde
Passeio na avenida
Sem fazer alarde

Um dia terei
Quem a mão me dê
E não sei que farei
Numa realidade que se não vê

Quem me acompanha
É a minha sombra afinal
Sinto o frio da montanha
Neste passeio matinal

Miká Penha
24/05/2014
Foto: "Mariposa na Bateira"

Voando nos meus sonhos
Numa mariposa me tornei
Asas brancas celestiais
Numa bateira pousei
Entre sussurros e ais
Todos perguntam 
Quem é ela?
Deitada na bateira
Como quem faz amor 
Ou dormindo nela
A ondulação das ondas
Na Lagoa agora calma
Serenando meu desgosto
Aplacando minhas lágrimas
Já salgadas se transformam
Em cristais brilhando ao sol
Cristais salgados lapidados
Pelo meu desgosto de amor
Amor de Verão que faz sofrer
Nesta Lagoa de cor azul
Cor dum mar sem fim
Numa mariposa me transformei
Deambulando na Lagoa
Dormindo na Bateira
As gaivotas me guardam 
Meu sono transtornado
Numa mulher saudosa
Assim me tornei.

Miká Penha
"Mariposa na Bateira"

Voando nos meus sonhos
Numa mariposa me tornei
Asas brancas celestiais
Numa bateira pousei...
Entre sussurros e ais
Todos perguntam
Quem é ela?
Deitada na bateira
Como quem faz amor
Ou dormindo nela
A ondulação das ondas
Na Lagoa agora calma
Serenando meu desgosto
Aplacando minhas lágrimas
Já salgadas se transformam
Em cristais brilhando ao sol
Cristais salgados lapidados
Pelo meu desgosto de amor
Amor de Verão que faz sofrer
Nesta Lagoa de cor azul
Cor dum mar sem fim
Numa mariposa me transformei
Deambulando na Lagoa
Dormindo na Bateira
As gaivotas me guardam
Meu sono transtornado
Numa mulher saudosa
Assim me tornei.

Miká Penha
20/05/2014

Foto: "Erimita"

Sou diferente
Erimita talvez
Fechada em mim
A trovoada lá fora
Ela me apavora
Mas a carapinha 
Que pesada cai
Me encanta sim
Mas aqui já nada mora
Meu coração de pedra ficou
Nada nem ninguém o partirá
A dor ainda não abrandou
Nunca mais poderei amar
Assim fechada estou
Mas te aviso 
Que nada aqui restou
A trovoada se foi
E eu nunca voltarei a amar.

Miká Penha
"Erimita"

Sou diferente
Erimita talvez
Fechada em mim
A trovoada lá fora...
Ela me apavora
Mas a carapinha
Que pesada cai
Me encanta sim
Mas aqui já nada mora
Meu coração de pedra ficou
Nada nem ninguém o partirá
A dor ainda não abrandou
Nunca mais poderei amar
Assim fechada estou
Mas te aviso
Que nada aqui restou
A trovoada se foi
E eu nunca voltarei a amar.

Miká Penha
20/05/2014

Foto: "Encanto-me"

A água me encanta
Cobrindo todos os cantos 
Do meu corpo ansioso
Ela os preenche, os enche
Os amacia, me delicia
Ela me encanta 
Com sua maciez
Fazendo brilhar minha tez
Ela me faz sentir em ti
Como teu corpo o fazia
Me preenchia e me enchia
Ela me cobre como tu
Me suaviza a pele
Como tuas massagens
Profundas e noturnas
Amadas e amantes
Tuas mãos me pertenciam
Agora só
As minhas são minhas
Mas elas me deliciam
Como a água me encanta.

Miká Penha
"Encanto-me"

A água me encanta
Cobrindo todos os cantos
Do meu corpo ansioso
Ela os preenche, os enche
Os amacia, me delicia
Ela me encanta
Com sua maciez...
Fazendo brilhar minha tez
Ela me faz sentir em ti
Como teu corpo o fazia
Me preenchia e me enchia
Ela me cobre como tu
Me suaviza a pele
Como tuas massagens
Profundas e noturnas
Amadas e amantes
Tuas mãos me pertenciam
Agora só
As minhas são minhas
Mas elas me deliciam
Como a água me encanta.

Miká Penha
15/05/2014

Foto: "Linha do Horizonte"

Olho longe muito longe
Para lá do horizonte
Perguntei aquele monge
Mas nem vejo a nossa ponte

Nada vejo neste mar
A não ser a agonia
De não ver teu olhar
Não estarmos em sintonia

Abre os braços meu amor
Sente o que estou a sentir
Este Verão cheio de calor
Sente mas não venhas mentir

Mais um Verão se vai passar
E não te encontrarei
Vou para sempre te amar
Mas nunca mais te procurarei.

Miká Penha
"Linha do Horizonte"

Olho longe muito longe
Para lá do horizonte
Perguntei aquele monge
Mas nem vejo a nossa ponte

Nada vejo neste mar
A não ser a agonia...
De não ver teu olhar
Não estarmos em sintonia

Abre os braços meu amor
Sente o que estou a sentir
Este Verão cheio de calor
Sente mas não venhas mentir

Mais um Verão se vai passar
E não te encontrarei
Vou para sempre te amar
Mas nunca mais te procurarei.

Miká Penha
14/05/2014

Foto: "Faixa de cetim"

Hoje comprei uma faixa 
É tecido de cetim
Comprida numa caixa
Não da cor do carmim
Azul da cor do mar
Enlancei-a à minha volta
Mas o vento a soprar
Enrolando-a envolta
Meu corpo a abraçar
Tento meter na caixa
As ondas a pegaram
Molharam a faixa
Azul da cor do mar
As sereias a queriam
Mas ela é minha
A faixa de cetim
Voltou para o lugar
Mesmo molhada
Ficou arrumada.

Miká Penha
"Faixa de cetim"

Hoje comprei uma faixa
É tecido de cetim
Comprida numa caixa
Não da cor do carmim
Azul da cor do mar
Enlancei-a à minha volta
Mas o vento a soprar...
Enrolando-a envolta
Meu corpo a abraçar
Tento meter na caixa
As ondas a pegaram
Molharam a faixa
Azul da cor do mar
As sereias a queriam
Mas ela é minha
A faixa de cetim
Voltou para o lugar
Mesmo molhada
Ficou arrumada.

Miká Penha
14/05/2014

Foto: "Espelho de água"

Na água derramada
Vejo-me refletida
No chão frio da calçada

Chamo-te para mim
Esqueceste que existo
E me fazes sofrer assim

Mas alguém me olhou 
Com atenção no olhar
Sua boca esbanbacou
E ele me quer amar
 
Quem foi ao mar 
O lugar seu perderá
Pois quem não quer casar
Também não sabe amar

Sonho de menina travessa
Esperando meu par chegar
Mas o chão está frio
Na água derramada
Espelhando meu corpo
Na sensualidade toda nua
Esperando teu olhar.

Miká Penha
"Espelho de água"

Na água derramada
Vejo-me refletida
No chão frio da calçada

Chamo-te para mim
Esqueceste que existo
E me fazes sofrer assim...

Mas alguém me olhou
Com atenção no olhar
Sua boca esbanbacou
E ele me quer amar

Quem foi ao mar
O lugar seu perderá
Pois quem não quer casar
Também não sabe amar

Sonho de menina travessa
Esperando meu par chegar
Mas o chão está frio
Na água derramada
Espelhando meu corpo
Na sensualidade toda nua
Esperando teu olhar.

Miká Penha
13/05/2014

Foto: “Amar e amando”

Amo quem amo
Amo o que amo

Amo o sardão do quintal
Amo a flor na jarra da mesa
Amo a papoila no campo
E a formiga que passa no beiral

Amo o meu amor
O género não importa
O pronome também não

Amo amando o gay, 
Ou a meretriz da esquina

Pois amar e ser amado
É a aceitação carnal
Do corpo que é seu
Não a inveja 
Do que não se tem.

Miká Penha
“Amar e amando”

Amo quem amo
Amo o que amo

Amo o sardão do quintal...
Amo a flor na jarra da mesa
Amo a papoila no campo
E a formiga que passa no beiral

Amo o meu amor
O género não importa
O pronome também não

Amo amando o gay,
Ou a meretriz da esquina

Pois amar e ser amado
É a aceitação carnal
Do corpo que é seu
Não a inveja
Do que não se tem.

Miká Penha
13/05/2014

Foto: "O prazer de mim"

O meu prazer está no teu olhar
Não na minha forma física

Está na tua inteligência 
E também no teu amar
Que me amas como sou
E não como estou

Nas tuas mãos
Que me percorrem 
O meu corpo
Sedento de ti

Prazeres há para todos
O prazer de amar a elegância
Ou a gordura cheia de formusura.

Miká Penha
"O prazer de mim"

O meu prazer está no teu olhar
Não na minha forma física

Está na tua inteligência ...
E também no teu amar
Que me amas como sou
E não como estou

Nas tuas mãos
Que me percorrem
O meu corpo
Sedento de ti

Prazeres há para todos
O prazer de amar a elegância
Ou a gordura cheia de formusura.

Miká Penha
13/05/2014

Foto: "Gordinha ... Eu"

É gorda, alguém falou
Mas eu nada senti
Pois alguém me amou
E a ninguém feri

Meu corpo me fala
Me leva onde quero
É o meu transporte 
Do meu pensamento
Da minha alma
Do meu querer 
Ou não querer
Aprendi a gostar dele
Pois satisfaz meus caprichos
Meu corpo me fala
Me leva onde quero

Gosto de mim como sou
Ninguém pode escolher 
No corpo que lhe mandaram
Este eu de tudo querer saber 
E de as pessoas não compreender
O porquê das insatisfações
E do seu corpo não gostarem
Cirurgias para pagar
Os que nem têm para dar
Ou no pão para comprarem
Eu mesmo assim uso biquíni
E por isso nada escondo
Para quê tentar enganar
Se a inteligência me comanda
A bondade essa é demais
Por isso 
Eu adoro meu corpo
Pois aprendi a gostar.

Miká Penha

(Imagem de Internet)
"Gordinha ... Eu"

É gorda, alguém falou
Mas eu nada senti
Pois alguém me amou
E a ninguém feri...

Meu corpo me fala
Me leva onde quero
É o meu transporte
Do meu pensamento
Da minha alma
Do meu querer
Ou não querer
Aprendi a gostar dele
Pois satisfaz meus caprichos
Meu corpo me fala
Me leva onde quero

Gosto de mim como sou
Ninguém pode escolher
No corpo que lhe mandaram
Este eu de tudo querer saber
E de as pessoas não compreender
O porquê das insatisfações
E do seu corpo não gostarem
Cirurgias para pagar
Os que nem têm para dar
Ou no pão para comprarem
Eu mesmo assim uso biquíni
E por isso nada escondo
Para quê tentar enganar
Se a inteligência me comanda
A bondade essa é demais
Por isso
Eu adoro meu corpo
Pois aprendi a gostar.

Miká Penha
13/05/2014

Foto: Miká Versus Clara

Dilema e sofrimento
Ansiedade e loucura
Solidão e timidez
Paixão e amor
Tudo isto em mim
E eu em tudo isto
Vence a realidade
Arte é meu estado Zen
Pinto o preto no branco
O meu ying yang
Sinto o equilíbrio
Entre o campismo
Num ambiente bucólico
E entre a lagoa e o mar
Contrastante minha vida
Equilibro assim 
A minha serenidade
Sou feliz

Miká Penha
Miká Versus Clara

Dilema e sofrimento
Ansiedade e loucura
Solidão e timidez
Paixão e amor
Tudo isto em mim
E eu em tudo isto
Vence a realidade...
Arte é meu estado Zen
Pinto o preto no branco
O meu ying yang
Sinto o equilíbrio
Entre o campismo
Num ambiente bucólico
E entre a lagoa e o mar
Contrastante minha vida
Equilibro assim
A minha serenidade
Sou feliz

Miká Penha
12/05/2014

Foto: "Pontapé na tristeza"

Forte como eu
Mas muito diferente
Singela quando quer
Quando ama idolatra
Sofre quando a pisam
Mas ultrapassa tudo
Bebé criança
Menina mulher
Mudas dia a dia

Em coração de pedra 
Te queriam transformar
Mas não quebras
És forte demais
Manda a tristeza embora
Volta ao que eras
Cresce mas sê espontânea
Como sempre foste

Menina linda cresceste
Mulher bela te transformaste
Ciúmes que tenham todos
Pois não quebrarás
Minha Princesa sempre serás
A vida te será favorável
E tu um dia encontrarás
Quem te ame de verdade

Paixões irão e virão
Menina Mulher
Pontapé na tristeza
Ninguém merece tua lágrima
Seca-a e vai brincar
A vida é uma festa
Tens tempo para amar.

Miká Penha
"Pontapé na tristeza"

Forte como eu
Mas muito diferente
Singela quando quer
Quando ama idolatra
Sofre quando a pisam
Mas ultrapassa tudo
Bebé criança...
Menina mulher
Mudas dia a dia

Em coração de pedra
Te queriam transformar
Mas não quebras
És forte demais
Manda a tristeza embora
Volta ao que eras
Cresce mas sê espontânea
Como sempre foste

Menina linda cresceste
Mulher bela te transformaste
Ciúmes que tenham todos
Pois não quebrarás
Minha Princesa sempre serás
A vida te será favorável
E tu um dia encontrarás
Quem te ame de verdade

Paixões irão e virão
Menina Mulher
Pontapé na tristeza
Ninguém merece tua lágrima
Seca-a e vai brincar
A vida é uma festa
Tens tempo para amar.

Miká Penha
08/05/2014

Foto: "Mãe"

Hoje é teu dia da mãe
Para dizer que sinto
Mas me calarei
Esta é a única cama
Que me darás um dia
O tecto é o Luar frio
O limoeiro encobre-me

Tomo banho na banheira
Que também ne ofereceste
Com a água aquecida pelo Sol
Guardadas em garrafas

Esta é a minha casa
E nem essa me deste
Mas a casa que eu queria
Roubaste-ma
A casa onde habita teu coração
Essa está mais fria
Que as noites de Inverno
És amor para quem queres
Amor para quem te apageia

Um dia estarás sozinha
E nem precisarás de me chamar
Eu estarei lá a teu lado.

Dá tuas casas a quem desejares
Pois a única que eu queria
Não me deste
A que tinhas no coração

Pediste-me perdão!!!
Mas quem sou eu para perdoar
Ninguém...

Miká Penha
"Mãe"

Hoje é teu dia da mãe
Para dizer que sinto
Mas me calarei
Esta é a única cama
Que me darás um dia
O tecto é o Luar frio
O limoeiro encobre-me...

Tomo banho na banheira
Que também ne ofereceste
Com a água aquecida pelo Sol
Guardadas em garrafas

Esta é a minha casa
E nem essa me deste
Mas a casa que eu queria
Roubaste-ma
A casa onde habita teu coração
Essa está mais fria
Que as noites de Inverno
És amor para quem queres
Amor para quem te apageia

Um dia estarás sozinha
E nem precisarás de me chamar
Eu estarei lá a teu lado.

Dá tuas casas a quem desejares
Pois a única que eu queria
Não me deste
A que tinhas no coração

Pediste-me perdão!!!
Mas quem sou eu para perdoar
Ninguém...

Miká Penha
04/05/2014
Foto: "Traição"

À anos te confessaste
Mas não os pormenores
Meu coração ficou absurdo
Minha boca aberta secou

Nada de retóricas
Verdade nua e crua
Acabou-se as mentiras
Anos a fio sem compreender
Porque me fizeste sofrer

Hoje faltou a luz na aldeia
Fiquei a olhar para a janela
Escuridão densa e negra
Acendi uma vela
Sua chama mágica
Me hipnotizou
Me fez entorpecer os sentidos
Me fez acreditar que errei
Quando não acreditei em ti

O mês passado quando vieste
E me pediste perdão com o olhar
Me disseste que foi o pior erro
Que fizeste na tua vida

Entre tantas mulheres...
Mesmo que aquela
Te tivesse escolhido
Tu terias de ser mais homem
E tu mesmo a recusar

Porque o valor de um homem
Também está na recusa
Anos que não esquecerei
Dor que me absorveu
Fizeram-me sofrer
Mas ela para mim
Já não é nada
E tu continuas a ser tudo....
Amo-te

Miká Penha
"Traição"

À anos te confessaste
Mas não os pormenores
Meu coração ficou absurdo
Minha boca aberta secou

Nada de retóricas
Verdade nua e crua...
Acabou-se as mentiras
Anos a fio sem compreender
Porque me fizeste sofrer

Hoje faltou a luz na aldeia
Fiquei a olhar para a janela
Escuridão densa e negra
Acendi uma vela
Sua chama mágica
Me hipnotizou
Me fez entorpecer os sentidos
Me fez acreditar que errei
Quando não acreditei em ti

O mês passado quando vieste
E me pediste perdão com o olhar
Me disseste que foi o pior erro
Que fizeste na tua vida

Entre tantas mulheres...
Mesmo que aquela
Te tivesse escolhido
Tu terias de ser mais homem
E tu mesmo a recusar

Porque o valor de um homem
Também está na recusa
Anos que não esquecerei
Dor que me absorveu
Fizeram-me sofrer
Mas ela para mim
Já não é nada
E tu continuas a ser tudo....
Amo-te

Miká Penha
03/05/2014

Foto: Crianças

Filhos da minha vida
Diferentes em tudo
Sonhos diferentes
Personalidades diferentes
Água e Fogo
Maior diferença não pode haver
Contraste nos olhares
Amor e ódio
Paixão e adoração
Certezas e incertezas
A gota de água que cai no azeite
Meus filhos tão diferentes
E no entanto tão iguais
Pois o amor que lhes dou
É um amor doce
Eternamente suave
Adultos se tornaram
E assim continuam
Os amores da minha vida
As minhas crianças
Um dia crianças me darão
Eles me fizeram 
Adorar o papel de mãe
Crianças de doçura diferente
Amor num, um gota de fel noutro
Ele gentil, ela amarga
Suas personalidades diferentes
Foram sempre por mim respeitadas
Um não tem de ser igual ao outro
Crianças que amei e nunca esquecerei
Adultos, que um dia me oferecerão uma criança, 
Será água ou fogo
Mas será por mim muito amada.

Miká Penha
Crianças

Filhos da minha vida
Diferentes em tudo
Sonhos diferentes
Personalidades diferentes
Água e Fogo
Maior diferença não pode haver
Contraste nos olhares...
Amor e ódio
Paixão e adoração
Certezas e incertezas
A gota de água que cai no azeite
Meus filhos tão diferentes
E no entanto tão iguais
Pois o amor que lhes dou
É um amor doce
Eternamente suave
Adultos se tornaram
E assim continuam
Os amores da minha vida
As minhas crianças
Um dia crianças me darão
Eles me fizeram
Adorar o papel de mãe
Crianças de doçura diferente
Amor num, um gota de fel noutro
Ele gentil, ela amarga
Suas personalidades diferentes
Foram sempre por mim respeitadas
Um não tem de ser igual ao outro
Crianças que amei e nunca esquecerei
Adultos, que um dia me oferecerão uma criança,
Será água ou fogo
Mas será por mim muito amada.

Miká Penha
03/05/2014
Foto: Mãe

Mãe nos dá amor
Educação
Partilha
Mãe há só uma.
Não é verdade...
Às vezes temos
Outras mães
Que não as nossas
Melhores mães
Que morrem e nos deixam
Desamparadas,
Amamos às vezes
Outras mães que não a nossa
Porquê?
Porque a sociedade
Um dia impôs serem
Esposas e mães
Mas dentro delas
Não existe o amor de mãe
Pois nesse amor,
Ama-se de verdade
Em todo o seu pleno
Educa-se
Partilha-se por igual.
Quero de volta 
A minha mãe que morreu
Pois esta que está viva
Não pode ser minha mãe.

Amo-te Mãe
Um dia te encontrarei
Sejas quem for...

Miká Penha
Mãe

Mãe nos dá amor
Educação
Partilha
Mãe há só uma.
Não é verdade...
Às vezes temos
Outras mães...
Que não as nossas
Melhores mães
Que morrem e nos deixam
Desamparadas,
Amamos às vezes
Outras mães que não a nossa
Porquê?
Porque a sociedade
Um dia impôs serem
Esposas e mães
Mas dentro delas
Não existe o amor de mãe
Pois nesse amor,
Ama-se de verdade
Em todo o seu pleno
Educa-se
Partilha-se por igual.
Quero de volta
A minha mãe que morreu
Pois esta que está viva
Não pode ser minha mãe.

Amo-te Mãe
Um dia te encontrarei
Sejas quem for...

Miká Penha

2/5/2014

Foto: "Iemanjá ... Rainha do Mar"

Ouvindo o rufar dos tambores
Chamando sua Deusa preferida
Que se erga do fundo do mar
E sua oferenda buscar 
Mãe Iemanjá, 
Deusa das Águas 
Rainha do Mar
Enfeitam-se as jovens imitando-a
Vaidosas e sedutoras de branco
Insinuosas de azul vestindo-a
Iluminando seu manto

Seus adornos espelhos e pente
A energia feminina que gera
Nas danças e cantares
Seus corpos rodopiando
À Iemanjá dançando
Para que cuide dos seus entes
Poderosa e vasta 
Alongando-se nos seus oceanos
Protegendo as famílias
Que ofertando águas de cheiro
Perfumes e as flores flutuam nas águas

Negra já foi, agora branca o é
De cabelos negros compridos
Olhos azuis felinos
Rosto rosado, lábios aveludados
Abre as mãos e deixa cair pérolas
Roubadas das ostras do mar

As sereias penteiam seus cabelos
Enquanto ela se estende
E flutuando se vem mostrar
À beira das ondas do mar
No mar refletido pelo luar
Com seus raios prateados

Ela sai do seu reino encantado
Das profundezas do mar
Como sereia entoando
Sinuando-se aos marinheiros
Que desavisados que andam
Encantados sucumbem 
Aos seus encantos femininos

Rainha do Mar 
Vem agraciar meus familiares
Proteger meus filhos
Como uma grande mãe que és
Danço para ti minha Rainha

Miká Penha
"Iemanjá ... Rainha do Mar"

Ouvindo o rufar dos tambores
Chamando sua Deusa preferida
Que se erga do fundo do mar
E sua oferenda buscar
Mãe Iemanjá,
Deusa das Águas
Rainha do Mar...
Enfeitam-se as jovens imitando-a
Vaidosas e sedutoras de branco
Insinuosas de azul vestindo-a
Iluminando seu manto

Seus adornos espelhos e pente
A energia feminina que gera
Nas danças e cantares
Seus corpos rodopiando
À Iemanjá dançando
Para que cuide dos seus entes
Poderosa e vasta
Alongando-se nos seus oceanos
Protegendo as famílias
Que ofertando águas de cheiro
Perfumes e as flores flutuam nas águas

Negra já foi, agora branca o é
De cabelos negros compridos
Olhos azuis felinos
Rosto rosado, lábios aveludados
Abre as mãos e deixa cair pérolas
Roubadas das ostras do mar

As sereias penteiam seus cabelos
Enquanto ela se estende
E flutuando se vem mostrar
À beira das ondas do mar
No mar refletido pelo luar
Com seus raios prateados

Ela sai do seu reino encantado
Das profundezas do mar
Como sereia entoando
Sinuando-se aos marinheiros
Que desavisados que andam
Encantados sucumbem
Aos seus encantos femininos

Rainha do Mar
Vem agraciar meus familiares
Proteger meus filhos
Como uma grande mãe que és
Danço para ti minha Rainha

Miká Penha

28/4/2914

 
Foto: "Os Amores da Clarinha"

Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Assim começavam
Muitas canções que aprendi
Em criança de sandália
Correndo e rodando
As saias voavam
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Agora só quero 
Quem bem me quer
Quero casar com quem quero 
Quero casar com quem me quer
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Vem de volta oh Clarinha
Vem ver quem será teu par
Os sonhos se cruzam 
Com a realidade
O rodopio da vida
Nos faz querer 
Ser novamente criança
Quero dançar novamente
E escolher o meu par
Coloquem-se todos
Rodados à minha volta
Vedam-me os olhos
Rodopio bailando
Dançando e voando
Escolho o meu par
Apontando
Tiro a venda dos olhos
E ninguém vejo à minha volta
Oiço risadas de crianças
Adormeci na praia
Acordei assustada
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Ninguém me quer 
Quem me quer bem
Tem de me pedir a meu Pai.

Miká Penha
27/04/2014
"Os Amores da Clarinha"

Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Assim começavam
Muitas canções que aprendi
Em criança de sandália
Correndo e rodando
As saias voavam...
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Agora só quero
Quem bem me quer
Quero casar com quem quero
Quero casar com quem me quer
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Vem de volta oh Clarinha
Vem ver quem será teu par
Os sonhos se cruzam
Com a realidade
O rodopio da vida
Nos faz querer
Ser novamente criança
Quero dançar novamente
E escolher o meu par
Coloquem-se todos
Rodados à minha volta
Vedam-me os olhos
Rodopio bailando
Dançando e voando
Escolho o meu par
Apontando
Tiro a venda dos olhos
E ninguém vejo à minha volta
Oiço risadas de crianças
Adormeci na praia
Acordei assustada
Clarinha ohi ohai
Clarinha ohai meu bem
Ninguém me quer
Quem me quer bem
Tem de me pedir a meu Pai.

Miká Penha
27/04/2014
Foto: “Saudades de vós”

Quem sois vós que me fazem sofrer
Quem sois vós que me renegaram
Voltando como anjinhos
Minhas forças retiraram

Mulher forte que sempre fui
Nas asas do amor fraterno
Me envolvi em vós
Não vivia, nem morria
Deixei de ser tudo o que queria
Não sendo o que podia

Hoje me sinto renovada
Envolta no manto do amor sincero
Fora os fingimentos que me abordavam
Fazendo-me sentir nada
Saudades é mentira
Não tenho saudades sequer
Pois a sinceridade é meu lema
Vossa mentira um estratagema

Fiquem com o que querem
Dêem o que não desejam
Pois a mim só de paz preciso
Saudades não tenho
Pois na mentira viviam

Fingida não sou
Nem nunca seria
Amo-me agora como estou
E mais amor tenho para dar
Nesta nova fase da minha vida.

Miká Penha
26/04/2014

“Saudades de vós”

Quem sois vós que me fazem sofrer
Quem sois vós que me renegaram
Voltando como anjinhos
Minhas forças retiraram...

Mulher forte que sempre fui
Nas asas do amor fraterno
Me envolvi em vós
Não vivia, nem morria
Deixei de ser tudo o que queria
Não sendo o que podia

Hoje me sinto renovada
Envolta no manto do amor sincero
Fora os fingimentos que me abordavam
Fazendo-me sentir nada
Saudades é mentira
Não tenho saudades sequer
Pois a sinceridade é meu lema
Vossa mentira um estratagema

Fiquem com o que querem
Dêem o que não desejam
Pois a mim só de paz preciso
Saudades não tenho
Pois na mentira viviam

Fingida não sou
Nem nunca seria
Amo-me agora como estou
E mais amor tenho para dar
Nesta nova fase da minha vida.

Miká Penha
26/04/2014
Foto: “O meu Diamante Negro”

Moreno corpo sensual
Bronzeado da praia
Ou queimado pelo sal

Amado ou mal-amado
Seu medo se arrastou
E como um ser alado
Suas asas quebraram

Meu diamante negro
É uma pedra em bruto
Tal príncipe íntegro
Não arreia do seu fruto

Hoje estou no nosso local
Um ano e meio depois
Com a esperança de te ver
De sentir teu cheiro
Mas só sinto o cheiro do mar
Que levou nosso amor
Que me fez sofrer
Deixando-me amá-lo

Desistir dizem que não
Mas não desistir 
Meu fim seria
Pois amar sem ser amada
É o fim de qualquer amor

Sem dó nem piedade
Deixei o diamante em bruto
Para que a outras faça sofrer

Pois desisti de amar
Quem não me merece
E me fez sentir morrer,.

Miká Penha
26/04/2014

“O meu Diamante Negro”

Moreno corpo sensual
Bronzeado da praia
Ou queimado pelo sal

Amado ou mal-amado
Seu medo se arrastou
E como um ser alado...
Suas asas quebraram

Meu diamante negro
É uma pedra em bruto
Tal príncipe íntegro
Não arreia do seu fruto

Hoje estou no nosso local
Um ano e meio depois
Com a esperança de te ver
De sentir teu cheiro
Mas só sinto o cheiro do mar
Que levou nosso amor
Que me fez sofrer
Deixando-me amá-lo

Desistir dizem que não
Mas não desistir
Meu fim seria
Pois amar sem ser amada
É o fim de qualquer amor

Sem dó nem piedade
Deixei o diamante em bruto
Para que a outras faça sofrer

Pois desisti de amar
Quem não me merece
E me fez sentir morrer,.

Miká Penha
26/04/2014
Foto: “Amar como sempre amei”

Amar como sempre amei
É uma virtude duradoura
É uma entrega total
E só uma vez me casei
Porque amar não é casamento
Amar é darmo-nos
Totalmente sem medos
Sem receios, só nos darmos não
Mas temos de sentir algo
Entrega total e paixão
Da outra parte amada
É um dom partilhado
Ninguém pode amar sozinho
E ser feliz amando
Pois o amor é a base de tudo
A partilha também
Só partilhando se recebe
Só amando somos felizes
Amei quando amei
Mas amei divinamente
Pois senti dentro de mim
E ainda esses amores sinto
Pois foram sentidos
Foram amados em pleno
Só sei amar assim
Como sempre amei.

Miká Penha
26/04/2014
“Amar como sempre amei”

Amar como sempre amei
É uma virtude duradoura
É uma entrega total...
E só uma vez me casei
Porque amar não é casamento
Amar é darmo-nos
Totalmente sem medos
Sem receios, só nos darmos não
Mas temos de sentir algo
Entrega total e paixão
Da outra parte amada
É um dom partilhado
Ninguém pode amar sozinho
E ser feliz amando
Pois o amor é a base de tudo
A partilha também
Só partilhando se recebe
Só amando somos felizes
Amei quando amei
Mas amei divinamente
Pois senti dentro de mim
E ainda esses amores sinto
Pois foram sentidos
Foram amados em pleno
Só sei amar assim
Como sempre amei.

Miká Penha
26/04/2014
Foto: “Desejo-te”

Desejo-te quando te vejo
Quando me ligas derreto-me
Minto-te para te distanciar
E continuo neste ensejo
Deste desejo que me apoquenta
Deixa-me no ventre a saudade
De quando nos tocávamos
E nos saciávamos
Ávidos de amor
Nos usávamos para satisfação
Mas sem querer aprendemos
A nos querer, e desejar
Sozinhos cada um na sua casa
Ávida de ti, ou de alguém
Mas é em ti que te sinto
Que te quero e desejo
Tocas-me a provocar
Quando nem podemos falar
As pessoas estão atentas a tudo
E quando entras, 
Sinto que já não oiço ninguém
Não me provoques assim
Que não mereço
Nem tu amadureces
Velho com cabeça de criança
Não aprendes a crescer
E eu não aprendo 
A deixar de te querer
Mesmo sendo mais velha
Como se pode deixar de querer
O rebuçado que nos querem oferecer?

Miká Penha
26/04/2014
“Desejo-te”

Desejo-te quando te vejo
Quando me ligas derreto-me
Minto-te para te distanciar
E continuo neste ensejo
Deste desejo que me apoquenta
Deixa-me no ventre a saudade
De quando nos tocávamos...
E nos saciávamos
Ávidos de amor
Nos usávamos para satisfação
Mas sem querer aprendemos
A nos querer, e desejar
Sozinhos cada um na sua casa
Ávida de ti, ou de alguém
Mas é em ti que te sinto
Que te quero e desejo
Tocas-me a provocar
Quando nem podemos falar
As pessoas estão atentas a tudo
E quando entras,
Sinto que já não oiço ninguém
Não me provoques assim
Que não mereço
Nem tu amadureces
Velho com cabeça de criança
Não aprendes a crescer
E eu não aprendo
A deixar de te querer
Mesmo sendo mais velha
Como se pode deixar de querer
O rebuçado que nos querem oferecer?

Miká Penha
26/04/2014
Foto: “Liberdade” 25 Abril

Liberdade para sonhar
Liberdade para amar
Liberdade para tudo 
Liberdade para nada

Mas a Liberdade 
Também pode ser uma prisão

Prisão de não poder sonhar
Prisão de não poder amar
Prisão por tudo 
Prisão por nada

Em cada Liberdade há uma prisão
Em cada prisão há uma liberdade

É mais livre o prisioneiro
Que estão nas nossas prisões
Que nós que estamos cá fora
Nas nossas casas,
Nos nossos empregos
Quem os tem, pois poucos há

Essa Liberdade libertina
Que abusaram dela
Agora é a nossa prisão
A prisão que não podemos fugir

A nossa Liberdade está presa
Dentro e fora de nós

Venham uns tanques,
Ou uns tiros com morte
Não é isso que nos vai devolver
A nossa Liberdade
Que já foi presa à muito

Libertem-se do consumismo
Libertem-se dos exageros
Acomodem-se só ao que podem ter
E só assim podem ser Livres

Viva a minha Liberdade...

Miká Penha
25/04/2014

“Liberdade” 25 Abril

Liberdade para sonhar
Liberdade para amar
Liberdade para tudo
Liberdade para nada

Mas a Liberdade
Também pode ser uma prisão...

Prisão de não poder sonhar
Prisão de não poder amar
Prisão por tudo
Prisão por nada

Em cada Liberdade há uma prisão
Em cada prisão há uma liberdade

É mais livre o prisioneiro
Que estão nas nossas prisões
Que nós que estamos cá fora
Nas nossas casas,
Nos nossos empregos
Quem os tem, pois poucos há

Essa Liberdade libertina
Que abusaram dela
Agora é a nossa prisão
A prisão que não podemos fugir

A nossa Liberdade está presa
Dentro e fora de nós

Venham uns tanques,
Ou uns tiros com morte
Não é isso que nos vai devolver
A nossa Liberdade
Que já foi presa à muito

Libertem-se do consumismo
Libertem-se dos exageros
Acomodem-se só ao que podem ter
E só assim podem ser Livres

Viva a minha Liberdade...

Miká Penha
25/04/2014

Foto: “Suicídio”

Agora compreendo o porquê
Duma terra tão pequena
Tantos suicídios ter

Os segredos nos levam
A cabeça a cansar
Noites sem dormir
Aprender a calar
E sempre a sorrir

Mas o esgotamento 
Começa a transparecer
Com a idade e cansaço
Horas a fio sem nada ter
Como resolver esse embaraço

O suicídio está latente
No seu modo de pensar
Em cada pessoa inteligente
Na armadilha vai parar

Eu escrevo quando não tenho sono
Mas deveria estar calada no silêncio
A pensar como ser no abandono
Pois durante minha vida vivencio

Pois atirar-me a um poço só morria
Uma corda ao pescoço como meu avô
Outros venenos consumiram
Mas isto tudo nada resolveu…

Que estar a tentar dormir
É bem pior que estar acordada
Ler um livro afinal é uma boa solução
Mas escrever é muito melhor para desabafar.

Miká Penha
“Suicídio”

Agora compreendo o porquê
Duma terra tão pequena
Tantos suicídios ter

Os segredos nos levam
A cabeça a cansar
Noites sem dormir...
Aprender a calar
E sempre a sorrir

Mas o esgotamento
Começa a transparecer
Com a idade e cansaço
Horas a fio sem nada ter
Como resolver esse embaraço

O suicídio está latente
No seu modo de pensar
Em cada pessoa inteligente
Na armadilha vai parar

Eu escrevo quando não tenho sono
Mas deveria estar calada no silêncio
A pensar como ser no abandono
Pois durante minha vida vivencio

Pois atirar-me a um poço só morria
Uma corda ao pescoço como meu avô
Outros venenos consumiram
Mas isto tudo nada resolveu…

Que estar a tentar dormir
É bem pior que estar acordada
Ler um livro afinal é uma boa solução
Mas escrever é muito melhor para desabafar.

Miká Penha
22/04/2014
Foto: "Jovem ranhosa e ramelosa"

Eras tu em jovem
Menina ranhosa e ramelosa
Travessa e mal cheirosa
Duas caras sempre tiveste
Distribuías o correio
Os rapazes fugiam de ti
Um dia aquele jovem 
Que foi fazer a tropa a Lisboa
Com pena de ti te pegou
Quando à aldeia lá ia
E assim te levou
Com pena e sentimento
Fez de ti sua rainha
Mãe de suas filhas
Teus trapos jogou ao lixo
Tecidos lindos te comprou
Costureira te pagou
E de ti sua esposa fez
Mulher honrada 
Assim te tornaste
Vaidosa e caprichosa
Esnobavas a pobreza
Tornaste poderosa
Assim correm os dizeres
De quem tu eras afinal
E até tua mãe ele salvou
Das mãos do teu pai
Maldoso e violento
Assim era tua juventude
Te esqueceste do bem 
Que ele te fez
E transformaste todos
A teu belo prazer
A dor que já senti
De seres má e fingida
Maltratas quem não gostas
Nem as netas 
Tratas por igual
Quem sou eu para ti?
Nada és para mim
Mas tuas filhas te desprezarão
E eu estarei aqui afinal
Com tua neta que desprezaste
A dar-te a mão no final...

Miká Penha
"Jovem ranhosa e ramelosa"

Eras tu em jovem
Menina ranhosa e ramelosa
Travessa e mal cheirosa
Duas caras sempre tiveste
Distribuías o correio
Os rapazes fugiam de ti
Um dia aquele jovem ...
Que foi fazer a tropa a Lisboa
Com pena de ti te pegou
Quando à aldeia lá ia
E assim te levou
Com pena e sentimento
Fez de ti sua rainha
Mãe de suas filhas
Teus trapos jogou ao lixo
Tecidos lindos te comprou
Costureira te pagou
E de ti sua esposa fez
Mulher honrada
Assim te tornaste
Vaidosa e caprichosa
Esnobavas a pobreza
Tornaste poderosa
Assim correm os dizeres
De quem tu eras afinal
E até tua mãe ele salvou
Das mãos do teu pai
Maldoso e violento
Assim era tua juventude
Te esqueceste do bem
Que ele te fez
E transformaste todos
A teu belo prazer
A dor que já senti
De seres má e fingida
Maltratas quem não gostas
Nem as netas
Tratas por igual
Quem sou eu para ti?
Nada és para mim
Mas tuas filhas te desprezarão
E eu estarei aqui afinal
Com tua neta que desprezaste
A dar-te a mão no final...

Miká Penha
Foto: "Deserdar-me"

Quero deserdar-me
Dos bens que me querem dar
A igualdade sempre foi meu lema
A irmandade a minha paixão

Mas pior que o Vaticano
As guerras pelos bens materiais
É a desassociação familiar
Nada deve ser feito em vida

Mas se é isso que querem
A ela dou minha parte
Fiquem com tudo
Prefiro ficar sem nada
Pois eu estou repleta de tudo
E vocês cheias de nada

Pois os bens materiais são grandes
Mas nada são para mim
Pois para mim o melhor bem
É ter a alma limpa
Sem dores de cabeça

Deserdo-me assim de vossos bens
Sem pensar nos meus filhos
Pois eles não quererão também
Ter as mãos sujas de esterco
Do esterco que fizeram na vida

O jardim vai deixar de existir
As ervas daninhas já lá estão
Vivem lá e se apoderaram
Mas um dia deixarão de ir

E o jardim que queria carinho e amor
Deixará de existir e de ter valor
Pois até um dia da família
Deixará de ser sem pudor
Ela o venderá 
Ao melhor comprador.

Miká Penha
"Deserdar-me"

Quero deserdar-me
Dos bens que me querem dar
A igualdade sempre foi meu lema...
A irmandade a minha paixão

Mas pior que o Vaticano
As guerras pelos bens materiais
É a desassociação familiar
Nada deve ser feito em vida

Mas se é isso que querem
A ela dou minha parte
Fiquem com tudo
Prefiro ficar sem nada
Pois eu estou repleta de tudo
E vocês cheias de nada

Pois os bens materiais são grandes
Mas nada são para mim
Pois para mim o melhor bem
É ter a alma limpa
Sem dores de cabeça

Deserdo-me assim de vossos bens
Sem pensar nos meus filhos
Pois eles não quererão também
Ter as mãos sujas de esterco
Do esterco que fizeram na vida

O jardim vai deixar de existir
As ervas daninhas já lá estão
Vivem lá e se apoderaram
Mas um dia deixarão de ir

E o jardim que queria carinho e amor
Deixará de existir e de ter valor
Pois até um dia da família
Deixará de ser sem pudor
Ela o venderá
Ao melhor comprador.

Miká Penha
22/04/2014
Foto de Ser Poeta Intimista - by Miká Penha.Foto de Ser Poeta Intimista - by Miká Penha.Foto de Ser Poeta Intimista - by Miká Penha.

"Escolheu ser Fã"

Quem será afinal?
Esta jovem que escolhiam
Para cantar com seu vozeirão
Mas andava num rodopio
E fã quis ser de coração

Sua voz quis esquecer...
E na amizade fraternal
A outra quis enaltecer
Pois duas Penhas afinal
Em Palco seria show

Entre os outros fãs
Nem se vê seu rostinho
De lágrimas de felicidade
De ver a prima ganhar

Ganhar o quê afinal
Se sua voz quis esconder
Sempre foi ela que a colocou
À frente de todos no palco
Pois a vergonha lhe tirou
E lhe deu a força do seu Ser

E a outra onde está agora
Quando todos a queriam ver cantar
Todos se levantavam da plateia
Aplaudindo sem medida

A força lhe tiraram
Enaltecendo a Princesa
E a Bruxa se desvanecendo
Fugiu na vassoura
Para num café aviar
Cervejas frescas e loiras

Continua recusando trabalhos
No mundo da música e bandas
Sua voz escondendo de todos
Morrendo a mãe de desgosto
Do caminho que escolheu

Quem é esta menina afinal
Que não se dá valor a si própria
Desiste em prol de todos
Esquece que um dia será tarde
Mas para ela o que importa
É que a prima vença no final

Pois foi o que a família escolheu
Desde pequena que ouve
Que ela para nada presta
Porque tentar afinal
Se ela à família dá razão

Sua voz ninguém lhe tira
Seu charme está lá
Sincera, madura e atrevida
Amada pela mãe
Que vê do que é capaz
Ela nada vê afinal

Rita traga a cerveja
Que o cliente está á espera
Tire o café para aquela mesa
Que estão à espera da galera

Que queres tu afinal?
Luta por ti por favor
Tens de ser tu a querer
Ritinha acorda por favor
Não deixes o tempo te desvanecer
A beleza do teu lindo ser
A tua sinceridade e simplicidade
Ritinha acorda por favor
Não faças a mãe sofrer
Luta por ti, onde está tua vaidade
Em que é que tu te tornaste
A menina orgulhosa e feliz
Baixou a cabeça e desistiu
Mas a tua voz está aí
Queiras ou não, essa não morre
Pois foi Deus que te a deu.
Solta-te do que te amarra

Uma escola de cântico
Não te pude pagar
Com teu pai nunca pudeste contar
Mas voa Ritinha voa bem alto
Voa com o coração
Da mãe que te ama.

Miká Penha
21/04/2014
Foto: "Fases da Lua"

Quatro fases tem a Lua
Ensinam na escola os professores
Na verdade é que cresci
E essa dita verdade desmenti
Pois quando olho para ela
Tantas fases ela muda
Sorri, chora, fala comigo
Desdita minha sorte
Porque fala ela comigo
Se tento nem olhar para ela
Mas ela se espelha na Lagoa
Me faz olhar seu esplendor
E no meu olhar atrás do luar 
Apanho-me a olhar para ela
Vaidosa, pois conseguiu
Sua intenção desmedida
Me tira as lágrimas dos olhos
Me sorri envergonhada
De ter sido traiçoeira
Se tento nem olhar para ela
Porque teima ela então
Porque me faz cair na razão
Do sofrimento que ela sente
Dentro do meu coração
Vai Lua esconde-te
Atrás dessas nuvens sossegada
Deixa-me pensar no meu amor
Morrer de desgosto afinal
É impossível contigo a olhar
Vai Lua esconde-te
Mudas de fases quando queres
Mas eu nunca mudo sequer
Meu coração é sempre o mesmo
Minha fase chora ou ri
Escondo o que me vai na alma
Afinal sou como tu
Várias fases também tenho...

Miká Penha
"Fases da Lua"

Quatro fases tem a Lua
Ensinam na escola os professores
Na verdade é que cresci
E essa dita verdade desmenti
Pois quando olho para ela
Tantas fases ela muda
Sorri, chora, fala comigo...
Desdita minha sorte
Porque fala ela comigo
Se tento nem olhar para ela
Mas ela se espelha na Lagoa
Me faz olhar seu esplendor
E no meu olhar atrás do luar
Apanho-me a olhar para ela
Vaidosa, pois conseguiu
Sua intenção desmedida
Me tira as lágrimas dos olhos
Me sorri envergonhada
De ter sido traiçoeira
Se tento nem olhar para ela
Porque teima ela então
Porque me faz cair na razão
Do sofrimento que ela sente
Dentro do meu coração
Vai Lua esconde-te
Atrás dessas nuvens sossegada
Deixa-me pensar no meu amor
Morrer de desgosto afinal
É impossível contigo a olhar
Vai Lua esconde-te
Mudas de fases quando queres
Mas eu nunca mudo sequer
Meu coração é sempre o mesmo
Minha fase chora ou ri
Escondo o que me vai na alma
Afinal sou como tu
Várias fases também tenho...

Miká Penha
21/04/2914
Foto: "Enganar ou amar"

Avalia-se o terreno
As casas e as flores
Só não se avalia o amor
Pois os donos a quem quer dão
O que é deles e o chão
Sem nada ficarão

Mais uma vez acontecerá
Tudo perderá o norte
O amor será mais forte
E deles alguém cuidará

Mesmo sem nada ficar
Essa pessoa lhes restará
Pois quem tudo quer não prestará
Para deles cuidar e amar

Que seja feita sua vontade
Moldada e bem aparada
Os papéis felizes assinarão
E em breve sem nada ficarão

Mentindo eles acreditarão
E mais uma vez se comprova
Que nada é do coração
O que interessa é a certidão

As escrituras mais tarde
Ou até mais cedo
Mas desprezados serão
Mas os velhos não aprendem

Ficará sem flores o jardim
As rosas serão bravias
Assim tudo tem um fim
As casas ficarão vazias

Os velhos são enganados
Mas caem sempre nas cantilenas
Assinam para os entes amados
Esquecem-se que existem Madalenas

Miká Penha
"Enganar ou amar"

Avalia-se o terreno
As casas e as flores
Só não se avalia o amor
Pois os donos a quem quer dão
O que é deles e o chão
Sem nada ficarão
 
Mais uma vez acontecerá
Tudo perderá o norte
O amor será mais forte
E deles alguém cuidará

Mesmo sem nada ficar
Essa pessoa lhes restará
Pois quem tudo quer não prestará
Para deles cuidar e amar

Que seja feita sua vontade
Moldada e bem aparada
Os papéis felizes assinarão
E em breve sem nada ficarão

Mentindo eles acreditarão
E mais uma vez se comprova
Que nada é do coração
O que interessa é a certidão

As escrituras mais tarde
Ou até mais cedo
Mas desprezados serão
Mas os velhos não aprendem

Ficará sem flores o jardim
As rosas serão bravias
Assim tudo tem um fim
As casas ficarão vazias

Os velhos são enganados
Mas caem sempre nas cantilenas
Assinam para os entes amados
Esquecem-se que existem Madalenas

Miká Penha

21/04/2014

Foto: "Valoriza-te"

Mulher valoriza-te
Disse-me um velho pedinte
Quando lhe ia dar uma moeda
Pensei eu, pobre e mal agradecido

Mas no olhar dele, algo havia
E de repente meus pensamentos
Me colocaram noutro lugar
Noutro sítio diferente e desconhecido
Onde estava eu agora?
Um receio infundado
Pois de onde estava tudo via
As pessoas pareciam formigas
A azáfama era tal
Que via todos correndo

Eu estava ali parada no meio
Da Avenida Augusta de mão esticada
Dando a moeda a quem?
Se não estava lá ninguém

Correm todos correndo
Eu de cá de cima vendo
Como fui ali parar e porquê?
Quando só estava só a olhar
Para os olhos do pedinte 
No chão frio sentado

De repente tornei a descer
Ele sorriu agradecido
Eu baixei a cabeça agradecida
E ele disse: "Mereceste
Pois só tu me olhaste nos olhos,
Valoriza-te que tudo vai dar certo"...

Miká Penha
"Valoriza-te"

Mulher valoriza-te
Disse-me um velho pedinte
Quando lhe ia dar uma moeda
Pensei eu, pobre e mal agradecido

Mas no olhar dele, algo havia
E de repente meus pensamentos...
Me colocaram noutro lugar
Noutro sítio diferente e desconhecido
Onde estava eu agora?
Um receio infundado
Pois de onde estava tudo via
As pessoas pareciam formigas
A azáfama era tal
Que via todos correndo

Eu estava ali parada no meio
Da Avenida Augusta de mão esticada
Dando a moeda a quem?
Se não estava lá ninguém

Correm todos correndo
Eu de cá de cima vendo
Como fui ali parar e porquê?
Quando só estava só a olhar
Para os olhos do pedinte
No chão frio sentado

De repente tornei a descer
Ele sorriu agradecido
Eu baixei a cabeça agradecida
E ele disse: "Mereceste
Pois só tu me olhaste nos olhos,
Valoriza-te que tudo vai dar certo"...

Miká Penha

20/04/2014

Foto: "Mulher malfadada"

Menina mimada
Com sonhos de criança
Sempre em contos de fada
Crescendo no jogo da vida

Jogando com as irmãs
Um quadrado formavam
Nas esquinas as esperanças
Da amizade fraternal 
Da realidade de criança

Os anos passados
Os Natais sempres juntos
Tal família intemporal
Que nas Páscoas se unem
No Carnaval era uma festa
As quatro a mexer no armário
Tirando o que queriam
Em vez de pormo-nos feias
Mais belas ficávamos 

Menina mimada
Com sonhos de criança
Seus contos de fada
Se desvaneceram
Abriu os olhos e viu
Que a família era fingida
Que nem dela deveria ser
E crescendo se tornou
Em adulta malfadada

Sozinha com seus filhos
Amor deles não lhe faltava
Pois esses laços ninguém tira
Natal não havia
Páscoa nem existia
Mas esse amor incondicional
Em que tudo acreditava acabou
Mulher malfadada se tornou.

Miká Penha
"Mulher malfadada"

Menina mimada
Com sonhos de criança
Sempre em contos de fada
Crescendo no jogo da vida

Jogando com as irmãs
Um quadrado formavam...
Nas esquinas as esperanças
Da amizade fraternal
Da realidade de criança

Os anos passados
Os Natais sempres juntos
Tal família intemporal
Que nas Páscoas se unem
No Carnaval era uma festa
As quatro a mexer no armário
Tirando o que queriam
Em vez de pormo-nos feias
Mais belas ficávamos

Menina mimada
Com sonhos de criança
Seus contos de fada
Se desvaneceram
Abriu os olhos e viu
Que a família era fingida
Que nem dela deveria ser
E crescendo se tornou
Em adulta malfadada

Sozinha com seus filhos
Amor deles não lhe faltava
Pois esses laços ninguém tira
Natal não havia
Páscoa nem existia
Mas esse amor incondicional
Em que tudo acreditava acabou
Mulher malfadada se tornou.

Miká Penha
20/04/2014
 Foto: "Deus vai restituir tudo o que perdeu"

Vontade de rir ou chorar
De amar ou desesperar
Então quando chega Ele?
Não foi no Natal
Muito menos na Páscoa

Entrei na casa Dele 
Estava mais fria que a minha
Pois na Dele só fingimento
Na minha a verdade

O Padre disse:
Ele vos vai compensar
Mentira de uma verdade escondida
Verdade de uma mentira
Que queremos acreditar

Restituir o quê
A dor que já sofri?
O que não pude dar a meus filhos?
A casa minha que nunca tive?
E que meus pais vão dá-la a minha irmã
Quem nem filhos tem...

Restituir o quê?
A dor da separação familiar?
O desinteresse que sinto em tudo?
Quatro irmãs e estou sozinha.

Deus vai restituir o quê?
As lágrimas que ontem chorei?
A dor de não ver minha filha em Palco?
Mas sim vê-la a aviar cafés e cerveja?

O que perdi?
As lágrimas que escorreram
Pela minha face abaixo
Deixando as rugas mais acentuadas
Cada vez mais sofridas....

Mas afinal 
Deus vai-me restituir o quê?
O não poder ver meu filho 
E minha norita todos os meses?

Os anos vão passando
Engordei com a doença
E dizem-me 
Deus vai restituir o que perdeu

O que está perdido, perdido está
Deus não vai restituir nada...
Pois Deus para mim já não existe.
Façam o bem na terra,
Pois em mais lado nenhum o farão....

Miká Penha
"Deus vai restituir tudo o que perdeu"

Vontade de rir ou chorar
De amar ou desesperar
Então quando chega Ele?
Não foi no Natal
Muito menos na Páscoa

Entrei na casa Dele ...
Estava mais fria que a minha
Pois na Dele só fingimento
Na minha a verdade

O Padre disse:
Ele vos vai compensar
Mentira de uma verdade escondida
Verdade de uma mentira
Que queremos acreditar

Restituir o quê
A dor que já sofri?
O que não pude dar a meus filhos?
A casa minha que nunca tive?
E que meus pais vão dá-la a minha irmã
Quem nem filhos tem...

Restituir o quê?
A dor da separação familiar?
O desinteresse que sinto em tudo?
Quatro irmãs e estou sozinha.

Deus vai restituir o quê?
As lágrimas que ontem chorei?
A dor de não ver minha filha em Palco?
Mas sim vê-la a aviar cafés e cerveja?

O que perdi?
As lágrimas que escorreram
Pela minha face abaixo
Deixando as rugas mais acentuadas
Cada vez mais sofridas....

Mas afinal
Deus vai-me restituir o quê?
O não poder ver meu filho
E minha norita todos os meses?

Os anos vão passando
Engordei com a doença
E dizem-me
Deus vai restituir o que perdeu

O que está perdido, perdido está
Deus não vai restituir nada...
Pois Deus para mim já não existe.
Façam o bem na terra,
Pois em mais lado nenhum o farão....

Miká Penha

19/04/2014

Foto: "Ambiente Bucólico"

Um dia o médico me disse
Vá para um ambiente bucólico
Vai-lhe fazer bem  à alma
E também ao coração
Principalmente ao cérebro
Que precisa de descanso

Esqueceu-se o pobre coitado
Que nem tudo o que reluz é ouro
Que nem tudo parece o que é
E assim sendo arranjei
Um grande 31 neste ambiente
Pois quando chega as pulverizações
Que são muitas e demais
Minha pele à noite me avisa
Que deveria ter ido para a praia

Pois os pesticidas são muitos
E no ar andam a voar
Por isso senhores doutores,
Não mandem ninguém
Para estes ambiente puros
Que algumas vezes
De puro nada tem.

Miká Penha

"Ambiente Bucólico"

Um dia o médico me disse
Vá para um ambiente bucólico
Vai-lhe fazer bem à alma
E também ao coração...
Principalmente ao cérebro
Que precisa de descanso

Esqueceu-se o pobre coitado
Que nem tudo o que reluz é ouro
Que nem tudo parece o que é
E assim sendo arranjei
Um grande 31 neste ambiente
Pois quando chega as pulverizações
Que são muitas e demais
Minha pele à noite me avisa
Que deveria ter ido para a praia

Pois os pesticidas são muitos
E no ar andam a voar
Por isso senhores doutores,
Não mandem ninguém
Para estes ambiente puros
Que algumas vezes
De puro nada tem.

Miká Penha
19/04/2014

Foto: "Nesta Páscoa, rir ou chorar?"

Quando a Páscoa chega
As amêndoas fazem engordar
Nada vale a pena
A família me faz desesperar

Entre as verdades e as mentiras
Se vai fingindo alegria
Minha filha e eu sozinhas
Que Páscoa abençoada seria

Não me desejem nada nestes dias
Pois é tudo só cumprimentos
Só fantasias adocicadas
Tradição familiar
É para quem tem família
Eu e minha filha
As únicas nesta casa
Meu filho longe mas abençoado
Por ter quem o ame a seu lado

Páscoa fingida e doce
Achocolatada e frustada
Mas a uma criança se dá um ovo
E se esquece a dor da alma
Pois ela me perguntou
Se foi o coelhinho que meteu o ovo
E eu disse prontamente que sim

Virei costas com lágrimas nos olhos
Entrei em casa e desatei-me a rir
Só a inocência da criança
Para me tirar a vontade de chorar....

Miká Penha
"Nesta Páscoa, rir ou chorar?"

Quando a Páscoa chega
As amêndoas fazem engordar
Nada vale a pena
A família me faz desesperar...

Entre as verdades e as mentiras
Se vai fingindo alegria
Minha filha e eu sozinhas
Que Páscoa abençoada seria

Não me desejem nada nestes dias
Pois é tudo só cumprimentos
Só fantasias adocicadas
Tradição familiar
É para quem tem família
Eu e minha filha
As únicas nesta casa
Meu filho longe mas abençoado
Por ter quem o ame a seu lado

Páscoa fingida e doce
Achocolatada e frustada
Mas a uma criança se dá um ovo
E se esquece a dor da alma
Pois ela me perguntou
Se foi o coelhinho que meteu o ovo
E eu disse prontamente que sim

Virei costas com lágrimas nos olhos
Entrei em casa e desatei-me a rir
Só a inocência da criança
Para me tirar a vontade de chorar....

Miká Penha
19/04/2014

Foto: "Pintando em Montmartre"

Pintores famosos
Sonhos desvanecidos
Consumidos pelo oportunismo
Dos agentes espertalhões
Que viam em cada traço
Destes pobres pintores
Um famoso Monet
Ou um Auguste Renoir

Sonhos que sonharam 
Estes jovens desprendidos
Suas telas oferecidas 
Por moedas sujas e escuras
Qualquer coisa aceitavam
Em troca vendiam
Estas peças de valor
Que para alguns matavam
A fome de suas famílias

Onde irão minhas pinturas
Em que mãos irão parar
Estes já eram meus sonhos
Mas tive medo de pintar
Depois de ter visto
Estes pintores a cirandar
Numa pobreza sem fim
Desgostos nos seus olhares

Para que é que eu vou pintar
Se ainda não sei amar
Se ainda nada sofri
Como exprimir o meu sentir
Se o que sentia nesta altura
Era ser jovem feliz
Crescendo dentro de mim
Deixando de ser a criança que fui
Um dia coragem terei
Para pintar meus sentimentos.

Miká Penha 
"Pintando em Montmartre"

Pintores famosos
Sonhos desvanecidos
Consumidos pelo oportunismo
Dos agentes espertalhões
Que viam em cada traço
Destes pobres pintores
Um famoso Monet...
Ou um Auguste Renoir

Sonhos que sonharam
Estes jovens desprendidos
Suas telas oferecidas
Por moedas sujas e escuras
Qualquer coisa aceitavam
Em troca vendiam
Estas peças de valor
Que para alguns matavam
A fome de suas famílias

Onde irão minhas pinturas
Em que mãos irão parar
Estes já eram meus sonhos
Mas tive medo de pintar
Depois de ter visto
Estes pintores a cirandar
Numa pobreza sem fim
Desgostos nos seus olhares

Para que é que eu vou pintar
Se ainda não sei amar
Se ainda nada sofri
Como exprimir o meu sentir
Se o que sentia nesta altura
Era ser jovem feliz
Crescendo dentro de mim
Deixando de ser a criança que fui
Um dia coragem terei
Para pintar meus sentimentos.

 

Miká Penha

19/04/2014

 Foto: "Rio do amor"

Este é o rio do amor
Pois é na cidade de luz
É a terra do amor

Paris cidade de paixões
De amores nas vielas
E clochardes nos paredões

Idade bela que nada vê
Mas que tudo se sente
De gabardine preparada
Para os primeiros chuviscos
Da primavera que se avizinhava

No Rio Sena fiquei esperando
Que o amor viesse
Mas ele estava em Portugal
Me esperando para casar

Já voltei mais duas vezes 
A este lindo país
Para a próxima quero voltar
Com o  meu novo amor
E aqui me casar.....

Miká Penha
"Rio do amor"

Este é o rio do amor
Pois é na cidade de luz
É a terra do amor

Paris cidade de paixões
De amores nas vielas
E clochardes nos paredões...

Idade bela que nada vê
Mas que tudo se sente
De gabardine preparada
Para os primeiros chuviscos
Da primavera que se avizinhava

No Rio Sena fiquei esperando
Que o amor viesse
Mas ele estava em Portugal
Me esperando para casar

Já voltei mais duas vezes
A este lindo país
Para a próxima quero voltar
Com o meu novo amor
E aqui me casar.....

Miká Penha
10/04/2014
Foto: "Não me reconheço"

Quem é esta que não conheço
Já esqueci, já não me revejo
Nas fotos do passado
De cara enfrenesiada
Com medo do jogo da vida

Quem é esta que tanto sonhou
Um dia vir a amar para sempre
E que tudo derrubou
Numa raquetada sem bofetada

Não me reconheço
Nunca me soube exprimir
A dor ficava dentro do meu peito
Os sonhos na minha cabeça

Sempre fui bonita e coquete
Num colégio de freiras aprendi
Como se jogar à raquete
E afinal na vida só me feri

Não me reconheço 
Nem em sonhos
Não me lembro o que fui
Mas sou esta que vêem
Jogando em Paris

Que sonhos teria neste dia
Que estaria a pensar
Quando empunhei a raquete
A vida eu quereria raquetar
Pois estava pronta para amar.

Miká Penha
"Não me reconheço"

Quem é esta que não conheço
Já esqueci, já não me revejo
Nas fotos do passado
De cara enfrenesiada
Com medo do jogo da vida

Quem é esta que tanto sonhou...
Um dia vir a amar para sempre
E que tudo derrubou
Numa raquetada sem bofetada

Não me reconheço
Nunca me soube exprimir
A dor ficava dentro do meu peito
Os sonhos na minha cabeça

Sempre fui bonita e coquete
Num colégio de freiras aprendi
Como se jogar à raquete
E afinal na vida só me feri

Não me reconheço
Nem em sonhos
Não me lembro o que fui
Mas sou esta que vêem
Jogando em Paris

Que sonhos teria neste dia
Que estaria a pensar
Quando empunhei a raquete
A vida eu quereria raquetar
Pois estava pronta para amar.

Miká Penha
19/04/2014
Foto: "Horas de dormir"

Deveria estar a dormir
Os olhos me pesam
Mas estou de férias
Troquei os sonhos
Por aventuras
Que me fazem acordar
O medo irreal do sonho
Me faz agarrar à almofada
Acordo e vou para o computador
Escrever meus pensamentos
Que deveriam ficar escondidos
Entre o sonho e a realidade
É um sonho acordado
Que me faz suar frio
Que me arrepia
Que me sonha e encanta
Afinal era o canto da cotovia
Que sentiu a luz da janela acesa
E que responde do lado de fora
Mas eu quero é dormir
Não ouvir o piar do pássaro
Nem ouvir meu pensamento
Vou tentar dormir novamente
Pois já são horas de dormir....

Miká Penha
"Horas de dormir"

Deveria estar a dormir
Os olhos me pesam
Mas estou de férias
Troquei os sonhos...
Por aventuras
Que me fazem acordar
O medo irreal do sonho
Me faz agarrar à almofada
Acordo e vou para o computador
Escrever meus pensamentos
Que deveriam ficar escondidos
Entre o sonho e a realidade
É um sonho acordado
Que me faz suar frio
Que me arrepia
Que me sonha e encanta
Afinal era o canto da cotovia
Que sentiu a luz da janela acesa
E que responde do lado de fora
Mas eu quero é dormir
Não ouvir o piar do pássaro
Nem ouvir meu pensamento
Vou tentar dormir novamente
Pois já são horas de dormir....

Miká Penha
19/04/2014 
Foto: Sonho, sonhado e não esquecido

Sei de cor cada traço teu, os teus gestos, teus sorrisos, tuas rugas.
Sei de cor toda a minha vida vivida e sofrida, os meus sonhos perdidos nos meus pensamentos,
Tento-te esquecer mas sei-te de cor.
Sonho com os encantamentos com que me encantaste, preciso de te esquecer mas continuo apaixonada.
Sonho contigo todos os instantes em que estou acordada, oiço tua voz quando tento adormecer pois está gravada no meu coração.
Sonho com um sonho sonhado que no Inverno da vida se dissipou.
Sonhos em que acreditei ser feliz contigo, sonhos atraiçoados na dor que tenho no coração em que sonhava ser para sempre a única e eu era só mais uma.
Sonho com o dia em que alguém me olhe e me faça esquecer-te, para sempre, pois dói demais te amar.
Quando era jovem e via os filmes românticos, sonhava que ia ser assim, como estava a ver na televisão.
Não sonhei ser o que sou hoje, deselegante, forte e linda, porque a beleza interior esta sim é a coisa mais linda que sinto em mim.
E isso é a realidade não um sonho, uma vida a educar dois filhos sozinha, sem apoios, corria dum lado para o outro, trocar de escolas, de turnos, levá-los ao taekwondo, à natação, tudo uma correria e agora o estar só.
Só para ir beber um café, para ir a um cinema, uma praia, nada apetece fazer sozinha, por isso acabo sempre por sonhar o sonho que nunca terei.

O sonho de um amor real, vivido, amado, e não o sonho da solidão que me espera, no vazio do meu quarto, no frio dos lençóis, o frio no coração.
Já é tarde demais, o tempo foi-se passando, endurecendo minha alma, acentuando minhas rugas, estragando meu corpo dos exageros da vida laboral.
Eu tenho um sonho, de não te teres esquecido de mim, de um gesto teu transparecer do teu coração e com sentimento numa grande festa da minha aldeia, subires ao palco e com um grande ramo de rosas vermelhas, fazeres-me uma declaração de amor e pedires-me em casamento.
Um sonho irreal o sonho que sonho todas as noites em que quando acordo estás a meu lado e sou a mulher mais feliz do mundo é o sonho da minha vida que nunca mais se concretizará, pois é simplesmente um sonho, sonhado diariamente.
Sabes no Centro Saúde eu pedi ao médico: - Quero deixar de sonhar, dê-me algum comprimido para que isso aconteça, minha cabeça rodopia, coloco o telefone a meu lado e oiço sua voz gravada durante horas e não consigo dormir e sonhar sem ser com ele.
O médico respondeu: - Abre a janela do teu quarto e manda o telefone contra a parede do vizinho, assim resolves a questão e deixas de ouvir a voz dele o que ajudará muito.
Assim fiz?
Não, não fiz, a necessidade de o ouvir, mesmo a nossa última conversa que doeu tanto, é uma necessidade, uma doença que não me conseguem curar.
Agora vou dormir e sonhar, com o que nunca acontecerá mais em momento algum desta minha vida.

Miká Penha
Sonho, sonhado e não esquecido

Sei de cor cada traço teu, os teus gestos, teus sorrisos, tuas rugas.
Sei de cor toda a minha vida vivida e sofrida, os meus sonhos perdidos nos meus pensamentos,
Tento-te esquecer mas sei-te de cor.
Sonho com os encantamentos com que me encantaste, preciso de te esquecer mas continuo apaixonada.
Sonho contigo todos os instantes em que estou acordada, oiço tua voz quando tento adormecer pois está gravada no meu coração.
Sonho com um sonho sonha...do que no Inverno da vida se dissipou.
Sonhos em que acreditei ser feliz contigo, sonhos atraiçoados na dor que tenho no coração em que sonhava ser para sempre a única e eu era só mais uma.
Sonho com o dia em que alguém me olhe e me faça esquecer-te, para sempre, pois dói demais te amar.
Quando era jovem e via os filmes românticos, sonhava que ia ser assim, como estava a ver na televisão.
Não sonhei ser o que sou hoje, deselegante, forte e linda, porque a beleza interior esta sim é a coisa mais linda que sinto em mim.
E isso é a realidade não um sonho, uma vida a educar dois filhos sozinha, sem apoios, corria dum lado para o outro, trocar de escolas, de turnos, levá-los ao taekwondo, à natação, tudo uma correria e agora o estar só.
Só para ir beber um café, para ir a um cinema, uma praia, nada apetece fazer sozinha, por isso acabo sempre por sonhar o sonho que nunca terei.
O sonho de um amor real, vivido, amado, e não o sonho da solidão que me espera, no vazio do meu quarto, no frio dos lençóis, o frio no coração.
Já é tarde demais, o tempo foi-se passando, endurecendo minha alma, acentuando minhas rugas, estragando meu corpo dos exageros da vida laboral.
Eu tenho um sonho, de não te teres esquecido de mim, de um gesto teu transparecer do teu coração e com sentimento numa grande festa da minha aldeia, subires ao palco e com um grande ramo de rosas vermelhas, fazeres-me uma declaração de amor e pedires-me em casamento.
Um sonho irreal o sonho que sonho todas as noites em que quando acordo estás a meu lado e sou a mulher mais feliz do mundo é o sonho da minha vida que nunca mais se concretizará, pois é simplesmente um sonho, sonhado diariamente.
Sabes no Centro Saúde eu pedi ao médico: - Quero deixar de sonhar, dê-me algum comprimido para que isso aconteça, minha cabeça rodopia, coloco o telefone a meu lado e oiço sua voz gravada durante horas e não consigo dormir e sonhar sem ser com ele.
O médico respondeu: - Abre a janela do teu quarto e manda o telefone contra a parede do vizinho, assim resolves a questão e deixas de ouvir a voz dele o que ajudará muito.
Assim fiz?
Não, não fiz, a necessidade de o ouvir, mesmo a nossa última conversa que doeu tanto, é uma necessidade, uma doença que não me conseguem curar.
Agora vou dormir e sonhar, com o que nunca acontecerá mais em momento algum desta minha vida.

Miká Penha
16/4/2014
Foto: Abril águas mil, ainda ontem trovejou
As raízes se esmiuçaram
O rio cheio não aguentou
A agricultura e couves não brotaram

Dia 1 das mentiras, as verdades se foram
Que mentiras hoje inventarão
Os amigos se divertem com a imaginação
Das partidas que pregaram

Mas mesmo assim a chuva não quer parar
A carapinha cai gelada nas ruas vazias
A noite é negra está difícil de aclarar
O Zacarias veio agora com o Matias

E disseram que amanhã fazia Sol
E que para a praia iriam tomar banhoca
Oh meus senhores será do álcool
Levem a rede para apanhar a minhoca

Hoje vai ser um dia cansativo
Pois todos querem mentir
Como se fosse dia festivo
E continuam a insistir

Amanhã o Zacarias e o Matias
Ao médico devem ir de rastos
A chuva não pára de cair nestes dias
E agora até constipado está o Matos.

Não apareçam no Centro Saúde
Que nem médicos há, foram para fora
É melhor irem até ao Alaúde
E dançar até fora de horas.

Ser Poeta Intimista - by Miká Penha

"Verdade ou Mentira"  (Dia das Mentiras)

Abril águas mil, ainda ontem trovejou
As raízes se esmiuçaram
O rio cheio não aguentou
A agricultura e couves não brotaram

Dia 1 das mentiras, as verdades se foram...
Que mentiras hoje inventarão
Os amigos se divertem com a imaginação
Das partidas que pregaram

Mas mesmo assim a chuva não quer parar
A carapinha cai gelada nas ruas vazias
A noite é negra está difícil de aclarar
O Zacarias veio agora com o Matias

E disseram que amanhã fazia Sol
E que para a praia iriam tomar banhoca
Oh meus senhores será do álcool
Levem a rede para apanhar a minhoca

Hoje vai ser um dia cansativo
Pois todos querem mentir
Como se fosse dia festivo
E continuam a insistir

Amanhã o Zacarias e o Matias
Ao médico devem ir de rastos
A chuva não pára de cair nestes dias
E agora até constipado está o Matos.

Não apareçam no Centro Saúde
Que nem médicos há, foram para fora
É melhor irem até ao Alaúde
E dançar até fora de horas.
01 Abril 2014
Foto: e para as vossas cartas de amor 
só podia ser
esta mesmo 
porque aqui
mora o bom gosto! 
Papel DArroz
“Carta de amor a meu ex”
 
Amar-te como sempre amei, sentir amor como sempre senti … é dor.
 
Amor verdadeiro, uma grande paixão como o amor que eu lia no papel de arroz perfumado de alfazema, amor à primeira vista na aula de ginástica, tinha eu 16 anos.
Estava descalça e quando te vi, parece que meus pés se enraizaram, não se mexiam e eu nem tugia, meu corpo arrefeceu e tu lá estavas lindo com umas calças brancas à boca-de-sino tingidas de verde, com teu cabelo ondulado e negro como carvão, fizeste-me juras de amor.

Nem sabias o que dizias e muito menos o sentias,
Nada parecia impossível, pensei nos iríamos amar eternamente, tu já andavas de olho em mim e por isso a minha cor branquinha se ruborizou corando minhas faces.
E eu sem reservas, nem dúvidas, oito anos namoramos.
Nada parece inconcebível, tudo parecia permanente, tudo seria para sempre.
É isso que sinto meu amor, é isso que basta para amar, eu amo-te, oh como eu te amo
E nunca pensei ser um dia, tão grande a dor de te perder.
A emoção que sentia o aperto do coração, estas incertezas e dúvidas sempre a pairar na cabeça, quando se ama.
Tudo nos assalta no pensamento, por ter medo que acabe, pois só temos uma certeza, a certeza do que sentimos e duvidamos que o outro ame de igual forma, achamos que numa balança o nosso amor é sempre maior, mais pesado, pois sabemos o que sentimos
E eu ainda hoje sinto um grande amor, que não deveria sentir.
 
Despeço-me de ti meu amor, não queria que fosse assim mas achei que chegamos ao limite, não estávamos no equilíbrio ideal da balança.
Acostumaste-me mal, e eu deixei, não gritei, nem esperneei, não coloquei toda a culpa em ti, afinal, quando alguém nos fere a culpa é nossa.
Eu deixei que meu coração falasse mais alto, não me arrependo que isso fique bem claro.
Sempre sofri sem ti, mas não me arrependo de ter suspirado alegremente.
Toda relação, seja familiar, de amizade, amorosa, tem sua data de validade.
E isso não significa em momento algum que aquela ou essa pessoa vá deixar de ser importante na minha vida, pois tu fazes parte da minha vida.
Tu fizeste parte dum lindo capítulo que chegou ao fim, mas que sempre vai estar lá, guardado para quem quiser ler.
Não posso falar sobre o futuro, não sei se aparecerás de novo na história da minha vida...
Neste momento, eu queria te dar um forte abraço, te olhar nos olhos.
Dizer: - Até qualquer dia, te espero para nos amarmos.
Mas minhas pernas não ajudam, meus sentidos também não, todo meu corpo me boicota.
Deixaste duas marcas em mim, que são a minha vida, nossos filhos são o projecto concretizado mais lindo que fizemos na vida.
Fechei um capítulo da minha vida á 20 anos. Mas esqueci de escrever a palavra FIM.
 
MAS SOU FELIZ…ESPERANDO-TE.
 
De quem te ama e nunca te esquecerá…
 
Miká Penha
20 Março 2014


 
"O meu quarto"

Sim é no meu quarto
Que me sinto bem
Não no palácio onde vivo
Cheio de salas e janelas
Com um bom terraço
Mais duas cadelas

É aqui neste quarto
Sem condições
Que me sinto e renasço
Quando clareia o dia
Limpo os brônquios da humidade
E da putrificação, do caruncho
Que envolve toda a casa

Todos os fins de semana
Tento fazer algo nela
Arrebento aos poucos
Com o tecto podre
Dos barrotes carcomidos

Me estico na espreguiçadeira
Num terraço de cimento
Murado e isolado
Para descansar
Os braços arrebentados
Do cansaço das pancadas.
Vai-se começando
A ver as telhas
Brevemente acabarei
Este quarto limpo-o
E passo para o seguinte
São tão pequenos
Que não demorarei
Talvez no fim do Verão
Um dia hei-se olhá-la
E rir-me das lágrimas
Que presentemente
Sozinha vou destruindo
A minha casinha e cantando
"O Papel Principal é MEU"

 16/03/2014                                                                            Miká Penha
 
 Foto: "Arte"

Cada pessoa seu gosto
Cada gosto seu paladar
Mas em mim há um desgosto
De quem não consegue amar

A poesia vai nascer
Das cores que misturar
Pois as telas a fazer
É a arte de abraçar

Junta as mãos com as minhas
Enlaçadas num bailado
O colorido misturando as linhas
O Maló aparece assombrado

Quando o amarelo junta o carmim
O êxtase está quase a acontecer
Vem o Picasso estragar no fim
Minha pintura tem de renascer

Penso na Lagoa no horizonte
As gaivotas voam sobre o mar
As mãos empurram nascente
Estou pronta a te amar

Mas não te vejo na minha tela
Que ficou da cor de marfim
Foste de mãos dadas com ela
Desapareceste por fim

Mas o cavalete ficou vazio
À espera de o preencher
Com outra tela sem vadio
Que me fizesse sofrer

Ser Poeta Intimista - by Miká Penha
"Arte na Lagoa"

Cada pessoa seu gosto
Cada gosto seu paladar
Mas em mim há um desgosto
De quem não consegue amar

A poesia vai nascer
Das cores que misturar
Pois as telas a fazer
É a arte de abraçar

Junta as mãos com as minhas
Enlaçadas num bailado
O colorido misturando as linhas
O Maló aparece assombrado

Quando o amarelo junta o carmim
O êxtase está quase a acontecer
Vem o Picasso estragar no fim
Minha pintura tem de renascer

Penso na Lagoa no horizonte
As gaivotas voam sobre o mar
As mãos empurram nascente
Estou pronta a te amar

Mas não te vejo na minha tela
Que ficou da cor de marfim
Foste de mãos dadas com ela
Desapareceste por fim

Mas o cavalete ficou vazio
À espera de o preencher
Com outra tela sem vadio
Que me fizesse sofrer

13.03.2014                                                                   Miká Penha


Dia 13 Março 2014 teu aniversário, mais um poema que só me faz lembrar de ti e sofrer, outras tens, outras terás, então porquê continuar a amar-te.”


 "Palavras para quê"

Saltam, saltaricam e salteiam
As palavras na minha cabeça
Rompendo elas anseiam
Que a mensagem transpareça

As palavras nada dizem
Do que eu quero explicar
Elas se enfatizem
Na expressão de amar

Corram, na correria da vida
Lembrem-se que o tempo passa
Deixem-se todos de briga
Que a saúde é escassa

Sejam solidários para todos
Principalmente para os vizinhos
A horta podem dividir a rodos
Não sejam todos mauzinhos

Ajudar é fácil não importa
Manda-se a nota para o estrangeiro
Mas ao pobre ao lado da porta
Finge-se que é passageiro

Palavras para quê, se esta é a verdade
Ainda dizem que nas aldeias é assim
Mas aqui só se perde a liberdade
Bucólico mas palavras de capim.

 12.03.2014                                                                   Miká Penha


Violação ou não?

Quantas violações foram feitas
Quantas foram inventadas
Estimuladas pela imaginação
Infâncias dolorosas
Violações que deveriam ter ficado
Nos segredos dos Deuses
Verdades ou sonhos
Duma infância negrida
Imagens difusas
Dum passado atormentado
Oiço os passos e tremo
Que me irá acontecer
Meninas mulheres
Embaladas nas histórias
Que desenhavam a crueldade
O machismo em casa
O Poder que se apoderou
Das mulheres sofridas
Outras escondidas
Seus olhos à luz da vela
Mostravam um olhar insípido
Resignado e arrastado
O tempo que tudo curava
Mostrava mais tarde
Que nada se passou...
Mas o medo e pavor
Das bebedeiras dos pais
Transformou tudo
Num pesadelo infernal
Para toda a vida.
Um medo de ser violada
Naquela noite de breu
No silêncio da noite escondida
Mas nada aconteceu...

12.03.2014                                                                   Miká Penha
"Este livro de ouro"

Este livro que escrevo
São de folhas de ouro
Não por ser valioso
Mas por serem pesadas
E a sua cor amarelada
De folhas douradas
São de ouro fingido
Ouro falso da vida ingrata
Livro que pesa no meu penar
Folhas que não se rasgam
Da crueldade que me infligiram
Do tesouro que está guardado
Na arca aos pés da minha cama
Arca preta cor de negrume
Onde guardo as folhas sofridas
As cartas escritas
Lidas com minha dor dorida
E nunca esquecida
Palavras escritas para doer
Com palavras de tinta de sangue
Dum sangue não derramado
Que todo coalhou nas minhas veias
Secando as lágrimas
Que meu rosto tenta
A todo o custo desabafar
Mas são lágrimas de pedra
Duma mulher que já não sabe amar...
Por isso simplesmente
Deixei de chorar...
 
 11.03.2014                                                                   Miká Penha
 
"Esqueçam-me"

Tu que me conheces
Esquece-me
Tu que me viste um dia
Não viste
Tu que sabes quem sou
Já não sou
Tu que achas que sou lutadora
Já fui

Agora tu, tu e tu
Para todos deixei de existir
Não sou a Miká,
Muito menos sou a Clara.
Deixei de existir
Para todos vós
Já não sou quem fui
Esqueçam o que nunca existiu
Esqueçam-me.

Hoje preciso da minha casa velha
Reconstruída, arrancar o tecto falso
E estive lá sozinha
Onde estás tu, tu e tu
Que se diziam meus amigos
Que diziam estar ao meu lado
E a família onde está ela...?
Querer é poder
Ajuda mútua não existe
A não ser para conversa de xaxa
Ou então querem algo em troca...

Tu que dizes ser meu amigo
Convence-te que não és
Mas eu sou...
Contem comigo quando precisarem
Que eu sei que nunca contarei convosco

Agora vou-me embora
Deixei de existir...

11.03.2014                                                                   Miká Penha
"Água-pé cura"

Água-pé é remédio
Cura toda a constipação
Medicamento é um tédio
Maldita obstipação

Avozinha porque não cura
Esta dor do coração
Netinha isso sempre dura
Não há solução

Toda a dor se trata
Tratamentos há para tudo
Há mezinhas á farta
Para isso, só o futuro

Para agora fervi água-pé
Para a constipação passar
A caneca está na chaminé
Toma toda até te arrasar

Avozinha isto nada faz
Continuo a espirrar
Esta solução não satisfaz
Esta história é melhor parar

Ainda vou ficar bem bebida
Preferia um comprimido
Já estou a ficar perdida
Isto não era o pretendido

Estou a ver tudo à roda
A constipação está a passar
Acho que fiquei arrumada
Avozinha não queira teimar.

08.03.2014                                                                   Miká Penha
 
Foto: a capa e contra capa 
só podia ser assim! 
Parabéns a todos
Café e Chocolate

Nuvens escuras, muito escuras, acastanhadas e densas, voam sobre mim, ainda bem que trouxe o chapéu-de-chuva, pensei eu, vim à minha horta biológica, que cuido com paixão, o sol fica descoberto entre as nuvens.
Trouxe o termo e abri para me aquecer pois estava muito frio, o café estava fumegante a ferver, meti na chávena grande de alumínio, fervia-me nas mãos e entornei por mim abaixo, entrando nos botins negros, saltei aos pulinhos, pois queimei-me e escorreguei caindo numa poça de água, acabei entornando todo o café do termo que era enorme, quase do meu tamanho.
Fez uma grande poça, fiquei ali deitada e quente como num banho de café, o meu namorado ao chegar, riu a bom rir, gozando comigo.
De repente caído direitinho do céu, um pingo castanho no meio do meu nariz, limpei com o dedo que ficou castanho, achei estranho e gritei para ele, está chovendo lama, mas cheirava tão bem que meti o dedo na boca, sabia a chocolate, ri-me como nunca me ri.
Ele aproximou-se e disse:
- Que se passa cheiras a café com chocolate, mas só chove em cima de ti.
Eu sorridente disse,
- Ajuda-me a levantar, dá-me a mão.
Ele ao puxar-me, escorregou e caiu.
E entre risadas e molhados da chuva achocolatada acabamos sem força por desistir de nos levantar, estávamos mornos e com um aroma delicioso de café, nesta poça de que parecia uma grande chávena de pequeno-almoço com café e chocolate.
Minha cadelinha Jacqueline ladrava e pulava em redor de nós dois pensando que estávamos a brincar, de repente ela fugiu, começou a chover bolinhas de chocolate em vez de granizo, mas afinal que se passava com o tempo, algo estava errado mesmo.
Eu tinha ouvido nas notícias no dia anterior que ia haver temporal de muita chuva e granizo, mas não de chocolate e bolinhas de chocolate branco, meti algumas na boca que delícia.
Envolvidos na moleza do chocolate, fumegando e impregnados do odor da cafeína debaixo do meu grande chapéu-de-chuva que ele tinha aberto, nos beijámos.
Não havia ninguém em redor, as couves, alfaces tudo castanho, nos fez sentir gulosos.
Dos beijos, aos abraços foi um passo muito pequeno, seguindo-se um sensual enrolar de corpos naquela poça morna, tal banho de chocolate nos fez amar, como nunca nos amámos.
A mãe natureza tem os seus segredos para os amantes, me tornou sedutora, coisa que nunca fui, pois minha timidez me fazia corar facilmente, mas por muito que estivesse corada parecíamos dois negros com sua pele luzidia, embrulhados um no outro nos amando durante horas, perdi a noção do tempo e do espaço.
Já não sabia se era Inverno ou Primavera, mas sentia o Verão no meu coração, pois só contigo meu amor de Verão me senti assim, desejosa de amar e ser amada,
De repente senti que algo explodia dentro de mim, eras tu ou era eu, meu coração perdeu o ritmo, minhas pulsações dispararam, as palavras da minha boca se soltaram, caprichosas e vaidosas sedentas da tua pergunta – Queres casar comigo?
Respondi baixinho -Tenho de me lavar primeiro estou cheia de Café com Chocolate. Enfiaste-me uma aliança no dedo, e nos beijámos apaixonadamente e oiço de repente um bater muito forte de palmas, mas olhei em redor e nada vi, mas o barulho era ensurdecedor.
Acordei, assustada abro os olhos, estava a trovejar e o granizo caia pesado e estava no meu quarto na minha grande cama sozinha, com o saco de água quente nos pés, abraçada ao meu urso de peluche, pois tinha adormecido toda enrolada com medo do temporal.
Tudo não passou de um mundo de fantasia de um sonho sonhado por mim.
06/03/2014           "Antologia do Papel com Arroz "                    Miká Penha
“Café ou chocolate”
Chocolate é doce que nunca amargou
É amor que nunca se esquece 
Em tudo o que apaladou 
Sua doçura enternece
Ao café se juntou batido
Num saboroso néctar dos deuses 
Por cima das natas estendido
Num grande jogo de interesses
Quem com a ponta do dedo
Nunca provou semelhante iguaria 
Venha de lá perca o medo 
E viva esta fantasia
Jogando com a sensualidade
Do aroma ao paladar 
Foi uma casualidade 
Ficou pronto para amar 
Faça uma massagem sensual 
Sinta os dedos deslizarem 
Com chocolate nada casual 
E um café quente a trazerem 
Da massagem à recepção 
São dois passos compridos 
Saem de lá com o coração 
E os dois comprometidos
              06/03/2014                                                             Miká Penha
Viagem de sonho
Sonhei um dia ser pintora
Ou então ser poetisa
Também queria ser escritora
Acabei por ser profetisa
Previ um futuro belo
Com muitas viagens
Mas ele foi tão singelo
Nada levei nas bagagens
Previ uma viagem de sonho
Essa sim concretizei
Foi tudo tão risonho
Esse sonho realizei
Casar com muito amor
Ser mãe foi realidade
Amar com muita dor
E ter muita humildade
A viagem de sonho
Foi adiada, pensei eu
No Verão só vi o Gronho
Acompanhada do meu ateu
Meus filhos na Lagoa saltavam
Deliravam nesta altura
Brincavam na água nadavam
Na minha mente fazia a pintura
Esta foi a minha viagem de sonho
Meus filhos e a minha Lagoa
Acham vós tudo tristonho
Mas aqui sou eu a patroa
Pois quem realiza esta viagem
Tudo de bom pode esperar
Entre a dor e a bagagem
Esta minha vida foi amar.
Miká Penha
 04/03/2014
Carapinha
Cai do céu a carapinha
Saltando a meus pés
É chuva geladinha
Molhando todos os Zés
Salta, saltarica e salteia
Esbranquiçando o asfalto
Depressa se escamoteia
Queimando todo o planalto
Branca como a neve
Pesada como cascalho
Depois se vai de leve
Ficando a brincar o pirralho
Cai cai carapinha cai
Salta, saltarica e salteia
Espreita o sol que sai
Da nuvem de sereia
 
 15.02.2014                                                                                        Miká Penha
Dia de São Valentim
Dia dos namorados
Data para comemorar
Onde alguns desesperados
Passam a noite a chorar.
Para isso não acontecer
Estando eu sozinha
Convidei com prazer
Uma alma como a minha.
A solidão também cansa
E não tendo companhia
Este dia de lembrança
Onde se pretende magia
Nesta noite acabei com a sina
De vinte anos sempre sozinha
Convidei um idoso da colina
Com solidão igual à minha
Passamos o nosso jantar falando 
Desabafando todo o nosso pesar
Toda a noite confraternizando
Como ambos estávamos a precisar
Assim foi uma noite diferente
Sem crianças para tomar conta
E sentindo-me menos carente
Aprendi o que a vida nos apronta
14.02.2014                                                                                                          Miká Penha 



Santa d'Pau Carunchoso

Meu infortúnio
Secretismo popular
Castigo no seu declínio
Pelas serras a copular

Pois afinal ao esconder
Tudo sempre se sabe
Leva-se a depreender
Que no carro não cabe

Mas se no tempo antigo
De Santa Madalena
Namorava-se ao postigo
Trauteando uma cantilena

Madalena como foste parar
Num carro no alto da serra
Despida para amar
Armando uma guerra

As Santas muito sofreram
Mas elas deveriam pensar
Nos que os outros perderam
Só porque ela quis amar

Tantas Santas Madalenas
Que por aí andam perdidas
Como gotas caindo serenas
Más palavras proferidas

Santa que te perdeste
Perdoou-te Ele renascestes
Mas o castigo mereceste
Filhos não concebeste.


14.02.2014                                                                   Miká Penha
"Mucama"

Sensação de vazio
Desespero na solidão
Sentindo-me num rodízio
Aperto no coração

Alma lascívia
Sem pudor
Tal cotovia
Sem amor

Tudo é obsceno
Sentindo tremores
O lençol ameno
Com seus odores

Espreguiço-me nele
Esperando meu amado
Sentindo o odor dele
No branco maculado

Preciosa me chama
Tal pedra brilhante
Eu uma mucama
Sua acompanhante

11.02.2014                                                                             Miká Penha
"As Pazes"

Fazer as pazes é delicioso
Uma pequena zanga
Além fronteiras
Nos separa nossas vidas
Difícil é manter a união
Difícil é amar
Mas o desejo de ser
O desejo de estar
Nas palavras ler
O Sol a raiar
O sorrisos
Em nossos rostos
Mesmo sem a tua presença
Com os nossos chakras
Consigo te captar
Te sentir em mim
A presença que nunca vi
As mãos que nunca senti
Fazer amor contigo
Nos sonhos
Dentro do coração
Permaneces em mim
Mesmo sem ti
Te espero ansiosa
Um dia te encontrar
Enquanto não vens
Vou sempre te amar.
09.02.2014                                                                                   Miká Penha
Foto: "Era uma vez"

Era uma vez um dia
Escuro e Invernoso
Uma doce fantasia
Num sonho poderoso

Ela passeava na Lagoa
De gabardina violeta
Tal como uma madragoa
Uma espécie de borboleta

O vento batia fortemente
Os seus cabelos voavam
Suas mãos literalmente
Um coração formavam

A esperança adoçava
Seus lábios semi-cerrados
Seus sonhos ela lançava
Nos olhares desesperados

Triste e gelada desilusão 
Que fere o íntimo do seu ser
Trespassa seu pobre coração
E a esperança desaparecer

Miká Penha
"Era uma vez"
Era uma vez um dia
Escuro e Invernoso
Uma doce fantasia
Num sonho poderoso
Ela passeava na Lagoa
De gabardina violeta
Tal como uma madragoa
Uma espécie de borboleta
O vento batia fortemente
Os seus cabelos voavam
Suas mãos literalmente
Um coração formavam
A esperança adoçava
Seus lábios semi-cerrados
Seus sonhos ela lançava
Nos olhares desesperados
Triste e gelada desilusão
Que fere o íntimo do seu ser
Trespassa seu pobre coração
E a esperança desaparecer
                                                                                                         Miká Penha
 "Mentira"

Mentira que podia ser verdade
Uma verdade de mentira
Acreditar que vinha
Mas nem apareceu
Aparecer mesmo sem vir
Nada aconteceu
Nem sequer sorrir
Pois simplesmente
Desapareceu
Se evaporou
Morrer não morreu
Só sumiu
Justificação
Não deu
Só partiu
Dor no coração
Mentira da verdade
Ou verdade a mentir
Ele não apareceu
Deixei de sorrir
E então desapareci...
                                                                                            Miká Penha
"Meu íntimo"

No íntimo do meu ser
Na nostalgia do meu lar
Na solidão de te ter
Pronta a te amar

Na surdina da noite
A coruja esvoaça
Piando em deleite
Fazendo pirraça

O ratinho se esconde
Muito amedrontado
Como eu, procura onde
Ficando desorientado

Nesta cumplicidade da noite
O meu amor não me ama
No dia que pernoite
Esta vida me trama

Prazer desprazendo
Dum serão de solidão
De dia antecedendo
 Toda esta escuridão

Amargura que perdura
Tristeza que nos invade
Tudo é uma tortura
Nesta falta de lealdade
                                                                                            Miká Penha

 
  “A Queda na Lagoa”

Tropeço na minha vida
Caio de rosto no chão
Sinto-me entorpecida
Dói-me o coração

Meu corpo se ressente
Da dor que me assalta
Neste mundo descontente
A pétala seca salta

Da árvore despida
Debate-se contra o vento
Despojo-me da roupa vestida
Solto um lamento

Mergulho na água da Lagoa
Limpando minhas lágrimas
Sofrendo mágoas à toa
Sinto-me uma lástima

Movimentos sensuais
Neste banho nocturno
Soltam-se meus ais
No silêncio taciturno

O tropeção da queda
Que me arrancou a alma
Coração enreda
No atrofio da calma

Limpo a melancolia na água
Quebra-se a cara e o espírito
Solta-se dentro de mim a frágua
Vou escrevendo o manuscrito
                                                      
                                   Miká Penha
 "Olhares"

Olhares do meu povo
Vida ingrata e dura
Enxada na mão
Colher os cereais
As hortas para fazer
Dores e ais
Importante é comer
Sustentar os filhos
Um vinho aquecer
Preguiça nunca teve
A terra o sustenta
O temporal arrasta
Tudo é uma tormenta
Cavando os sulcos
A enxada desencrava
Uma pancada aqui e ali
Continua a batalha
Vida ingrata e dura
Mas o sustento perdura
Ela amassa o pão
Tirando-o do forno
Quente a esfumaçar
Barrado de azeite e alho
Azeitonas a acompanhar
A ele leva o jantar
O jantar é ao meio-dia
O vento quente faz suar
Come em melancolia
Saboreando o manjar
Terra dos meus sonhos
Olhares do meu povo
O Sol se põe
Regressa a casa
Cansado, arrastado
Os filhos que são seis
Saltam à frente
Gritando aos sete ventos
O pai chegou
Cansado mas abençoado
Este homem feliz
Que a vida amargou
De Joaquim seu nome
A todos encantou.
                                                                                        Miká Penha

 "Rest in Peace"

Tu que partiste
Que já não estás cá
Partida de quem já partiu
Chegada a um reino
Onde queremos imaginar
A Beleza do lugar

Nesta terra hipócrita
Onde no velório ouvimos dizer
"Coitado era tão boa pessoa"
"Para que andarmos zangados,
Se a vida acaba assim"
Hipocrisia nas línguas
Onde de entre estas vozes
Se ouve o chorar angustiado
Dos entes queridos
De quem os amava verdadeiramente
Os gritos dum pai e duma mãe
De quem viviam do respirar
De quem ali estava
Impávido, sereno
Imaculadamente trajado
Para a partida...

Tu que o levaste
Explica-me a dor que sinto
A mágoa e a raiva
De quem leva alguém
Tão jovem ainda...

Odeio-Te....
Sim odeio-Te
Tu só podes mesmo
Não existir...

Quem Te venera
Como Te venerei
Ingénua eu
Amava-Te

Não és Tu
Tu não és nada
Tu não existes
Senão porquê os jovens
As crianças que Tu levas

Simplesmente Te odeio......
RIP
                                                                                                           Miká Penha

 “Sentir”

Sinto no meu sentir
A alma a doer
Sinto no meu ouvir
O grito do prazer

Sinto o que sinto
Mas já nem sinto

Sinto o chamamento
Do prazer carnal
Sinto um adormecimento
Até pode ser fatal

Sinto o que sinto
Mas já nem sinto

Sinto o sofrer
Que me assalta o remorso
Sinto me enlouquecer
Sinto-me morrer.
                                                                                Miká Penha


"Sonho desprezado"

Nesta face
Face que a vida marcou
De mini-saia
Debaixo do candeeiro
Dei um grito
Mas ninguém me procurou
Para me abraçar
Para me sentir
Para ajudar
Meu sonho a florir
Estando ali sozinha
Perdida deste mundo
Onde ninguém
Me pode amparar
Me cuidar
Tentar recordar
Mas
Recordar o quê
Se minha vida foi sofrer
Já sem sentir dor
Com este corpo
Numa esquina para vender
Nunca mais vou voltar a ter
Uma vida para viver
O meu sonho é para esquecer
Alguém me disse um dia
Que podia voltar a ter
Uma vida p’ra viver
O passado esquecer
Mas
O meu sonho é poder sentir amor
E com ele
Acabar com esta dor.
                                                                                             Miká Penha
“Meu quarto”

Acordo
Espreguiço
A preguiça que há em mim
Mas ela é tão grande
Que não me levanto
A chuva lá fora
Cai bem forte

Enrosco-me nos lençóis
Quentes e macios
Sua suavidade me envolve
Numa doce magia

Olho em redor
As fotos emolduradas
Recordam-me momentos
Instantes passados
Nelas perpetuados

Abraço-me
Ao urso de pelúcia
Meu companheiro
De sonhos sonhados
De aventuras, e desgostos
De amores e desamores

Deitada na cama
No meu quarto cor-de-rosa
Coberta de branco
Com o mosqueteiro
Oiço a cotovia
Embalada neste som
Adormeço e sonho…
                                                                     Miká Penha
“Sol de Inverno”
Sentada no cadeirão
Em frente da janela
Deslizando os dedos
No computador
Entra um raio de Sol
Fazendo brilhar
O teclado que clicava ágil
Clareando meus olhos
Sedentos daquela imagem
Que se estendia na janela
Os prados verdejantes
Com as azedas
Amarelando os campos
Deixei de teclar
Fechei os olhos
Absorvendo aquele calor
Que me aquecia o peito
Estendida no cadeirão
Recebia o Sol
As nuvens de chuva
Rodeavam-no
Mas teimosamente
Ele espreitava
 
Entrei noutra dimensão
Porque o Sol de Inverno
Veio aquecer meu coração
 
                                                                                                    Miká Penha
 “Infertilidade”

Terra fértil
Boa produção
Mulher infértil
Dor no coração

Sofrimento abalado
Impiedade na dor
Sobriedade de pensamento
A ternura se esvai
Seca o chão ao sol
Insípido o ar
Que a sufoca
Aterroriza os pesadelos
Assombrando o olhar
Dos sonhos inexistentes

Invejando filhos alheios
Educando os que seus não são
Sofrendo no silêncio
Azedume na voz
Que soa na alma sofrida
Nos desencantos
De uma vida perdida
Esfumando-se
A esperança da luta
Da sua inexistência.
                                                                                         Miká Penha
 
 “A Espera”

Espera dolorosa
Espera interminável
Dor pavorosa
Dor inacabável

Tardava o amor
Tardava o beijo
Silenciava o ardor
Silenciava o desejo

Sofreava a intenção
Sofreava o silêncio
Reprimia a paixão
Reprimia o anseio

Espera findada
Esperando o que nunca termina
Espera esperando que desespera
Espera que me acaba atormentando
Esperando a vida que nada me resta.

05.01.2014                                                                                    Miká Penha
"A Caravana do Amor"

Sorriso radioso, olhar atento
Ele olhou-me e encantou-me
Eu disfarçava e corava

Conheci o amor
Finalmente meu coração
Respondeu ao aceno
Ao sentimento
Que me encantava
Acreditei e aventurei-me
Fui
Na caravana do amor

Anos se passaram
Num ápice do tempo
Encantada eu continuava
Passeando e transbordando
De amor verdadeiro

Mas
Onde está o amor recíproco
Me assaltavam dúvidas
Constantes e doentias
A demonstração desse amor
Não existia

Qual o amor
Onde só um ama
Qual a dor constante
Que duvida...
Peço um novo patamar
Uma relação séria
E descubro...

Que esse amor
Não é amor verdadeiro
É amor circunstancial
Que vive em cada
Nova hóspede
Da caravana do amor....
01.01.2014                                                                             Miká Penha

Sem comentários:

Enviar um comentário